SAUDADES !
MARIA DA PAZ PADILHA – A GUARDIÃ DA EDUCAÇÃO DE SÃO BENTO
Saudade da minha infância iluminada com a tua luz suave, amada
Saudade do teu “quadro negro” cingido com o teu giz branco espetacular
Saudade das tuas letras desenhadas… Bem escritas, bem  ortoépica
Saudade das tuas telas da bondade, da tua educação e do teu banco escolar.
Que o tempo  consagre…Essa saudade reside e residirá nos corações de quem te conheceu caminhando entre as “carteiras”; uma saudade que não se apagará das paredes dos corredores das casas do saber de São Bento.Testemunhado por todos aqueles que se sentem ou se sentiram privilegiados em aprender a aprender com a eterna professora Maria da Paz Padilha, Maria de Deus, a nossa Maria, a Ilustríssima Maria. As tuas salas de aulas permanecerão intocáveis, irretocáveis, pelo menos no tocante à dedicação, ao amor, à arte de ensinar, da competência, da capacidade, e da sua liderança. Mas quem melhor define a nossa Maria da Paz Padilha, está escrito abaixo – uma adaptação do poema Carlos Drummond de Andrade.
Autor: José Raimundo Moreira
 ———————————————————————————————————————————————————————————–

MARIA DA PAZ PADILHA TINHA CHEIRO DE PASSARINHO QUANDO CANTAVA.

DE SOL QUANDO ACORDAVA.

DE FLOR QUANDO RIA

AO LADO DELA, A GEENTE SE SENTIA NO BALANÇO DE UMA REDE QUE DANÇAVA GOSTOSO NUMA TARDE GRANDE, SEM RELÓGIO E SEM AGENDA.

AO LADO DELA, A GENTE SE SENTIA COMENDO PIPOCA NA PRAÇA.

LAMBUZANDO O QUEIXO DE SORVETE.

MELANDO OS DEDOS COM ALGODÃO DOCE DA COR MAIS DOCE QUE SE TINHA PRA ESCOLHER.

MAS O TEMPO É OUTRO.

E A VIDA FICA COM A CARA QUE ELA TEM DE VERDADE , MAS QUE A GENTE DESAPRENDE DE VER.

MARIA DA PAZ PADILHA TINHA CHEIRO DE COLO DE DEUS.

DE BANHO DE MAR QUANDO A ÁGUA ERA QUENTE E O CÉU AZUL

AO LADO DELA, A GENTE SABIA DA EXISTÊNCIA DOS ANJOS E QUE ALGUNS SÃO INVISÍVEIS

AO LADO DELA, A GENTE SE SENTIA CHEGANDO EM CASA E TROCANDO O SALTO POR UM CHINELO, OU SEJA, CONFORTÁVEL.

SONHÁVAMOS A MAIOR TOLICE DO MUNDO COM GOZO DE QUEM NÃO LIGAVA PRA ISSO.

AO LADO DELA, PODERIA SER MÊS DE ABRIL, MAS PARECIA MANHÃ DE NATAL DO TEMPO EM QUE A GENTE ACORDAVA E ENCONTRAVA O PRESENTE DE PAPAI NOEL.

MARIA DA PAZ PADILHA TINHA CHEIRO DAS ESTRELAS QUE DEUS ACENDEU NO CÉU E DAQUELAS QUE CONSEGUIMOS ACENDER NA TERRA.

AO LADO DE MARIA DA PAZ PADILHA, A GENTE JAMAIS IMAGINOU QUE O AMOR NÃO ERA POSSÍVEL, A GENTE SEMPRE TEVE CERTEZA

AO LADO DE MARIA DA PAZ PADILHA, A GENTE SE SENTIA  VISITANDO UM LUGAR FEITO DE ALEGRIA

RECEBENDO UM BUQUÊ DE CARINHOS.

ABRAÇANDO UM FILHOTE DE URSO PANDA…QUE BELA CRIATURA!

TOCANDO COM OS OLHOS OS OLHOS DA PAZ, OS OLHOS DE MARIA DA PAZ

AO LADO DE MARIA DA PAZ, SABOREÁVAMOS A DELÍCIA DO TOQUE SUAVE QUE SUA PRESENÇA SOPRAVA NO NOSSO CORAÇÃO

MARIA DA PAZ PADILHA TINHA CHEIRO DE CAFUNÉ SEM NENHUMA PRESSA…

BRINQUEDO QUE A GENTE NÃO LARGAVA…

DO ACALANTO QUE O SILÊNCIO CANTA…

DE PASSEIO NO JARDIM…

AO LADO  DELA, A GENTE PERCEBIA QUE A SENSUALIDADE ERA UM PERFUME QUE VINHA DE DENTRO E QUE A ATRAÇÃO QUE REALMENTE NOS MOVIA NÃO PASSAVA SÓ PELO CORPO…

CORRE EM OUTRAS VEIAS…

PULSAVA EM OUTRO LUGAR…

AO LADO DE MARIA DA PAZ PADILHA, A GENTE SEMPRE LEMBRAVA QUE NO INSTANTE EM QUE RÍAMOS DEUS ESTAVA CONOSCO, JUNTINHO AO NOSSO LADO, POIS A GENTE RIA GRANDE QUE NEM MENINO ARTEIRO…

MARIA DA PAZ PADILHA NÃO PERCEBIA QUE TINHA A ALMA PERFUMADA, MAS TINHA. E TERÁ ETERNAMENTE! E QUE ESSE PERFUME É UM DOM DE DEUS.

(Drummond)