Foto: Divulgação / Seap

Unidade Prisional do Puraquequara registrou maioria das ocorrências

No último domingo, 24, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) registrou um total de sete ocorrências de materiais proibidos flagrados durante os procedimentos de revista em visitantes nas unidades prisionais da capital.

 

A Unidade Prisional do Puraquequara (UPP) realizou quatro apreensões que resultaram no encaminhamento dos visitantes ao 14º Distrito Integrado de Polícia (14º DIP).
Para o secretário de Estado de Administração Penitenciária, coronel da Polícia Militar do Amazonas, Cleitman Coelho, o desempenho dos servidores da Seap e dos funcionários da empresa co-gestora, são resultado do aumento no rigor das revistas e na conduta solicitada aos colaboradores..

 

 

O visitante Eliseu de Oliveira Viana, cadastrado como amigo de um interno da UPP,

foi flagrado levando aproximadamente 300 gramas de  entorpecentes escondido no ânus
“Estamos realizando um ‘pente fino’ nas pessoas que atuam no sistema, permanecendo com aqueles que estão agindo pelo certo. Com isso conseguimos êxito também em efetuar flagrantes de visitantes que tentam burlar o sistema, pois contamos com o apoio e atuação daqueles que não vão compactuar com o errado, e nem facilitar que os objetos ilícitos cheguem às mãos dos detentos”, explicou Cleitman Coelho.

Na UPP as apreensões ocorreram pela parte da manhã, entre 10h10 às 11h45. A primeira pessoa flagrada foi o visitante Eliseu de Oliveira Viana, cadastrado como amigo do interno Josinei da Silva Barbosa, da galeria 03 da unidade. Eliseo estava com aproximadamente 300 gramas de material entorpecente escondido no ânus.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Após essa ocorrência a unidade registrou outros dois casos com material entorpecente. Glaucia Vale de Lima Santos, esposa do interno Luan da Silva Cruz, da galeria 05, foi flagrada com duas porções de entorpecente, que pesavam aproximadamente 150 gramas.

 

Glaucia Vale de Lima Santos, em visita ao detento Luan da Silva Cruz na UPP, foi

flagrada com duas porções de entorpecentes na vagina e também no ânus

 

O material estava introduzido em suas partes íntimas. Otília Guida Alves da Silva, amiga do detento Joelson Antônio Silva de França, da galeria 01, também foi flagrada com entorpecentes nas partes íntimas, sendo uma porção de aproximadamente 50 gramas.

A última visitante flagrada na UPP foi Manoela Thais da Silva e Silva, amiga do detento Edson Ferreira dos Santos, da galeria 05. A mesma passou pelo procedimento de revista, onde foi constatado um aparelho celular, um chip e uma bateria, escondidos nas partes íntimas da visitante.

 

Manoela Thais da Silva e Silva, amiga do detento chamado Edson Ferreira dos Santos,

foi a última flagrada na UPP, ela estava transportando um

aparelho telefônico, um chip e uma bateria  dentro de sua vagina
O regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj Fechado), registrou duas ocorrências neste domingo.

O primeiro flagrante aconteceu por volta das 08h55, quando Maria Ângela da Silva Barreto, esposa do interno David Ribeiro Nogueira, do pavilhão 1, passou pelo procedimento de revista e com ela foi encontrada uma porção de entorpecente, escondida em suas partes íntimas.

 

Maria Ângela da Silva Barreto, esposa do interno David Ribeiro Nogueira, foi flagrada

no Complexo Penitenciário Anísio Jobim com uma porção de entorpecentes  também dentro de sua vagina

No mesmo dia, a visitante Kelly Ramires de Araújo, esposa do detento Adelson Conceição Silva de Almeida, também do pavilhão 1 da unidade, foi flagrada com bebida alcoólica.

O material foi detectado pela máquina de raio-x da unidade, durante o procedimento de revista dos materiais. As duas mulheres flagradas no Compaj foram conduzidas ao 20º Distrito Integrado de Polícia (20º DIP).

 

Vinho dentro da vagina. Kelly Ramires de Araújo, esposa do detento

Adelson Conceição Silva de Almeida, foi flagrada tentando transportar uma   bebida alcoólica (Fotos: Divulgação / Seap
O Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), registrou apenas um caso no dia 24 de setembro. Por volta das 13h, a visitante Gilvangela Santos de Souza, companheira do detento Adonai Leocádia da Silva, do pavilhão 5 da unidade, foi flagrada durante os procedimentos de revista com um cabo USB e um fone de ouvido, que estavam introduzidos em suas partes íntimas.

A mulher recebeu punição administrativa, com a suspensão na autorização de visita por 30 a 60 dias. Os demais visitantes flagrados no último domingo também receberam a punição administrativa, além de serem encaminhados a delegacia.
Materiais apreendidos com visitantes

O secretário Cleitman Coelho explica que esse domingo registrou um número de ocorrências maior do que nos últimos dois meses. Para ele, os fatores determinantes para a inibição das ações dos visitantes foram os reforços nos equipamentos de segurança e fiscalização que foram adquiridos e também a ação efetuada no início do mês de setembro, com a identificação e prisão de agentes da UPP que participavam de um esquema para facilitar a entrada de materiais proibidos.

Com aquisição de novos aparelhos os procedimentos rigorosos aumentaram. Tanto é que no dia de hoje muitos dos objetos foram encontrados ou pela máquina de raio-x ou pelas banquetas, que são equipamentos onde os visitantes sentam para detectar se algum material está escondido com eles.

A também divulgação sobre funcionários que tiveram atitudes criminosas de levarem celulares, dinheiro e possivelmente armas para os presos, deixa os familiares em alerta, e inibe mesmo que momentaneamente essas ações para driblar o sistema de segurança nos presídios.

 

Fotos: Reprodução Portal do Zacarias