A Promotoria de Justiça de Vitória do Mearim instaurou, nesta quarta-feira, 10, inquérito civil para apurar a responsabilidade civil-administrativa pela contratação temporária e cessão do servidor municipal Luís Carlos Machado de Almeida, para atuar, ilegalmente, como policial militar.

irialdo-arari-AgA

O servidor municipal está preso, sob a acusação de ter executado o mecânico Irialdo Batalha, no dia 28 de maio, durante ação policial em que acompanhava dois policiais militares. O crime, que foi cometido na via pública em Vitória do Mearim e na presença de muitos populares, teria ocorrido após perseguição policial, decorrente, segundo a versão dos policiais, de um suposto assalto da qual a vítima participara.

Segundo o promotor de justiça José Emanuel da Silva e Sousa, que responde pela Promotoria de Vitória do Mearim, o servidor já responde a outro processo criminal pela prática de homicídio em condições semelhantes. “Chegaram ao nosso conhecimento informações de que não se tratou de um fato isolado, mas de situação costumeira, na qual Luís Carlos Machado de Almeida exercia funções de policial militar”, relatou.

Para o membro do Ministério Público, no caso, há indícios da prática de improbidade administrativa. Ele informou à Corregedoria Geral do MPMA que irá elaborar um relatório descrevendo as providências para apurar as responsabilidades dos autores do homicídio contra Irialdo Batalha.

RECOMENDAÇÃO

Diante da constatação de outras ocorrências em que servidores municipais cedidos a repartições policiais do interior do estado estão exercendo atividades privativas das polícias civil e militar, a Corregedoria Geral do Ministério Público expediu Recomendação aos promotores de justiça para que tomem providências, a fim de eliminar ou evitar tais ilegalidades.

Na Recomendação, o corregedor-geral do MPMA, Suvamy Vivekananda Meireles, orienta para que sejam responsabilizados, criminal e civilmente, “inclusive por ato de improbidade administrativa, todos os agentes públicos que determinarem ou consentirem essa prática ilegal, notadamente nos casos em que do exercício ilegal da atividade tenha resultado a prática de crimes”.

Fonte Jornal Pequeno- Atualizado em 14/06/2015-www.jgoreira.com.br


FACA IIConhecida como Nevinha (27 anos) foi encntrada morta na sua residencia no Povoado Viveira, aproximadamente 28 km distante da sede do municipio de Pinheiro.

Segundo populares a mesma estava gravida de 07 meses/morta com a facadas/Indcios  levam a crer, que trata-se de crime passional.

Seu corpo foi trazido para  Hospital Antenor Abreu-Sede/Pinheiro onde está sendo  periciado.

Aguardem mais detalhes ainda hoje neste Blog


YALA SENA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA, EM TERESINA

Uma das adolescentes vítimas de estupro coletivo no Piauí foi obrigada a amarrar com cordas as três amigas que a acompanhavam para serem violentadas por cinco agressores no município de Castelo do Piauí (a 190 km de Teresina).

O terror vivido pelas garotas de 15 a 17 anos de idade foi relatado pelo promotor de Justiça Cesário Cavalcante, que acompanha o caso. No último 27 de maio, as quatro meninas foram estupradas, amarradas, apedrejadas e jogadas de um penhasco de cerca de dez metros de altura. Elas estavam no local fazendo fotos para um trabalho escolar.

“Elas contam que, ao serem abordadas por um dos menores, ele já foi dizendo: ‘Meu patrão gosta muito de loirinha’. Ele colocou a faca no pescoço dela, as outras queriam correr e eles já atiraram pedras nelas… Um deles mandou que a própria adolescente amarrasse as demais junto com eles, uma coisa terrível”, disse o promotor antes da audiência de apresentação dos adolescentes à Justiça, nesta quinta-feira (11), em Teresina.

Thiago Amaral/Cidade Verde
Cortejo fúnebre da estudante Danielly Feitosa, 17, que foi morta em Castelo do Piauí
Cortejo fúnebre da estudante Danielly Feitosa, 17, que foi morta em Castelo do Piauí

Segundo o relato dos agressores, as meninas foram amarradas com cordas de redes e barbantes.

Uma das garotas teve traumatismo craniano, outra ficou com afundamento na face e fraturas no pulso e tornozelo. Danielly Rodrigues Feitosa, de 17 anos,morreu no último domingo (7) após ficar dez dias na UTI e passar por uma cirurgia de reconstrução da face.

Duas jovens tiveram alta hospitalar, mas a outra continua internada no Hospital de Urgência de Teresina (HUT).

AUDIÊNCIA

Ao longo de oito horas, os quatro adolescentes suspeitos do crime que chocou o país prestaram depoimento à Justiça. O promotor chegou a pedir acareação para confrontar pontos contraditórios nos depoimentos, mas, após ouvir o último jovem, voltou atrás.

Eles foram ouvidos na presença do juiz, do promotor e de dois defensores públicos –encarregados da defesa dos menores. Os pais e responsáveis dos suspeitos também foram ouvidos na audiência.

Um homem de 40 anos, Adão José de Sousa, suspeito de liderar o grupo, será chamado a depor em outro dia, em um processo à parte.

O promotor disse à Folha que vai oferecer denúncia contra Sousa por estupro, homicídio, tentativa de homicídio e qualificador de feminicídio.

O clima tenso e de comoção em Castelo do Piauí levou o juiz Leonardo Brasileiro a transferir a audiência para a capital do Estado, Teresina. Nos próximos dias, a Justiça receberá a defesa dos adolescentes e ouvirá as vítimas e testemunhas.

FUZILAMENTO

Uma declaração do vereador Edson Melo (PSDB) causou polêmica na Câmara Municipal de Teresina. O parlamentar defendeu o fuzilamento dos suspeitos –quatro deles são menores de idade– em praça pública.

“Eu posso estar falando uma blasfêmia, mas na minha opinião esses quatro menores e aquele Adão deveriam ser fuzilados em praça pública lá em Castelo do Piauí, inclusive sendo televisionado para todo o mundo”, disse.

COMPARTILHE

CLÁUDIA COLLUCCI
ENVIADA ESPECIAL A CASTELO DO PIAUÍ

Atualizado sem corte -13/06/2015 www.jgmoreira.com.br

Duas semanas e meia após quatro meninas entre 15 e 17 anos serem vítimas de um estupro coletivo em Castelo do Piauí, a 184 km de Teresina, a solução do crime depende da confirmação de provas materiais, embora policiais e moradores já tenham anunciado culpados e se refiram a eles como “os monstros do Piauí”.

Quatro jovens, também entre 15 e 17 anos, foram apreendidos, e um homem de 40 anos foi preso horas depois do crime, em 27 de maio. Ameaçados de linchamento, foram transferidos para Teresina.

Além do estupro coletivo, as meninas foram espancadas e jogadas de um precipício de oito metros. Por fim, receberam pedradas. Uma delas, Danyelle Feitosa, 16, morreu no último domingo (7).

Os acusados têm passagens por uso de drogas, furtos e roubos e, segundo a polícia, confessaram. Mas as famílias de três dos quatro menores dizem que eles são inocentes —dois afirmam que a confissão ocorreu após espancamento, negado pelas autoridades.

Os pais de um deles diz ter testemunhas de que seu filho trabalhava na hora do crime.

O primeiro menor detido confessou e apontou a participação do resto do grupo. No hospital, as vítimas também reconheceram, por fotos, os acusados, diz a polícia.

Mas a principal prova material ainda não ficou pronta —um exame de DNA do sêmen dos suspeitos. E só na última quinta (11) a polícia fez uma busca na casa de um dos adolescentes suspeitos, I.V.I., 15, à procura de roupas usadas no dia do crime e objetos pessoais das vítimas.

O delegado Laercio Evangelista diz que “não resta a menor dúvida” do envolvimento dos cinco. O promotor Cesario Oliveira afirma que “todos abusaram de todas”.

OUTRO LADO

As famílias de pelo menos três dos quatro adolescentes apreendidos sob suspeita de estupro coletivo afirmam que eles são inocentes. Duas dizem que a confissão inicial se deu mediante espancamento, negado pela polícia.

O desempregado Adão José de Souza, 40, é apontado pela polícia como mandante. Ele era procurado acusado de assaltar a gerente de um posto de gasolina e de atirar contra ela. Em depoimento, assumiu a autoria do assalto, mas negou a do estupro.

A mãe de B.F.O., 15, diz acreditar na inocência do filho. “Ele pode já ter feito muita coisa errada, mas isso [estupro], não. Ele nega.”

O pai de J.S.R. 16, afirma haver testemunhas que viram seu filho trabalhando. “É por acreditar na inocência dele que estou indo atrás. Quero que ouçam as testemunhas. Se no final as provas mostrarem que ele é culpado, tudo bem, ele vai pagar por isso”, diz ele, que afirma ter havido espancamento do filho.

A mãe de G.V.S., 17, diz que seu filho começou a se envolver com drogas aos 13 anos, mas que alega inocência nesse caso e diz ter confessado porque foi espancado.

O pai de I.V.I., 15, diz que não falou com seu filho após a apreensão e, por isso, não sabe qual é a versão dele.

O caso está sob segredo de Justiça. A defensora pública que acompanha os suspeitos disse que, por isso, não poderia se pronunciar, nem mesmo para apontar detalhes das alegações dos jovens.


DROGAS

Juciléia e Geuzineres foram presos com maconha, crack e outros objetos

VIANA

-Atualizado em 12/06/2015 -23.25 hs

O Imparcial
Foram presos, na madrugada desta quinta-feira, dia 11, Juciléia Sousa dos Santos, 19 anos e Geuzineres Sampaio, 24 anos e um menor adolescente 16 anos, por trafico de drogas, no município de Viana.
Com eles foram uma balança de precisão, 500g de maconha, 62 papelotes de maconha, 03 pedras de crack de 14g, dois celulares, dois aparelhos de DVD, um tablet, duas câmeras digitais, um narguilé e R$ 1.306,60 em dinheiro.

ACIDENTE

  •  IMIRANTE.COM
  •  

O operário não estava usando cinto de segurança, quando se desequilibrou e caiu.

SÃO LUÍS – Um homem, identificado como Amilton Pereira Moraes, 49 anos, morreu após cair do 10º andar de um prédio residencial na avenida dos Holandeses, região do Olho d’Água, em São Luís. O caso aconteceu no fim da manhã desta sexta-feira (12), em um edifício em construção entre o retorno do Caolho e do Olho d’Água.

Segundo informações do Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim), o homem era operário de uma empresa de construção civil e estava concretando uma das vigas de sustentação do prédio, quando caiu. Testemunhas afirmam que no local não havia badejas e nem redes de proteção.

A perícia avalia que o operário não estava usando cinto de segurança, quando se desequilibrou e caiu. Amilton Pereira teve politraumatismo (vários ossos do corpo quebraram-se na queda).

Após o acidente, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi ao local, mas o operário já estava morto.


BACURI

O Ministério Público ingressou, no último dia 10 de junho, com Ações Civis Públicas, com pedido de liminar, para obrigar o Município de Bacuri a promover a reforma de 23 escolas da rede municipal de ensino, que se encontram em péssimas condições estruturais, algumas comprometendo até a segurança de alunos, professores e servidores.

Segundo a promotora de justiça Alessandra Darub Alves, titular da promotoria, as ações foram promovidas após denúncia do Sindicato dos Professores e Servidores Públicos Municipais de Bacuri acerca da situação das escolas.

Uma diligência feita por técnico do Ministério Público constatou inúmeros problemas, que são comuns às unidades escolares alvo das ações civis, tais como paredes e telhados danificados, banheiros inexistentes ou em péssimas condições, esgoto estourado, água contaminada, iluminação e ventilação deficientes, entre outros.

Na Unidade Integrada Valezia Campelo, localizada no povoado Cachoeirinha, foram detectados problemas como falta de muro externo, de biblioteca, laboratório de informática, área de lazer, refeitório, além de telhado e banheiro em estado precário.

Nas ações, o Ministério Público requereu, entre outras providências, a reforma total das estruturas prediais (sobretudo de telhados e paredes comprometidos), manutenção dos sistemas hidráulico e elétrico, construção de área de lazer, refeitório, cozinha, cisterna, criação de biblioteca, laboratório de informática com livros e programas adequados à faixa etária das crianças.

Ao argumentar em defesa da procedência das ações, a promotora de justiça Alessandra Darub observou que é premente a necessidade de melhoria da qualidade da educação pública ofertada pelo município de Bacuri. “O Ministério Público e o Judiciário não podem compactuar com a falta de investimento na área educacional e com a manutenção da precariedade da infraestrutura escolar”, ponderou.

Para a representante do MP, “a inexistência de escola adequada, dentro dos padrões da legalidade, impede que o ensino público se eleve e que os estudantes saiam da escuridão intelectual”.

ESCOLAS ATINGIDAS PELAS AÇÕES

As ações civis públicas ajuizadas buscam beneficiar as seguintes escolas, algumas localizadas na sede e outras em povoados do Município de Bacuri: Jardim de Infância Nossa Senhora de Fátima (sede); Unidade Integrada Lívio Nogueira de Azevedo (sede); Unidade Integrada Professora Santinha (sede); Unidade Escolar João Goulart (sede); Unidade Escolar Severiano Ferreira Diniz (Madragoa); Unidade Escolar Edite Nery (Macacos / Cabeceira); Casa Escola Arlindo Cunha (sede); Centro Educacional Padre Jorge Cara (sede); Unidade Escolar Marechal Castelo Branco (sede); Unidade Escolar Arciones Vieira (sede); Escolinha Beija Flor (sede); Unidade Integrada 21 de Abril (Santa Rosa) ;Unidade Virgilio Vieira (Ponta Seca); Unidade Escolar Tancredo Neves (Madragoa); Unidade Antônio Bittencourt (Bitiua); Unidade Escolar Antônio Dino (Cachoeirinha); Unidade Integrada Juvêncio Vieira (Santa Rosa); Unidade Escolar Branca de Neve (Jurupiranga); Unidade Escolar José Domingues (Trajano); Unidade Escolar Nossa Senhora das Graças (Vila Nova); Unidade Escolar Benedito José Mendes (Portugal); Unidade Integrada Iracema Carvalhal (Portugal); e a Unidade Integrada Valezia Campelo (Cachoeirinha).


Lideranças políticas anunciaram apoio à pré-candidatura de Jesiel Araújo em Monção

Jesiel e Othelino com Aldo e Ranildo

Mais cinco lideranças aderiram à pré-candidatura do professor e liderança política, Jesiel Araújo (PCdoB), à Prefeitura de Monção.  Engrossam o grupo de apoio o ex-prefeito Murilo Jânsen (três mandatos), as vereadoras Sônia Jânsen (PV – cinco mandatos) e Deusa da Rita (PSL), além dos líderes Aldo da Rita e Ranildo.

Há mais de um ano para as eleições municipais, já surgem as pré-candidaturas e as alianças pré-eleitorais começam a se formar em Monção.  Jesiel, que é do partido do governador Flávio Dino (PCdoB), tem o importante apoio declarado do vice-presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputado  estadual Othelino Neto (PCdoB).

Durante as reuniões de adesão, marcaram presença  o vereador David Araújo (PT), a ex-prefeita de Monção, Paula Francinete, a “Paulinha”, e lideranças como Jane Araújo e Mário Cardoso, além do blogueiro Carlos Lago.

Com popularidade em alta, Jesiel Araújo é forte liderança e é o principal nome da oposição, nesse período pré-eleitoral,  na corrida pela Prefeitura de Monção. Ele disputou a eleição municipal passada e ficou em segundo lugar com 6.525 votos. Agora, começa a reunir importantes forças políticas para esse novo projeto.

“Estamos em um período pré-eleitoral, onde colocamos o nosso nome à disposição do partido e  das lideranças para que possamos chegar à convenção, no ano que vem, com bastante potencial. Neste momento, quero agradecer as manifestações que já surgem em torno do nosso projeto”, disse Jesiel.

Segundo Othelino Neto, com essas importantes adesões, Jesiel Araújo vai fortalecendo o seu projeto de pré-candidatura à Prefeitura de Monção. “Esses são os primeiros passos para a grande luta pela mudança política e administrativa no município. Estamos juntos nesse projeto”, frisou.


 .

 

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de São José de Ribamar, deu cumprimento ao mandado judicial na manhã desta quarta-feira (10), em desfavor de Ivanilson Santos Abreu conhecido como “Careca de Piricó”, de 21 anos.

 

Segundo informações repassadas pelo delegado Jader Alves, titular da Delegacia Especializada daquele município, o “Careca de Piricó” foi detido em razão do cumprimento do mandado de prisão preventiva pela prática do crime de homicídio que teve como vítima um adolescente de 15 anos.

 

O delegado disse ainda que, o crime ocorrido no último 16 de abril deste ano ocorreu após uma prática delituosa durante a partilha do material roubado, o Ivanilson deferiu um disparo na cabeça do adolescente, que veio a óbito no local.

 

Ivanilson Santos foi levado para as dependências da delegacia especial e, em seguida, ele foi encaminhado para o Centro de Triagem de Pedrinhas.


Atualizad0 .

 

No fim da tarde desta quarta-feira (10), o 9º Distrito Policial, com o apoio da Companhia de Policiamento de Turismo (CPTUR), recapturaram Robson da Luz Gomes, vulgo ‘Cebola’, 23 anos, foragido do sistema penitenciário da capital. Segundo a polícia, o preso responde por crime de roubo, mas ele também é suspeito de ter participado de um homicídio.

 

Robson da Luz Gomes foi beneficiado com o indulto do Dia das Mães, mas não retornou ao Complexo Penitenciário de Pedrinhas. O presidiário passou a ser monitorado pela equipe de capturas do 9° DP e, no início da tarde desta quarta-feira, foi preso nas proximidades da rotatória do São Francisco e devolvido ao presídio para o cumprimento da pena.


%d blogueiros gostam disto: