Emanuel  Silva (SEU É) “O ENCOLERIZADO”

O Chefe da Controladoria Geral da Prefeitura de Monção-Ma agride o professor Magno que pedia Titulação e Promoção de Pós Graduação em conformidade com o plano de cargos e carreiras, Lei Municipal de Nº 14 de 10 de dezembro de 2009

O Chefe da Controladoria teria dado um soco no servidor que cobrava seus direitos assegurados em Lei,para Promoção e Titulação de Pós Graduação,na função que exerce no municipio.

O Chefe da Controladoria Geral da Prefeitura de Monção-Ma, cidade  do Norte Maranhense, distancia de São Luis-Maranhão 242 KM, agrediu fisicamente e com palavras de baixo calão o professor RAIMUNDO MAGNO MENDES CUTRIM, após ser questionado sobre o  que estabelece o Plano de Cargos e Carreira do Magistério Publico do Município que dispõe e institui o respectivo quadro de cargos e funções no tocante aos benefícios por ele requerido conforme PROTOCOLO Nº 34912017, com recepção em 10/04´2017-(vide abaixo) que trata do pedido de PÓS GRADUAÇÃO.

Segundo o que circula nas redes sociais e nos foi enviado pelos nossos correspondentes e Blog’s parceiros, a agressão ocorreu dentro das dependências da Controladoria Municipal na Prefeitura, quando o Professor questionava o titular da pasta (EMANUEL SILVA( SEU É) a respeito do andamento do seu pedido de PÓS GRADUAÇÃO havidos dois (02) anos protocolado no Setor de Pessoal/SAMED -Secretaria Municipal de Educação.

ENTENDA O CASO:

Nesta manhã de quinta-feira (23) por volta das 11 hs o Professor Raimundo Magno Mendes , se dirigiu até o gabinete da Controladoria Geral da Prefeitura do Município de Monção-Ma. – Ali chegando adentrou após permissão a sala que se encontrava o Controlador e em seguida pediu informações e posicionamento do seu processo de pós graduação que se encontra protocolado.

– O controlador apresentando sinais vitais de transtorno mental, passou a tratar o professor com requintes de desdém e por indigno de si, a forma de como sempre trata no dia a dia os servidores da prefeitura em qualquer situações que é procurado. “Cara feia”

– Dai… a repulsa foi geral por parte do Emanuel Siva (seu É ) que passou a xingar o Professor Magno, com palavras de baixo calão, mandando que o mesmo se retirasse da sala e no mais não tinha resposta nenhuma para lhe dar.

-Enfurecido, o controlador que não controla nem sua ira diante da cidadania dos Monçonenses, gritava, gesticulava apontando o dedo na direção da porta de saída da sala dizendo : Sai daqui, sai daqui… Tudo num grito autoritário que lhe é peculiar abusando de sua autoridade como titular da pasta e também  por se untar da coadjuvação da impunidade e das regalias que lhes são dadas pela Prefeita,  sua cunhada, CLAUDIA SILVA. Segundo comentam a mesma é dona de uma personalidade injustificável como gestora do municipio diante das cobranças dos seus munícipes. Além de supostamente subtrair o Plano de Cargos e Carreiras do Magistério Publico do Município, demostrando assim a inteira gestão irresponsável dos seu cunhado que com certeza será responsabilizado pela incompetência da gestão, haja visto que a população, servidores e a quem interessar possa, tem todo o direito de cobrar e de ser atendida com respeito em suas reivindicações.

        – Expulso do recinto pela fúria incontida do Emanuel Siva ( seu É ) , o Professor  MAGNO, em uma unica palavra justificou conceito da gestão quando o controlador estava deixando a sala- ” que gestão irresponsável”, bastou isso, para que num volta a volver, o Emanuel Siva ( seu É ) partiu para cima do professor agredindo-o fisicamente com um soco no rosto, fazendo com que a vitima fugisse da sala a procura de proteção, já que ali corria sério risco morte diante da furria do AGRESSOR. 

Um Termo Circunstancial de Ocorrência (TOC, tipificado de grande potencial ofensivo foi feito na SÉTIMA DELEGACIA REGIONAL DE SANTA INÊS-7DRP-SANTA INÊS-MA pela vítima em decorrência da covarde agressão sofrida pelo professor,que aos olhos da justiça a causa terá cunho criminal e punição ao agressor.

NOTA /BLOG – Ao agredir o professor MAGNO, o suposto atrabiliário não só extrapolou os limites de forma injusta e autoritária, como fugiu evasivamente da sua responsabilidade perante à população e a classe dos professores com esse  comportamento duplamente inaceitável em um gestor público.

Manifestamos nossa total solidariedade ao professor  e nosso repúdio a todas as formas de violência física e / ou moral nas relações de trabalho no setor público.

www.jgmoreira.com.br/ Jornalista -Registro nº 0001396-SRTE-MA

Deixe uma resposta