Mariano de Castro estava em regime de prisão domiciliar determinado pela Justiça Federal. Ele foi preso por conta da Operação Pegadores, da PF.

Médico apontado pela PF como operador em esquema na Saúde no Maranhão é encontrado morto

O médico Mariano de Castro e Silva apontado como operador de um esquema na Saúde do Maranhão foi encontrado morto na noite de quinta-feira (12), no apartamento em que cumpria prisão domiciliar no bairro de Ininga, em Teresina-PI. O corpo foi levado para perícia em Teresina.

Segundo a Polícia Federal, o médico era um dos principais operadores do esquema que desviou R$ 18 milhões e 345 mil de recursos públicos federais enviados entre 2015 e 2017 ao Governo do Maranhão para cuidar da saúde da população.

O médico Mariano de Castro Silva ocupou os cargos de chefe do Serviço de Atendimento de Urgência (SAMU), na Prefeitura de Coroatá e de assessor da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde lamentou a morte do ex-servidor e disse lamentar ainda que o médico tenha sido “vítima do período absolutamente autoritário que vive o Brasil, com restrição de direitos, presunção de culpa e ofensa a preceitos fundamentais da Constituição” (leia nota na íntegra abaixo).

Mariano de Castro e Silva foi encontrado morto em seu apartamento, no Piauí (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Mariano de Castro e Silva foi encontrado morto em seu apartamento, no Piauí (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Entenda a operação

A Operação Pegadores é continuação da Operação Sermão aos Peixes e segundo a PF, durante as investigações conduzidas em 2015 foram coletados indícios de que servidores públicos que exerciam funções de comando na Secretaria de Estado da Saúde naquele ano montaram um esquema de desvio de verbas e fraudes na contratação e pagamento de pessoal.

As investigações indicaram a existência de 424 pessoas que teriam sido incluídas indevidamente nas folhas de pagamentos dos hospitais estaduais sem a prestação de serviços às unidades hospitalares. Os beneficiários do esquema eram pessoas indicadas por agentes políticos: familiares, correligionários de partidos políticos, namoradas e companheiras de gestores públicos e de diretores das organizações sociais.

O montante dos recursos públicos federais desviados por meio das fraudes chega a R$ 18.345 milhões. Contudo, segundo a Polícia Federal, o dano aos cofres públicos pode ser ainda maior, pois os desvios continuaram a ser praticados mesmo após a deflagração de outras fases da Operação Sermão aos Peixes.

A relação entre a administração pública e empresas terceirizadas foi usada para viabilizar os desvios, como apontou a PF no relatório da operação.

Prefeitura exonerou Mariano de Castro do Samu

Prefeitura exonerou Mariano de Castro do Samu

NOTA NA ÍNTEGRA DA SES

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) lamenta a trágica perda do médico Mariano de Castro e Silva, e se solidariza aos familiares e amigos deste profissional.

A Secretaria lamenta, ainda, que o médico Mariano de Castro e Silva seja mais uma vítima do período absolutamente autoritário que vive o Brasil, com restrição de direitos, presunção de culpa e ofensa a preceitos fundamentais da Constituição.

Neste momento delicado, a SES reforça seu papel de defesa irrestrita do sistema de justiça, no combate a todo e qualquer tipo de arbitrariedade.

A SES também repudia a postura adotada por alguns blogs maranhenses, que nesta hora de profunda dor, onde se exige o mínimo de humanidade e compaixão, produzem conteúdo sem o mínimo de ética e respeito.

Por G1 Maranhão, São Luís, MA

 


Uma Mulher foi morta a pauladas na Rua Fernando Sarney, na Vila Marcony em Santa Inês, na madrugada de quarta-feira, 14, por volta das 2h.
Raimunda Nonata Gomes da Silva de 34 anos, estava na casa de sua irmã consumindo bebidas alcoólicas na noite anterior do crime, após o término saiu dizendo que iria comprar cigarros, mas cerca de meia hora depois foram avisar a irmã da vítima, de que Raimunda estava morta.
A vítima foi assassinada com requinte de crueldade, no seu corpo havia várias marcas que provavelmente foram deixadas por pedaços de madeira, sua cabeça estava parcialmente esmagada e com cortes provocados por uma lâmina de faca. Além disso, no seu corpo havia mais duas perfurações por arma branca, na região torácica, totalizando três facadas. A irmã da vítima descreveu a última vez que conversou com sua irmã: “Ela saiu me dando tchau e me perguntando que se ela chegasse de volta, se eu abriria a porta?”.
Agora a investigação do crime, está sendo realizada pela Polícia Civil que procura saber se a cena do crime foi gravada por câmaras nas proximidades, a fim de esclarecer o lamentável caso.