•  

Adolescente de 16 anos foi morto na noite desta segunda-feira dentro de um táxi na Cidade Operária; ele havia sido apreendido horas antes

Adolescente foi baleado dentro de um táxi na Cidade Operária (Foto: Divulgação)

Um adolescente de 16 anos foi morto na noite desta segunda-feira (22) dentro de um táxi na Cidade Operária, em São Luís. Ele havia sido apreendido horas antes como suspeito de ter baleado na cabeça, no mesmo dia, o tenente Diego Araújo Diniz, de 27 anos, do Grupo do Serviço Avançado (GSA) do 6º Batalhão da Polícia Militar (PM).

O menor, que havia sido levado para a Delegacia do Adolescente Infrator (DAI), foi liberado depois de prestar esclarecimentos. Sua mãe foi ao local buscá-lo de táxi e, durante o percurso, eles foram surpreendidos por dois homens em uma motocicleta. Vários disparos foram feitos contra o adolescente, que acabou morrendo no local. Polícia ainda não tem pista dos atiradores.

Caso – Segundo a polícia, o militar baleado fazia um trabalho de levantamento sobre um atentado ocorrido no domingo, nas proximidades do Bar do Mariano, na Rua 4 da Cidade Olímpica, que resultou na morte de Igor Wilker Cordeiro de Lima, de 18 anos, e deixou gravemente feridos Isaias Gomes Sodré, de 21 anos, e Joanilson Diniz, de 18 anos, que estão internados no Hospital Municipal Socorrão II, na Cidade Operária.

Viaturas da Polícia Militar realizavam rondas na região e, de acordo com o comandante do 6º Batalhão da PM, tenente-coronel Aritanã Lisboa, conseguiram apreender, além do adolescente morto, um maior, identificado como Gleytsandro Ferreira, o Dega, de 20 anos. Eles foram conduzidos para a Delegacia da Cidade Operária onde foram autuados.

Na manhã de ontem, o tenente deslocou até a área da Cidade Olímpica e na região conhecida como Baixa foi recebido a bala. As investigações feitas pelo GSA da Polícia Militar conseguiram identificar a participação do adolescente e dos criminosos identificados como Adega e Rafaelzinho. Todos com passagem pela Justiça pelos crimes de furto, assalto e tráfico de entorpecentes.

Ainda na tarde de ontem, o tenente foi submetido a tratamento cirúrgico, mas não corre mais risco de morte.

Fonte-O Estado


BLOG DO LUIS CARDOSO
O menor identificado como Alison Alves , o “Bodó”, de 16 anos, acusado de balear o tenente Diego Araújo Diniz de 27 anos nesta manhã,22, no bairro da Cidade Olimpíca foi morto agora a noite, no interior de um táxi na Cidade Operária.
Dega como era conhecido, foi preso junto com Gleytsandro Ferreira Nogueira de 20 anos na tarde de hoje, por suspeita de envolvimento no crime. O menor foi encaminhado para a DAI, Delegacia do Adolescente Infrator, na Madre Deus. Já Gleytsandro foi encaminhado para a DECOP, na Cidade Operária.
Por ser menor de idade, Dega prestou esclarecimentos e foi liberado. No caminho de casa, ele acabou sendo assassinado e morreu no colo da mãe.
O caso ocorreu dentro de um táxi nas proximidades do Viva da Cidade Operária. O atirador estava em uma motocicleta, mas se evadiu do local.

Um camaleão chamado Luciano Genésio

camaleãoDando continuidade ao camaleonismo político, o eterno suplente de deputado estadual Luciano Genésio ensaia mais uma troca de partido.

A interlocutores mais próximos, ele já confirmou desfiliação do Solidariedade e filiação em pelo menos três partidos diferentes.

Nas eleições de 2014, após uma pequena aproximação com o senador Lobão Filho (PMDB), Luciano chegou a afirmar que não tinha candidato ao Governo do Estado, e só declarou apoio explícito a Flávio Dino (PCdoB) na última hora.

Naquela eleição, o suplente de deputado estadual apresentou ao seu eleitorado no município de Pinheiro quatro candidatos a deputado federal diferentes.

Com a proximidade das eleições de 2016, a história se repete. Sem estrutura, enfraquecido e sem grupo político em Pinheiro, Luciano tenta juntar partidos para sustentar sua candidatura.

Luciano já teria feito alinhamento com o PP, do deputado federal Waldir Maranhão; o PSDB, do vice-governador Carlos Brandão; enrola Simplício Araújo, afirmando que permanecerá no SDD; mas confirma a pessoas próximas que se filiará mesmo é ao PCdoB.

É bom os presidentes de partidos abrirem o olho.


Anexo
 

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO MARANHÃO

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DO DEPUTADO OTHELINO NETO

DATA – 22/06/2015

Comissão levantará bens públicos do Estado com nomes de pessoas vivas

  Requerimento que criou a Comissão é de autoria do deputado estadual, Othelino Neto

A Assembleia Legislativa do Maranhão aprovou, por maioria de votos, na sessão desta segunda-feira (22), requerimento, de autoria do deputado estadual Othelino Neto (PCdoB), para instalação de uma Comissão Especial que visa fazer um levantamento de todos os bens públicos do Estado, que têm nomes de pessoas vivas, com o objetivo de cumprir a Lei Federal que proíbe esse tipo de homenagem a personalidades que ainda estão entre nós, independente de serem adversárias ou aliadas.

Após a aprovação do requerimento, a Mesa Diretora da Casa baixará uma resolução criando a Comissão Especial com presidente, relator, sete membros titulares e sete suplentes. A partir da instalação, os deputados terão 90 dias para apresentar os resultados, ou seja, o levantamento de todos os órgãos do Estado que ainda tenham nomes de pessoas vivas.

 

A indicação, protocolada pelo deputado, para que a Ponte José Sarney passe a se chamar, oficialmente, Ponte do São Francisco, como já é popularmente conhecida, foi lida em plenário, na semana passada, e encaminhada ao governador do Estado, Flávio Dino (PCdoB), a quem cabe acatar a sugestão ou não.

 

Othelino disse que, além de a Constituição Federal proibir a colocação de nomes de personalidades, que ainda estão entre nós, em órgãos públicos, já há jurisprudência nesse sentido vedando e considerando ilegais os atos que realizaram essas homenagens. Durante pronunciamento nesta segunda-feira (22), o deputado explicou queestá prevista na Constituição, no Artigo 37, o impedimento para colocação de nomes de pessoas vivas em órgãos públicos, pois fere o princípio da impessoalidade, a Lei Federal 6.454 de 1977.

 

“Não bastando isso, tem jurisprudência dos tribunais superiores do Brasil, considerando ilegal a colocação de qualquer nome de pessoa viva em órgão público, independente de cor partidária, de ser político ou não ser político”, disse Othelino.

 

Recomendação do Ministério Público

O deputado informou ainda que o governador Flávio Dino recebeu, inclusive, recomendação do Ministério Público Federal para que retire todos os nomes de pessoas vivas dos órgãos e bens públicos do Estado. Segundo o parlamentar, o MP cita, inclusive, que o governo do Estado elenque as escolas estaduais que têm nomes de personalidades que ainda estão entre nós.

 

“Este requerimento não é para perseguir A, B ou C, porque não tem só o nome do ex-senador José Sarney em órgãos públicos. Aqui, o deputado Edilázio Júnior fez uma indicação ao governador Flávio Dino solicitando a substituição do nome do ex-governador João Castelo pelo do radialista Herbert Fontenele. Eu fui o primeiro a concordar, embora ele, hoje deputado federal, seja do nosso campo político”, disse.

 

Segundo Othelino, o objetivo do requerimento é para que a Assembleia mostre para a sociedade que ela cumpre o seu papel nos mais diversos campos, seja legislando, apreciando os projetos e, ao mesmo tempo, legisla por iniciativa própria. “Aqui as proposições importantes para o Estado não têm parado ou ficado trancadas em salas ou em gavetas; têm sido apreciadas e votadas, seja pelas discussões que nós fazemos aqui, por vezes acaloradas, mas discutindo o Maranhão”, frisou.

 

Para o deputado, homenagear pessoas vivas é arriscado, porque o ser humano é falível. “Se naquele momento histórico havia uma razão para se prestar uma homenagem, colocando nome de alguém vivo, essa pessoa ainda em vida pode cometer um erro e, para alguns, ela pode não ser mais digna daquela honraria. Isso vale para todos, então é preciso que tenhamos humildade, simplicidade”, afirmou.

 

Othelino disse que esperava do ex-senador José Sarney (PMDB) que, por iniciativa própria, pedisse que essas homenagens não fossem feitas enquanto estivesse vivo para que ele possa ser julgado pela história e isso só pode ser feito quando ela estiver encerrada. “Quando nós estamos vivos, estamos acertando e errando. É por isso que homenagear pessoas vivas em órgãos públicos, além de proibido, é imoral”, observou.


22/06/2015 13h43 – Atualizado em 22/06/2015 13h43

MP ajuíza ação pedindo bloqueio de bens do prefeito afastado de Bacuri

Gestor e outros sete são acusados de montar licitação de transporte escolar.

Do G1 MAAcidente em Bacuri deixou oito adolescentes mortos (Foto: César Hipólito/TV Mirante)

A ação ajuizada no dia 17 de junho foi motivada, de acordo com a promotoria, pela montagem de licitação no valor de R$ 580 mil realizada pela Prefeitura de Bacuri em 2014 para contratação de serviços de transporte escolar.

Entre os réus da ação estão a empresa “E.M. Serviços Ltda” e a proprietária Elis Regelia Pimenta Dias; a ex-secretária municipal de Educação Célia Vitória Neri Silva; e o ex-presidente da Comissão Permanente da Licitação (CPL) Gersen James Correia Chagas.

A promotora de justiça Alessandra Darub Alves também denunciou o ex-pregoeiro municipal Wagno Setúbal de Oliveira; o procurador do Município de Bacuri Eduardo Aires Castro e o servidor municipal Raimundo Nonato Amorim.

A ação é parte das investigações motivadas pelo acidente que matou oito e feriu outros oito estudantes da rede pública de ensino que estavam sendo transportados da escola para o povoado Madragoa em um pau de arara (caminhonete improvisada), em abril de 2014.

Investigações
Com base no Procedimento Preparatório nº 15/2015, o MPafirma que, em 2014, a empresa contratada “E.M. Serviços Ltda” nunca prestou serviços de transporte escolar ao Município, assim como “Conservis”, contratada em 2013 para prestar o mesmo serviço.

Durante as investigações, a cópia do Pregão n° 007/2014, só foi encaminhada em maio de 2015, um ano após a primeira solicitação do MP. A cópia do pregão relativo ao ano de 2013 nunca foi enviada ao Ministério Público, o que resultou no afastamento do prefeito.

Também foi apurado que o número de veículos contratados pela Prefeitura de Bacuri, em 2014, era diferente do número dos veículos que foram, de fato, utilizados. De acordo com Darub, os sete réus “fabricaram” a licitação de 2013 e a reincidiram no ano seguinte.

“Da mesma forma que o pregão de 2013 evidencia uma empresa de fachada, sem veículos e sem qualquer condição de contratar com o Poder Público, o pregão de 2014 segue o mesmo caminho, demonstrando a malversação do dinheiro público”, enfatiza a promotora.

Entre outras irregularidades verificadas pelo Ministério Público, chama a atenção o fato de que o valor da licitação de 2013 tenha sido de RS 1.092.700,00, embora o serviço em 2014 tenha sido o mesmo, o preço foi somente de apenas RS 580.000,00.

Segundo a representante do Ministério Público, o processo licitatório de 2014 foi forjado depois da abertura de procedimento pelo Ministério Público. “Baixaram ao máximo possível o valor licitado, para evitar maiores prejuízos em caso de bloqueio de bens, até porque já haviam tido a experiência em relação ao pregão de 2013”, explica.

Além da indisponibilidade dos bens, os pedidos do Ministério Público incluem a declaração da nulidade do pregão presencial nº 007/2014 e o respectivo contrato firmado pelo Município de Bacuri com a empresa E. M. Serviços Ltda.

As solicitações incluem, ainda, a condenação ao ressarcimento integral do dano, à perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio. Também inclui condenação à perda da função pública, à suspensão dos direitos políticos pelo período de cinco anos, ao pagamento de multa civil, proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, pelo período de cinco anos.


Programação do Governo nos festejos juninos retoma tradições e homenageia mestres da cultura

Abertura oficial dos festejo

Valorizando a cultura maranhense, o Governo do Estado inaugurou oficialmente, na sexta feira (19), 15 arraiais com uma programação diversificada para a temporada junina em São Luís. Entre os arraiais, três tiveram destaque especial, com homenagens (in memorian) a mestres da cultura popular maranhense.

O arraial do Ipem recebeu o nome o cantador do boi de Axixá, Donato Alves; o do Parque Folclórico da Vila Palmeira, que leva, este ano, o nome de Humberto Mendes, cantador do Boi de Maracanã; e o Arraial do Ceprama se apresenta como Arraial Apolônio Melônio.

Distribuídos em pontos diferentes da região metropolitana de São Luís, os arraiais, com uma programação diversificada, reuniram, neste primeiro dia de funcionamento, milhares de maranhenses e, também, turistas que vieram ao Maranhão, atraídos pelas festividades do período junino.

O Arraial do Ceprama, que leva o nome do mestre Apolônio Melônio, fundador do Boi da Floresta, foi um destaques. Reuniu tradição e irreverência no palco onde passaram atrações como a cantora Mila Camões e o Boi da Maioba, que realizou o encerramento da primeira noite.

“Apolônio dedicou sua vida pela sobrevivência da cultura. Presente nas transposições que o Bumba Meu Boi sofreu, ele contribuiu para a que as danças populares atingissem todas as classes. O Boi da Floresta agradece à Secretaria de Cultura pelo empenho nessa homenagem e pelo seu reconhecimento em memória”, declarou a viúva de mestre Apolônio, que pretende dar continuidade ao grupo de cultura popular após o falecimento do esposo.

Para a Secretária de Estado da Cultura, Ester Marques, a concepção deste projeto, levando em consideração esta homenagem, comprova o alinhamento existente entre o desenvolvimento da política pública cultura que vem sendo implementada pelo governador Flávio Dino e os maranhenses.

Abertura oficial dos festejo2

Muita festa
Nos outros pontos de São Luís, o Arraial Donato Alves (Ipem) e o Arraial Humberto de Maracanã (Parque Folclórico da Vila Palmeira) também atraíram público que voltou a contar com estes espaços como opção para brincar o São João. A professora universitária, Cecília Matsug, aprovou a organização dos espaços. “Eu não tinha mais a lembrança de como era o São João aqui no Ipem. A organização, o controle de acesso do público por equipe de segurança nos deixa mais tranquilos. Acho que o Governo do Estado faz bem em retomar a programação em espaços como este. São equipamentos de uso comum, e que precisam ser mais bem aproveitado, como estão sendo”, expôs.

Estes três arraiais de referência e os instalados nas praças Vivas mantém seu funcionamento com programação junina intensiva até o próximo dia 29 de junho. A programação completa dos festejos está sendo distribuída pela equipe de trabalho da Secretaria de Estado de Cultura (Secma) nos arraiais e está disponível no site oficial do Governo do Estado do Maranhão e no Hotsite de São João.


ASCOM-Gov. Estado Ma.

 

maranhao

Por determinação do governador Flávio Dino, o pagamento dos servidores do Estado será novamente antecipado para esta sexta-feira (26). Pelo calendário, o pagamento seria efetuado no dia 1º de julho, mas, devido à viabilidade financeira do Estado, será adiantado.

A efetivação do pagamento dentro do mês trabalhado beneficia mais de 110 mil servidores do Estado, entre ativos e inativos. De acordo com o secretário de Gestão e Previdência, Felipe Camarão, a antecipação é uma determinação expressa do governador, que, desde o início da gestão, deixou sua equipe de governo de sobreaviso para que, sempre que houvesse viabilidade financeira para o Estado, antecipasse o pagamento.

“Além de proporcionar aos servidores a tranquilidade de ter seus vencimentos pagos antes da data prevista, a antecipação possibilitará que estes possam participar, ainda mais, da celebração de uma das festas populares mais importantes do Maranhão, que é o São João”, destacou Felipe.

 


Segundo o Instituto, o índice de reprovação do governo é o pior desde o início do primeiro mandato da presidente.

O Datafolha divulgou uma nova pesquisa sobre a avaliação do governo da presidente Dilma Rousseff. Segundo o Instituto, o índice de reprovação do governo é o pior desde o início do primeiro mandato da presidente. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Na primeira pesquisa depois da reeleição, em dezembro, os que consideravam o governo Dilma ruim ou péssimo eram 24%. Em fevereiro, o índice subiu para 44%. Em março, subiu novamente, para 62%. Em abril, foi para 60%. E agora, em junho, a reprovação foi para 65%.

Os que consideravam o governo regular eram 33% em dezembro e em fevereiro. O índice caiu para 24%. Foi para 27% e agora, são 24%.

Os que avaliavam o governo Dilma como ótimo ou bom eram 42%. O índice caiu para 23%. Caiu de novo, para 13%. Ficou em 13% e agora são 10%.

Um por cento não soube responder nesses últimos cinco levantamentos. A pesquisa de agora foi realizada na quarta (17) e na quinta (18). O Datafolha ouviu 2.840 pessoas, em 174 municípios.


Segundo o MP, a Câmara de Vereadores de Parauapebas fez contratos fraudulentos com supermercado para fornecimento de gêneros alimentícios.

Você faria o quê, se ouvisse um vereador da sua cidade defender a corrupção, e um outro vereador ofender professores? Isso aconteceu e foi em um dos municípios mais ricos do Pará.

O ônibus escolar viaja perigosamente superlotado, em Parauapebas, no Sul do Pará, um dos inúmeros municípios brasileiros que sofrem com o mau uso do dinheiro público.

Em Parauapebas, parte desses desmandos pode ser entendida se a gente acompanhar uma sessão da Câmara de Vereadores da cidade.

Ouça o que dizem os dois vereadores.

“O valor que o vereador ganha aqui, se ele não for corrupto, ele, não tenha nenhuma dúvida, que ele mal se sustenta durante o ano”, diz o vereador Odilon Rocha de Sanção.

“Pode rasgar a boca, o que quiser aí, que eu tô c**** e andando”, diz o vereador Major da Mactra.

Odilon Rocha de Sanção, do Partido Solidariedade é o vereador que ficou famoso no Brasil inteiro pela sinceridade: “Se ele não for corrupto”. Odilon é acusado de ser um dos principais operadores de um esquema de corrupção investigado pelo Ministério Público do Pará. Outros políticos da cidade também são suspeitos.

O supermercado Baratão está no centro do esquema de corrupção. Segundo a investigação do Ministério Público, a Câmara de Vereadores de Parauapebas fez contratos fraudulentos com o Baratão, para fornecimento de gêneros alimentícios. Mas, de barato, os contratos não tinham nada. O que chamou a atenção dos investigadores foi a quantidade de comida que deveria ser fornecida para o lanche dos vereadores.

A Câmara tem 15 vereadores e apenas uma sessão por semana. Parece que, quando se encontram, eles estão sempre muito famintos. Em apenas um mês o Baratão teria fornecido 27 quilos de presunto, outros 27 quilos de queijo e uma tonelada de café. Isso mesmo, mil quilos.

Em uma conversa, gravada com autorização judicial, explica o tamanho do apetite. Falam ao telefone Edmar Cavalcante de Oliveira, o dono do Baratão, e um homem, não identificado, que faz parte do esquema.

Homem: Eu estou olhando que as notas que tu mandou aqui, vamos precisar dá uma mexida nesse trem aqui, bicho. Botou aqui 9.494 de requeijão.
Edmar Cavalcante de Oliveira: Está na nota fiscal?
Homem: Está R$ 30 mil só de requeijão.

A diferença entre o que a Câmara realmente gastava e o que ela dizia que gastava ia direto para o bolso dos vereadores, de acordo com o Ministério Público. O dono do Baratão, que emitia as notas frias, fez acordo de delação premiada.

Promotor: A nota fiscal era preenchida da forma como eles diziam…
Edmar Cavalcante de Oliveira: Era.

Preste atenção nesta história. Edmar conta que pagou propina para o vereador Josineto Feitosa. O cheque foi repassado para Odilon Sanção, mas não tinha fundos.

Promotor: A ida do Odilon ao seu supermercado, o que ele foi cobrar?
Edmar Cavalcante de Oliveira: Foi cobrar um cheque de 29 mil e 800 que eu tinha passado para o Josineto. Esse eu entreguei para o Josineto mesmo.
Promotor: E era cheque de propina?
Edmar Cavalcante de Oliveira: Era cheque de propina.

Josineto Feitosa de Oliveira, do Solidariedade, é ex-presidente da Câmara. Procurado, ele não quis se manifestar. Segundo a investigação, o esquema de corrupção envolvia ainda contratos fraudulentos de aluguel de carros.

“Dos 40 veículos que a Câmara pagava todo mês pela locação ela recebia oito veículos”, diz o promotor de Justiça Hélio Rubens Pinheiro.

A locadora usada no esquema, a Corelo, pertence a quem? Ao Edmar, o dono do Baratão.

Odilon Sanção e outro vereador, José Arenes, do PT, também suspeito de participação no esquema, foram presos e transferidos para Belém. Procuramos os advogados dos dois, o de Odilon disse que não daria entrevista. O de Arenes não foi localizado. Em Parauapebas, a revolta é geral.

“A gente não tem escola, não tem saúde, não tem uma água de qualidade”, diz uma mulher.

“A cidade não tem saneamento básico, não tem esgoto. O município hoje está entregue para as cobras”, diz uma outra moradora.

Mas é assim que o vereador Major da Mactra, do PSDB, se dirige aos cidadãos: “Eu tô c*** e andando”.


 

Ontem por volta das 21:40  hs de ontem , GRAVISSIMO acidente envolvendo uma D-20 e uma moto Honda Fan

ACIDENTEI II-AACIDENTE II

O acidente aconteceu as imediações do lava-jato Ferraz no Bairro de Pacas por volta das 21:40 hs, envolvendo uma moto  Honda Fan e uma D-20 deixando uma vitima fatal (o condutor da moto) de nome ainda desconhecido morador da Vila Dondona Soares.

ACIDENTE MOTO VI

Segundo populares no local do acidente, a D-20 trafegava sentidoAACIDENTE III Pinheiro/Pacas e só funcionava com um farol. A moto trafegava sentido contrário vindo a colidir com a D-20. O homem que pilotava a moto Honda Fan, após a colisão não resistindo ao impacto morreu no local do acidente, enquanto o motorista da D-20 com varias escoriações pelo corpo foi  conduzido ao Hospital Antenor Abreu e seu estado é grave.

 

Um fato chama a atenção e pode ter sido a causa principal que gerou o acidente:

Num perímetro de aproximadamente 2 km do trecho onde aconteceu o acidente a iluminação publica CEMAR se encontrava desligada (as escuras).