ESTUDANTE16/10/2015 14h18 – Atualizado em 16/10/2015 18h18

WWW.JGMOREIRA.COM.BR

Jovem passou por cirurgia e foi transferida para o Hospital Carlos Macieira.
Adolescente de 17 anos foi atacada perto da escola, na quinta-feira (15).

Do G1 MA

A estudante Milena Coelho do Nascimento, de 17 anos, que teve o pescoço cortado em um ataque na porta da escola, está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Carlos Macieira, em Sâo Luís. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Semus), a jovem passou por cirurgia no Hospital Socorrão 1 e depois foi transferida. O quadro de saúde dela é estável.

Nesta sexta-feira (16), policiais da Delegacia de Homicídios de São Luís estiveram no Centro de Ensino Médio Vinicius de Moraes, na Divinéia, onde a vítima estuda. A polícia está ouvindo testemunhas e vai analisar imagens de câmeras de segurança pra descobrir mais detalhes do crime. O diretor da unidade de ensino deve prestar depoimento para explicar por que liberou os alunos mais cedo no dia do crime.

“Nós não podemos descartar nenhuma hipótese em nenhum momento, até porque estamos no início da investigação. A gente vai verificar a autoria e a motivação, o que levou essa moça a ter sido esfaqueada tão brutalmente, como também saber o por que, qual foi a motivação. Se foi alguma coisa pessoal ou se foi um simples assalto. A gente vai esclarecer no transcorrer da investigação”, explicou o diretor do Deptartamento de Homicídios da Capital, Jefrey Furtado.

Uma equipe da Polícia Militar começou a fazer a segurança na porta do colégio nesta sexta-feira. Como de costume, os alunos chegaram cedo para mais um dia de aula, mas o clima não era de normalidade. “Todo dia tá tendo assalto. O diretor chega, chama a polícia e não adianta nada, não vem. Aqui em cima tem uma ronda escolar, mas nunca passou aqui. Hoje eles estão ali”, revela a estudante Andressa Santos.

Crime
A direção da unidade resolveu suspender as aulas depois do crime. A estudante havia acabado de sair da escola e, depois de caminhar cerca de 200 metros da porta do colégio, foi atacada pelos criminosos. As marcas da violência continuam no chão.

A vítima foi ferida com vários golpes de faca na região do pescoço e levada para o Hospital Socorrão 1, onde amigos e parentes passaram a noite aguardando por notícias. A jovem é do interior do Estado e mora com as tias na capital. A família está aflita sem entender o motivo de tanta violência.

“Até agora eu não tô acreditando que isso tá acontecendo com minha sobrinha, que eu tava no trabalho e recebi essa notícia. Tu é doido? Tô desesperada”, disse a tia Jéssica Rodrigues. “Ela recebeu uma ligação, na hora que ela recebeu, que ela saiu, aí aconteceu isso. Ninguém sabe quem foi, eu não sei porquê. Que eu saiba, todo mundo gosta dela”, conclui a tia Maria Elenice Coelho.

Representantes da Secretaria Estadual de Educação também visitaram a unidade de ensino. O órgão ainda não explicou por que os alunos foram liberados da aula mais cedo.


Blog. A CIDADE DE VERDADE

Por volta das 23h48min desta quarta-feira (14), policiais militares de Zé Doca receberam uma ligação da senhora Aurilene Lima Mota (30 anos), relatando que seu companheiro estaria tentando abrir a porta de um dos quartos da residência para agredir seus filhos que se encontravam trancados e com receio de serem vitimados pelo mesmo. Ao chegarem à residência, os policiais foram surpreendidos pela execução de uma tragédia que já tinha sido registrada. A menor de 17 anos já havia assassinado seu pai Raimundo Vieira Silva (39 anos) se utilizando de uma arma branca (faca) para executar o homicídio. A menor relatou que só resolveu agir da forma supracitada ao ouvir seu pai afirmando que tentaria arrombar a porta do quarto para matar seu irmão de 04 anos de idade. Segundo a menor envolvida no homicídio, o ato impensado foi tomado tendo em vista salvar a vida do seu próprio irmão. A menor de 17 anos relatou juntamente com a mãe a polícia que era comumente agredida pelo seu pai. A polícia após averiguar as circunstâncias do crime acionou a polícia judiciária e o Conselho Tutelar de Zé Doca para dar continuidade aos procedimentos necessários.

 


BLOG. Zé Doca em Foco

Por volta das 11h00mim desta quinta-feira (15), Raimundo dos Santos Nascimento vulgo Raimundinho, foi assassinado a tiros por índios pertencentes a etnia Ka`por. Segundo informações já confirmadas, Raimundinho estaria juntamente com um grupo de amigos extraindo madeira dentro da reserva indígena no entorno da Quadra B2 (zona rural de Nova Olinda),  quando foi surpreendido por um grupo de índios que fazendo uso de arma de fogo e pedaços de madeira usaram de extrema violência para com os presentes no grupo. Ao resgatarem o corpo de Raimundinho, policiais notaram perfurações na região da cabeça provocadas por uma arma de fogo não especificada, a vitima se encontrava com vários ferimentos e escoriações por todo o corpo provocado por açoites com pedaços de madeira. Outra vitima mesmo ferida conseguiu se desvencilhar da investida dos índios e conseguiu escapar com vida vindo a ser socorrido e direcionado para o Hospital. Policiais de toda região foram deslocados para a cidade para tentar aplacar qualquer indicio de confusão que pudesse posteriormente existir. O clima na cidade é de lamento e apreensão após o registro do óbito, já que a vitima era bastante conhecida na cidade.

CONFIRA MAIS IMAGENS (CLIQUE PARA AMPLIAR):

Sobrevivente do ataque de índios

 

 

Estudante tem pescoço cortado em frente a escola em São Luís (MA) (Foto: Reprodução / TV Mirante)

 

15/10/2015 23h06 – Atualizado em 16/10/2015 07h39 WWW.JGMOREIRA.COM.BR

M.C.N., de 17 anos, teve o pescoço cortado com golpes de faca.
Crime aconteceu nesta quinta (15), no bairro do Olho-d’Água, em São Luís.

Do G1 MA

Uma estudante de 17 anos teve o pescoço cortado por três pessoas em frente à escola estadual Centro de Ensino Vinicius de Moraes, no bairro do Olho-d’Água, Região Metropolitana de São Luís(MA), segundo informações da família. A vítima, identificada como M.C.N., voltava para casa quando foi atacada no fim da tarde desta quinta-feira (15). Ela foi levada para o Hospital Djalma Marques (‘Socorrão I’), no Centro, e trasferida para o Hospital Carlos Macieira, no Calhau, durante a madrugada.

Maria Elenice, tia da vítima, contou que a direção liberou os alunos da turma da estudante mais cedo. “A diretora me falou que eles foram liberados mais cedo e que a jovem ficou sentada dentro da escola com outra menina. Depois só soube que ela havia sido esfaqueada”, disse.

Ainda segundo Elenice, ela teria recebido uma ligação, momentos antes de sair da escola. “A diretora ainda disse que ela tava com essa menina sentada e que ligaram para o celular dela e ela saiu logo depois. Meu cunhado disse que não encontrou o celular dela”, afirmou.

A assessoria da Polícia Militar disse, por nota enviada ao G1, que equipes da Unidade de Segurança Comunitária (USC) confirmaram a existencia das duas versões apresentadas pela família e que vão reforçar as rondas nas imediações para evitar novos casos.

Veja a íntegra da nota abaixo:

NOTA

A Policia Militar realiza diligencias a fim de localizar os envolvidos na ocorrencia nas proximidades da escola Vinicius de Moraes, localizada na Rua Bauru (divisa na Divineia com Olho D Agua). Equipes do Ronda Escolar e da 1 Unidade de Seguranca Comunitaria( USC) vão reforcar as acoes na area a fim de evitar o registro de novas ocorrencia

Segundo a família, a vítima foi socorrida e levada para Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) doAraçagi, mas devido à gravidade do ferimento foi levada para Hospital Municipal Djalma Marques (‘Socorrão I’), no Centro. A jovem chegou à unidade de saúde respirando com ajuda de aparelhos e foi encaminhada ao centro cirúrgico.

Vítima vendia churrasco em praia
Além da rotina estudantil, a jovem sempre trabalhou para ter o próprio dinheiro. Jéssica Rodrigues, tia da adolescente, disse que a jovem reforçava o orçamento de casa vendendo churrasquinho nas praias de São Luís.

Ela confirmou ainda que a jovem não tinha inimigos ou possuía qualquer envolvimento com drogas ou crimes. “Até agora não estou acreditando no que aconteceu. Todo mundo gostava dela, as crianças, o pessoal da praia, os amigos do bairro. Eu creio em Deus que ela vai sair dessa situação”, revelou.

Na manhã desta sexta-feira (16), os estudantes do Centro de Ensino Vinicius de Moraes foram informados que as aulas foram suspensas temporariamente.

 


15/10/2015 15h10 Atualizado 15/10 às 16:32 hs WWW.JGMREIRA.COM.BR

OTHELINO

Assecom/ Dep. Othelino Neto

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) destacou, na sessão desta quinta-feira (15), o cumprimento de uma Lei de 1980, de autoria do então vereador Hélcio Silva, que homenageou o jornalista Othelino Nova Alves, já falecido, que é avô do parlamentar, com o nome de uma avenida no bairro Recanto dos Vinhais em São Luís. Ele agradeceu à Prefeitura de São Luís, em nome do prefeito Edivaldo Holanda Júnior, que já mandou colocar a placa de identificação do local.

Trata-se de uma lei de 1980 que nunca foi cumprida em São Luís. Era necessário apenas informar os Correios dessa Lei Municipal e, ao mesmo tempo, afixar as placas no local que passou a se chamar “Avenida Othelino Nova Alves”, o que só foi feito após 35 anos da sanção da mesma. Na manhã desta quinta-feira (15), a Prefeitura de São Luís mandou identificá-la devidamente. O logradouro era conhecido antes como “Estrada Nova do Vinhais”.

“Não sei que forças políticas, tão vigilantes, eram essas que não deixavam que a lei fosse implementada, mas, por determinação do prefeito, ela foi cumprida após 35 anos. Agradeço, em nome de toda a minha família, não por uma vaidade pessoal, mas por ser, além do cumprimento de um positivo legal, uma forma de referenciar alguém que fez uma história marcante no jornalismo do nosso Estado”, comentou Othelino Neto.

Dia do Professor

Além de destacar o reconhecimento da Avenida “Othelino Nova Alves”, no Recanto dos Vinhais, o deputado fez também uma homenagem aos profissionais do magistério pela passagem do Dia do Professor. Enfatizou o trabalho importante que fazem pela educação de todas as gerações e puxou uma série de outros pronunciamentos em alusão à data.

“Venho à tribuna para fazer a justa e merecida homenagem a todos os professores e professoras, todos os educadores do Brasil, em especial do nosso querido Maranhão, pelo Dia do Professor. Categoria importante e fundamental nas nossas formações”, disse Othelino Neto.

Segundo o deputado, toda a parte boa da formação do cidadão e as qualidades são frutos, em grande parte, daquelas muitas horas em salas de aulas, na convivência com os professores. “Então é um dia realmente, em que nós devemos homenagear todos esses profissionais”, frisou.

 


 

Deputado estadual Fernando Furtado (Foto: Agência Assembleia)

Deputado estadual Fernando Furtado (PCdoB-MA)
(Foto: Agência Assembleia)

14/10/2015 17h35 – Atualizado em 15/10/2015 08h51 www.jgmoreora.com.br

TJ-MA decidiu, por unanimidade, pela interpelação de Fernando Furtado.
Comunista disse que magistrados cobram até R$ 200 mil por decisões.

Do G1 MA

O Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) divulgou nesta quarta-feira (14) decisão unânime que determina que o deputado estadual do Maranhão, Fernando Furtado (PC do B), seja interpelado judicialmente pela Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) e pela Associação dos Magistrados (AM-MA).

O parlamentar afirmou, durante audiência pública realizada em São João do Carú (MA), que os desembargadores maranhenses recebem propina para expedir decisões em favor de deputados.

Na decisão, o colegiado acolhe proposta do desembargador Joaquim Figueiredo, que determina que o deputado preste explicações sobre a denúncia em que afirma ter presenciado, em um posto de combustível de São Luís, o pagamento de propina a um genro de desembargador, com o objetivo de retornar ao cargo um prefeito cassado por corrupção.

No pronunciamento, Furtado também afirma que alguns deputados têm trânsito para negociar a volta de prefeitos ao cargo pelos valores de R$ 100 mil e R$ 200 mil, no tribunal maranhense.

De acordo com o artigo 144 do Código Penal, “referências, alusões ou frases que inferem calúnia, difamação ou injúria, quem se julga ofendido pode pedir explicações em juízo. Aquele que se recusa a dá-las ou, a critério do juiz, não as dá satisfatórias, responde pela ofensa.

‘Viadinho’ e ‘baitola’
No mesmo pronunciamento, o deputado Fernando Furtado ofendeu índígenas da tribo Awá-Guajá e homossexuais em geral chamando-os, de maneira pejorativa, de “viadinho” e “baitola”.

“Lá em Brasília, o Arnaldo viu, os índios tudo de camisetinha, tudo arrumadinho, com flechinha, tudo um bando de viadinho. Tinha uns três que eram viado, que eu tenho certeza, viado. Eu não sabia que tinha índio viado, fui saber naquele dia, em Brasília. Então é desse jeito que tá. Como é que índio consegue ser viado, ser baitola e não consegue produzir? Negativo…”, disse.

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB-MA) divulgou nota oficial condenando as declarações de Furtado. “A declaração do deputado é uma falta grave cometida contra índios, homossexuais e com o nosso partido, razão pela qual a repudiamos publicamente”, diz a nota.

 

 


 

POLICIA III 005Mesmo antes de se pensar em fazer discurso laudatório da apologia mais imbecil dos últimos tempos que tenho ouvido “PINHEIRO LUGAR BOM DE VIVER”, este rincão Maranhense já era a localidade da Baixada com o maior índice de violência. Este  numero vem crescendo assustadoramente nos últimos anos desde 2010, (segundo pesquisa) deixando a população preocupada com a falta de segurança. Todos os dias novos acontecimentos acometido por atos violentos que leva a intitular a cidade de Pinheiro, de: “CIDADE SEM LEI”

Ontem por volta da 17 horas, desta quarta feira14/10, mais um ato de violência praticada por assaltantes aconteceu no centro da cidade de Pinheiro na loja de artefatos “PLASTICOS E COUROS”, dois assaltantes abordaram um senhor conhecido  por Inácio, de profissão sapateiro.

Os dois meliantes chegaram numa moto branca já com arma em punho, tons costumeiros e agressivos, pedindo que o cidadão Inácio lhes repassasse o dinheiro que supostamente pensavam que ele conduzia.

Quando perceberam que o Sr. Inácio não estava de posse do que pedia, um dos assaltantes efetuou impiedosamente dois (02) disparos a queima roupa na vitima, atingindo o seu tórax.

Depois da ação criminosa os assaltantes evadiram-se  do local tomando rumo ignorado. A equipe do SAMU conduziu o baleado até o Hospital Antenor Abreu onde foi internado e tendo sido já deslocado para a capital do estado, em virtude da gravidade que se encontra a vitima.


BBC 

Sem dinheiro para aluguel, alguns sírios vivem em ocupação em São Paulo (Foto: Gabriel A. l BBC Brasil)

Programador sírio, que chegou ao país com mulher e três filhos, diz que dinheiro que recebe do Bolsa Família dá para comprar comida e fraldas, 'mas só isso'  (Foto: BBC)

Programador sírio, que chegou ao país com mulher e três filhos, diz que dinheiro que recebe do Bolsa Família dá para comprar comida e fraldas, ‘mas só isso’ (Foto: BBC)

14/10/2015 07h08 – Atualizado em 14/10/2015 07h08-www.jgmoreira.com.br

Luiza BandeiraDa BBC Brasil em Londres

Segundo governo, dos cerca de 2 mil refugiados sírios no país, cerca de 400 são beneficiados por programa de transferência de renda.

O programador Ali*, de 34 anos, era um homem rico na Síria. Ganhava US$ 4 mil (cerca de R$15 mil) por mês, tinha carro e foi um dos melhores alunos da sua pós-graduação.

“Aqui no Brasil, sou pobre”, conta ele, que se mudou há um ano e sete meses para o país sul-americano fugindo da guerra civil.

Sem renda, a solução foi recorrer a um programa criado originalmente para retirar brasileiros da miséria: o Bolsa Família.

Assim como ele, cerca de 400 imigrantes sírios que vieram para o Brasil estão no programa, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. O número se refere a julho. A pasta não informou o valor específico recebido pelos sírios – o benefício médio do programa é de R$ 167 mensais por família.

Após facilitar a entrada de refugiados sírios, o Brasil passou a ser o país que mais recebeu pessoas desse grupo na América Latina. Segundo dados do Ministério da Justiça, 2.097 refugiados sírios vivem no país atualmente – o maior grupo entre os 8.530 refugiados do Brasil, à frente dos angolanos, que são 1.480.

Mas, sem falar a língua e em meio à crise econômica, muitos deles – apesar de terem qualificação profissional ─ não conseguem emprego. O governo brasileiro, diferentemente de outros países, não tem um programa específico apenas para refugiados que ofereça diretamente ajuda financeira a eles.

 

IMIGRANTES

‘Renda zero’
O número de sírios no Bolsa Família tem crescido desde 2013, ano em que o Brasil facilitou a concessão de vistos.

Em dezembro daquele ano, sete famílias com pelo menos um sírio – ou cerca de 25 pessoas ─ estavam entre os beneficiários do programa. Hoje, são 163 famílias.

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, responsável pelo programa, usa o número de famílias, e não de pessoas, para a comparação.

No total, 15.707 famílias com estrangeiros estão no programa.

Para Larissa Leite, da Cáritas-SP, que atende refugiados, o número de sírios incluídos fica abaixo do esperado.

“Principalmente no período da chegada, os sírios têm renda zero. É preciso analisar o que está acontecendo.”

O secretário nacional de Renda de Cidadania do ministério, Helmut Schwarzer, diz acreditar que o número de sírios no programa irá crescer.

“Possivelmente a gente ainda vai ter algum aumento. À medida que a documentação das famílias for ficando pronta, que o direito de residência for concedido, pode ser que mais famílias solicitem o benefício.”

Língua latina com palavras de origem árabe
Segundo a pasta, todo estrangeiro em situação regular no país pode ter acesso ao programa se atender os critérios para inclusão. “O Bolsa Família nunca teve um proibição de participação de estrangeiros. A lei não os distingue dos brasileiros”, disse o secretário.

Para entrar no programa, é preciso que a família tenha renda mensal de até R$ 77 por pessoa ou de até R$ 154 se houver crianças ou adolescentes.

Ali*, que não quis ter o nome revelado porque não se sente confortável com sua situação, descobriu que podia entrar no programa com a ajuda de um vizinho.

Ele veio para o Brasil porque não queria fugir ilegalmente pelo mar (rumo à Europa), o que seria perigoso e o deixaria a mercê de traficantes de pessoas. Além disso, queria “um segundo país”, e não “um lugar em que fosse ser tratado como refugiado para sempre.”

Ficou em dúvida entre Turquia e Brasil, mas optou pelo último porque achou que aprender português, uma língua latina e com algumas palavras de origem árabe, seria mais fácil.

Para chegar ao país, gastou mais de US$ 10 mil (cerca de R$ 37 mil).

Ficou em um hotel quando chegou, mas suas economias estavam se esgotando muito rapidamente. Com isso, se mudou para um apartamento, onde soube do Bolsa Família.

Ali* ganha R$ 386 por mês para sustentar, além dele, a mulher e três filhos ─ que entraram em escolas brasileiras, uma das exigências do programa.

O valor é 2,5% do salário que recebia na Síria.

Sem dinheiro para aluguel, alguns sírios vivem em ocupação em São Paulo (Foto: Gabriel A. l BBC Brasil)Sem dinheiro para aluguel, alguns sírios vivem em ocupação em São Paulo (Foto: Gabriel A. l BBC Brasil)

Comida e fraldas
Ali* diz que o dinheiro dá para comprar comida e fraldas. “Mas só para isso.”

“O maior problema é pagar o aluguel. O Brasil deveria ter uma bolsa refugiado, porque o aluguel é muito caro aqui”, diz ele.

A reclamação de falta de apoio é comum entre refugiados sírios.

“Mas tentamos fazer eles entenderem que a inclusão deve ser dentro da realidade local. Estamos em crise. Estamos todos em crise”, diz Larissa Leite, da Cáritas-SP.

Larissa afirma, no entanto, que os valores do programa ficam abaixo da necessidade dos refugiados.

“A inclusão de refugiados no Bolsa Família é super positiva – sinal de que há um esforço manter igualdade. Mas, em algumas circunstâncias, essas pessoas precisam de apoio maior, porque não falam o idioma, não conhecem a realidade brasileira”, diz ela.

“Não estamos defendendo qualquer tipo de diferenciação em relação à população brasileira. Mas se o Brasil tem compromisso de proteção, essa proteção tem que ser na área social também”, afirma.

O Conare (Comitê Nacional para os Refugiados), ligado ao Ministério da Justiça, afirma que a assistência específica aos refugiados no país é feita por meio de repasses para Estados, municípios e organizações da sociedade civil que fornecem auxílio com moradia, aulas de português, cursos profissionalizantes, assistência jurídica e psicossocial e, se for preciso, ajuda financeira.

O Conare anunciou na semana passada a liberação de R$ 15 milhões de crédito extraordinário para assistência a refugiados e imigrantes. Além de serem enviados a estes parceiros, os recursos, de acordo com o órgão, também servirão para “consolidar uma rede de centros de referência e acolhida para imigrantes e refugiados”.

Sem tempo para planos
A inclusão de refugiados sírios no programa divide especialistas.

Sonia Rocha, do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iets), acha que os refugiados não deveriam estar no Bolsa Família.

“Isso mascara o problema e tira o foco. Precisamos de mecanismos próprios para refugiados nas instituições”, diz ela.

“A pobreza deles é temporária ─ a situação se aproxima muito mais daquela de quem perde o emprego e ganha o seguro-desemprego do que de quem é extremamente pobre e precisa de um programa de combate à miséria.”

“É uma situação conjuntural, não estrutural.”

Já a coordenadora do Centro de Estudos sobre Desigualdade e Desenvolvimento da Universidade Federal Fluminense, Celia Kerstenetzky, avalia que a situação deve ser vista no contexto da “mais profunda crise mundial de refugiados em décadas.”

Para ela, como as condições são emergenciais e o Brasil não tem tradição de receber refugiados, “uma resposta imediata humanitária possível me parece ser sim incluir essas famílias no nosso principal programa público de transferência de renda.”

“Não há tempo para planos e muita racionalidade”, afirma.

“Os sírios podem ter boas oportunidades no mercado de trabalho no médio ou talvez até mesmo no curto prazo, mas enquanto elas continuarem dentro da faixa de renda prevista para o Bolsa Família, o benefício vai continuar sendo pago”, conclui o secretário Helmut Schwarze


Tentativa-de-Assalto-1

Um homem identificado como Deurian Leite Gomes acabou levando bala a pior na tarde desta segunda-feira (12) ao tentar roubar a casa de um sargento da 5ª Companhia Independente de Polícia Militar de Açailândia.

O militar estava chegando em casa de um passeio com a esposa e os filhos, quando foi surpreendido com o bandido no interior de sua residência. De posse de um facão, o ladrão investiu contra a vítima, que lhe alvejou com um tiro de pistola. O acusado foi atingido na região da cintura, socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMU e levado para o Hospital Municipal, de onde foi transferido para Imperatriz.

Ele disse a polícia que seria usuário de drogas e estaria acompanhado de outros dois homens que conseguiram escapar. A casa do militar ficou toda revirada.

 


 

PLANAO II

ACIDENTE 1000

CPA 15 / 10º BPM-SERVIÇO DE 12 PARA 13 /10/2015-PINHEIRO

01-Foram removidos 01 moto para o Ciretran e preenchido 01 AIT

02-CPAI/ 10º BPM/PINHEIRO/CBs João e Valdinar

Data 12/10/2015 às 08 hs/ OCORRENCIA/ AMEAÇA/ ACUSADO- Paulo de Jesus Costa Soares. VITIMA-Claudia Maria Penha

Local- Rua Elizabeto Pinheiro.

Historico: O conduzido (ACUSADO) ameaçou de morte a sua companheir. O mesmo apresentava sinais de embriagues.

03- CPAI/-8/10º BPM/ALCANTARA/SGT LEÔNIDAS,CB J . BATISTA,SDs RABELO, NASCIMENTO E GOMES.

DATA: 12/10/2015/ Às 12 hs- CORRÊNCIA: ACIDENTE DE TRANSITO.

VITIMA:MARIEIA RABELO DE JESUS, 19 ANOS e IRANILDO RABELO DE JESUS,18 ANOS.

LOCAL- MA 066,Pov. Aranhengal.

HISTORICO: Ambos trafegavam em uma moto Titan Preta, sentido CUJUPE -RAIMUNDO SUL, que em uma curva o condutor perdeu o controle ocasionndo o acidente, onde as vitimas vieram a óbito.

 


%d blogueiros gostam disto: