Eles foram encaminhados ao Centro de Observação Criminológica e Triagem de São Luís onde permanecerão à disposição da Justiça.

Durante uma operação da Polícia Civil, realizada nos municípios Santo Amaro, Urbano Santos e São Benedito, sete integrantes de uma organização criminosa especializada em explosões a caixas eletrônicos foram presos. A operação da Polícia Civil por intermédio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) também conseguiu apreender duas pistolas ponto 40, três coletes balísticos, sendo que dois pertence a Polícia Militar do Maranhão e um veículo.

As investigações foram realizadas pelo Departamento de Combate ao Roubo a Banco da Seic, sendo capturados José Valdemir Alves Rodrigues, de 48 anos, Cláudio Maciel dos Santos,30, Gilvan da Rocha Soares, 28, Flávio Ricardo Pereira Reis, 38, Valdeilson Moraes Silva, 28, Jucelio Marinho da Silva, 28, e Cristiane Sousa dos Santos, de 27 anos.

Após análise técnico-jurídica do Delegado de Polícia, os criminosos foram autuados pelos crimes de organização criminosa, receptação e porte ilegal de arma de fogo de uso restrito.

Eles foram encaminhados ao Centro de Observação Criminológica e Triagem de São Luís onde permanecerão à disposição da Justiça.


Luan da Silva foi preso durante cerco policial realizado no condomínio Poeirão, no Bequimão, ontem (Foto: Divulgação)

SÃO LUÍS – Um forte aparato policial, com a participação do Corpo de Bombeiros Militar e do Centro Tático Aéreo (CTA), realizou ontem uma operação em um condomínio inacabado, localizado no bairro do Bequimão, conhecido como Poeirão, que faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A ação resultou somente na prisão de um dos chefes de uma facção criminosa, oriunda do Rio de Janeiro, e ex-presidiário, identificado como Luan Alexandre da Silva, de 23 anos. Em poder dele, foi apreendida uma pistola 380 e uma quantidade de maconha.

Há informações de que a realização da operação policial teria sido vazada e por isso criminosos que agem na localidade fugiram antes do cerco policial. Segundo informações da polícia, a área habitacional é de responsabilidade da Prefeitura, mas, no momento moram 237 famílias, que possivelmente, podem ter ligação com membros de facção e criminosos, que estão realizando de forma diária roubo, homicídios, venda de droga e tiroteio na cidade.

Facção criminosa

“A localidade foi invadida primeiramente por integrantes de uma facção criminosa do Rio de Janeiro e posteriormente vieram morar pessoas de bem, mas, permitidas pelos faccionados”, declarou o delegado Carlos Alberto Damasceno, coordenador da operação. Ele informou que o cerco policial tinha três objetivos. Um deles era cumprir 237 mandados de busca e apreensão nos apartamentos, em busca de apreender armas de fogo e drogas.

A operação também visava prender foragidos da justiça e criminosos, acusados de cometer tiroteio, homicídio, roubo, latrocínio e comercialização de drogas e identificar moradores suspeitos de terem ligação diretamente com integrantes de facções criminosas. “Vamos tentar separar as pessoas de bem e prender aqueles que devem à justiça. Há possibilidade de haver outras incursões nesse condomínio no decorrer deste ano”, disse o delegado.

O condomínio começou a ser construído em 2005, com recursos do programa federal Promorar e, em 2009, teve investimentos do Habitat Brasil, que é um programa da União, mas, coordenado na capital pela Prefeitura. O delegado informou que, no momento, a Prefeitura pretende terminar a construção desse condomínio por meio do programa Minha Casa, Minha Vida. Inclusive, uma empresa de construção civil já esteve no local, realizando uma vistoria técnica.

A Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação (Semurh) informou, por meio de nota, que as obras do condomínio fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de responsabilidade da Prefeitura, por meio da Semurh. Esclareceu que, atualmente, o projeto está em fase de revisão na Caixa Econômica Federal, que é o ente financeiro do PAC.

Investigação

Carlos Damasceno informou que a operação policial foi fruto de trabalho investigativo feito pela equipe da Superintendência da Polícia Civil da Capital (SPCC) e denúncias anônimas de que o condomínio era comandado por integrantes de uma facção criminosa, com ocorrências de tiroteio, venda de drogas e roubo.

Ontem, mais de 700 profissionais da segurança pública estiveram no local, composto por 25 prédios e, segundo o delegado, com o propósito de cumprirem 237 mandados de busca nos apartamentos. Os policiais revistaram todos os apartamentos e conseguiram apreender balança de precisão, munições de calibres diversos, roupa – possivelmente utilizada em assaltos na Ilha – e efetuaram a prisão de Luan da Silva.

Conforme o delegado, Luan da Silva, durante a abordagem tentou jogar uma pistola 380 pela janela, mas acabou sendo surpreendido pelos policiais, que ainda encontraram uma quantidade de maconha. Ele estava em liberdade provisória e tinha sido preso pelo crime de roubo, por uma guarnição da Polícia Militar, no dia 15 de fevereiro deste ano, na Vila Palmeira, com Ronald Santos Costa. Com eles, a polícia apreendeu uma motocicleta Bros, de placa OXZ 7922; uma escopeta ponto 12, três munições, um rifle 22 e três carregadores de calibre 22.

O delegado Armando Pacheco, superintendente da SPCC, informou que por os policiais civis terem atuado nessa operação ontem, os Plantões da Polícia Civil da Ilha funcionaram por um período de 24 horas para atender a demanda das ocorrências policiais.

Protesto
Os moradores do condomínio Poeirão realizaram um protesto no Bequimão, durante a tarde de ontem, porque a luz dos apartamentos foi cortada. Os manifestantes colocaram pedaços de pau, concreto e galhos de árvore na Avenida 1 e a Alcântara, no Bequimão.

Alguns chegaram a deitar no meio da via, para que os veículos não pudessem trafegar. O movimento somente terminou com a chegada da Polícia Militar e o trânsito voltou ao normal no bairro do Bequimão.

Com informações: O Estado


“Peixe” era acusado de traficar drogas no bairro onde morava há muitos anos

O traficante de drogas Roberto Santos da Costa, 33, conhecido como “Peixe”, foi executado com sete tiros de pistola calibre 9 milímetros na noite desta quarta-feira, quando comercializava porções de entorpecentes na Rua Ituarana, no bairro Amazonino Mendes, conhecido como Mutirão, Zona Norte de Manaus.

Três homens desconhecidos chegaram ao local em um carro Gol, preto, placa não identificada, e abordaram “Peixe”, que ainda tentou correr, sabendo que o trio estava ali para executá-lo, mas não deu tempo e o traficante foi assassinado friamente, de acordo com as testemunhas.

Moradores da rua ainda telefonaram para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, mas de nada adiantou porque a morte de Roberto foi instantânea com tiros que atingiram sua cabeça, peito, costas no tórax, como foi confirmado por peritos do Instituto de Criminalística.

 

Os autores do crime deixaram o local logo em seguida. Uma equipe de patrulhamento da 6ª Companhia Interativa Comunitária tentou localizar os assassinos mas não aconteceu nenhuma prisão.

 

O corpo do traficante foi retirado do local do crime pela equipe do IML. O crime está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros.

 


O município de Pinheiro foi contemplado com três poços através de um projeto via Governo do Estado, onde, por meio da Casa Civil, da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar – SAF e da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Social – SEDES, tendo em vista o Edital 001/2017, publicado na Edição nº 40, de 24 de fevereiro de 2017, do Diário Oficial do Estado do Maranhão, que tornou público o chamamento público para a seleção de projeto para instalação de Sistema Simplificado de Abastecimento de Água – SSAA no âmbito do programa “ÁGUA PARA TODOS”, torna público o resultado dos municípios contemplados.
Dentre esses municípios, o município de pinheiro está incluso. Essa grande conquista era um anceio de muitos anos e o prefeito João Luciano conseguiu esse grande benefício, que terá início a partir de dezembro deste ano, benefício esse que já está licitado pelo Estado e pela empresa. E agora só está sendo finalizada a questão do projeto, pois a escolha dos terrenos já foram feitas no final de semana passado.
Após o município de Pinheiro já ter sido contemplado com dois poços, agora, em consequência da luta incansável do prefeito João Luciano, mais três poços serão concluídos nos povoados de Porão Grande, Paraíso e São Luizinho da Chapada, poços esses que vão melhorar muito a qualidade de vida das pessoas desses povoados contemplados e esse é exatamente o principal objetivo do prefeito, levar cada vez mais melhorias e bem estar para toda a população.

Policiais da Superintendência Estadual de Investigações Criminais – SEIC prenderam cinco elementos acusados de matar o padrasto e sequestrar um adolescente deficiente físico. O fato aconteceu no bairro do São Raimundo, aqui na capital. A ação dos suspeitos foi no dia 17 deste..

Conforme testemunhas, os cinco fazem parte de uma facção criminosa e queriam matar um irmão do deficiente, que não estava na casa no momento. O padrasto Wellington Carlos de Jesus reagiu e foi morto à tiros. Então, eles sequestraram o enteado Leonardo Silva Mendes.

Eles tentaram negociar com a família a devolução do deficiente em troca do irmão que é o alvo do grupo, o que não aconteceu. Policiais da Seic começaram a investigar o caso e prenderam  Mauro Campos Alves Neto, vulgo Maurinho, de 24 anos; Moisias Tobias Silva Reis, vulgo Zico, de 40 anos; Tailson dos Santos Silva, o Romano, de 21 anos; Roseilton de Jesus Saraiva Corrêa, o Carioca, de 32 anos; e Taize Tobias Silva, de 25 anos


 


Segundo os pescadores, desde o início da semana peixes estão aparecendo mortos e nesta quarta o número aumentou bastante.

Peixes mortos colocados na avenida pelos pescadores, em São Luís (Foto: Domingos Ribeiro / Mirante AM) Peixes mortos colocados na avenida pelos pescadores, em São Luís (Foto: Domingos Ribeiro / Mirante AM)
Peixes mortos colocados na avenida pelos pescadores, em São Luís (Foto: Domingos Ribeiro / Mirante AM)

Pescadores voltaram a protestar, na manhã desta quarta-feira (22), na Barragem do Bacanga, em São Luís, jogando alguns peixes mortos em uma das vias da Avenida dos Portugueses. A reclamação é pelo trabalho feito na comporta da barragem, que segundo os pescadores, é responsável direto por mais esta tragédia ambiental.
Segundo os pescadores, desde o início da semana peixes estão aparecendo mortos e nesta quarta o número aumentou bastante.
“Desde ontem está morrendo peixe. Debaixo da ponte é que tem toneladas de peixes mortos. Tudo isso por conta da não abertura da comporta como deveria ser, aí os peixes estão morrendo pela falta de oxigênio na água. A responsabilidade é de quem cuida da comporta – disse o pescador Jean Pereira Martins.
A espécie de pescado morto é o camurim. Os pescadores estimam que por conta da mortandade dos peixes, eles devem passar seis meses sem atividades regulares. A obra da barragem continua parada.
Em agosto deste ano, o mesmo problema foi registrado e a reclamação só se repetiu agora em novembro.
O G1 encontrou em contato com o Governo do Estado e aguarda resposta sobre a previsão de conclusão da obra da barragem e também sobre o controle da comporta.

G1-Maranhão



Neste dia de pleno significado para nós, quando comemoramos o 26º aniversário do nosso amigo IVANILSON FERRAZ, nosso sentimento maior é a alegria , plena e incondicional, de estarmos aqui juntos acompanhando a sua gloriosa trajetória de vida e cientes que a sua historia de amor aos seus familiares e amigos é o resultado permanente e ininterrupto do seu magnifico comportamento como ser humano, cujo legado será transcrito para o livro dos recordes das grandes amizades e gratidão providas pela lealdade e pelo desprendimento incondicional que o esprito luz de Deus te faz caminhar junto dos que te amam.
Portanto, somos gratos pela sua amizade ! Contudo, a gratidão é um dever que prezamos, por isso, nesta oportunidade gostaríamos de prestar justa e sincera homenagem pela passagem do seu aniversário!


PARABÉNS, hoje é um novo dia.
Feliz Aniversário! Desejamos que este dia contenha toda alegria e tudo de bom que o mundo possa te propicionar . VOCÊ MERECE !!!. Que não lhe falte a paz, a saúde e o amor. Lute por tudo quanto você acredita e nunca desista de dos seus sonhos.
DEUS SERÁ O TEU GUIA ! Temos certeza que a vida será sempre sua grande amiga.

Curtir
Mostrar mais reações
Comentar


Foto: Reprodução

A imagem provoca assombro até hoje

Você já deve ter visto a perturbadora imagem acima, não é mesmo? Ela foi clicada pelo fotojornalista sul-africano Kevin Carter em 1993, e está entre as fotos mais icônicas de todos os tempos.

 

O retrato é conhecido como “o abutre a garotinha”, foi registrado próximo ao vilarejo de Ayod, no Sudão, e até hoje choca o mundo.

Em 1993, Carter viajou ao Sudão, e se encontrava nos arredores do vilarejo de Ayod quando encontrou a garotinha da foto. Ela havia parado para descansar enquanto se dirigia a um centro de distribuição de comida mantido pelas Nações Unidas. Foi nesse momento que o abutre pousou perto da criança.

 

O abutre e a garotinha

Carter tomou o maior cuidado para não perturbar a cena, e aguardou durante cerca de 20 minutos até que o abutre se aproximasse o suficiente da garotinha. Foi então que ele se posicionou para capturar o melhor ângulo possível e clicou a fotografia.

 

Depois disso, o fotógrafo espantou a ave para longe da criança — e se tornou o autor de uma das imagens mais controversas da história do fotojornalismo.

 

Na época, Carter revelou que os pais da menina estavam ocupados tentando pegar comida de um avião da ONU, e deixaram as crianças sozinhas por um momento. Essa era a situação envolvendo a criança da imagem, e o fotógrafo registrou a cena a uma distância de aproximadamente 10 metros.

 

Carter vendeu a foto para o The New York Times e ela foi publicada pela primeira vez no dia 16 de março de 1993. A imagem chamou tanto a atenção que, de um dia para o outro, a publicação norte-americana recebeu centenas de ligações de pessoas preocupadas que queriam saber se a criança havia sobrevivido.

Por conta da imensa repercussão que a imagem gerou, a publicação decidiu publicar uma nota explicando que a garotinha tinha tido forças suficientes para escapar do abutre, mas que, infelizmente, o The New York Times não tinha informações sobre o que havia acontecido com a menina.

Criticismo

Kevin Carter

Como resultado, Carter se transformou em alvo de uma enxurrada de críticas de pessoas que questionaram a razão de ele não ter ajudado a garotinha — e foi acusado de apenas usar a menina para fazer a foto. E não foi só isso: o retrato causou tamanha controvérsia que, ironicamente, o fotógrafo chegou a ser chamado de abutre, e foi comparado com o predador da cena.

 

O fotógrafo foi fortemente censurado pela opinião pública, e criticado não só por tirar a foto em vez de espantar o abutre imediatamente, mas também por não ajudar a menina depois de registrar a cena — em vez de abandoná-la à própria sorte em uma situação tão devastadora para tentar chegar até o centro de distribuição de comida.

 

No entanto, o que nem todo mundo sabia é que, na época em que a cena foi registrada, os fotojornalistas eram avisados que de que não deveriam tocar as vítimas da fome para evitar a transmissão de doenças, já que elas se encontravam incrivelmente debilitadas.

 

Carter acompanhado de soldados armados durante sua viagem ao Sudão

 

O próprio Carter chegou a estimar que cerca de 20 pessoas morriam de inanição no centro da ONU, portanto, a menina da foto não era uma exceção.

 

Aliás, no momento em que Carter clicou o retrato do abutre e a garotinha, ele se encontrava rodeado de soldados sudaneses armados que estavam ali justamente para evitar que o fotógrafo interferisse com a situação.

 

De qualquer forma, o sul-africano confessou em inúmeras ocasiões que havia sentido remorso por não ajudar a menina, embora não houvesse muito que ele pudesse fazer por ela naquele estágio — mesmo que tivesse oportunidade.

 

Em 1994, Carter ganhou um prêmio Pulitzer por sua estarrecedora fotografia, reconhecimento que reacendeu as críticas e acusações contra sua atitude. Então, no mesmo ano, ele infelizmente cometeu suicídio.

 

Morte prematura

 

Os horrores que Carter registrou com suas lentes acabaram por

vencê-lo no final(Fotos: Reprodução)

Carter fazia parte de um seleto grupo de fotojornalistas que ficou conhecido como “Bang-Bang Club”. Esses profissionais eram alguns dos poucos que se arriscavam a encarar e documentar horrores inimagináveis para a maioria de nós. A morte fazia parte do dia a dia desses fotógrafos e, no caso de Carter, ela acabou vencendo no final.

 

Ao longo de sua carreira, Carter testemunhou através das lentes de sua câmera execuções violentas, conflitos sangrentos e pessoas morrendo de fome, e tudo isso acabou o afetou tremendamente. Ele tinha apenas 33 anos de idade quando decidiu por um fim ao próprio sofrimento, e deixou uma nota de suicídio que dizia (em tradução livre).

 

“Eu sinto muito, muito mesmo. A dor da vida supera a alegria ao ponto de que a alegria não existe… Estou deprimido… sem telefone… dinheiro para o aluguel… dinheiro para sustentar as crianças… dinheiro para dívidas… dinheiro!.

 

Sou assombrado pelas vívidas memórias de mortes e cadáveres e raiva e dor… de crianças famintas ou feridas, de loucos com o dedo no gatilho, muitas vezes policiais, de carrascos assassinos… Fui me juntar ao Ken (Ken Oosterbroek, um amigo fotógrafo que havia falecido há pouco), se eu tiver tamanha sorte.”


Foto: Reprodução

O leitor e assinante do blog não sabe exatamente onde ocorreu a barbárie .São imagens realmente muito fortes. Na verdade, são imagens chocantes!

Em um  instante, o homem está vivo. No instante seguinte, um tiro de fuzil… E já não há mais vida.

 

Tudo muito rápido.

 

A barbárie não ocorreu no Brasil, mas barbárie é barbárie, não importa onde ocorreu, não é verdade?

 

ATENÇÃO! IMAGENS FOPRTES!

 


 

Foto: Divulgação

Everaldo do Val foi morto quando fazia a última rota da noite

Quatro homens participaram do assalto que resultou na morte do motorista Everaldo do Val de Almeida, 54, por volta de 1h desta terça-feira, na Avenida Rio Negro, bairro de Santo Agostinho, Zona Centro-Oeste de Manaus, quando ele fazia a rota para uma empresa do Distrito Industrial e deixava o último funcionário morador daquela área.

Os homens anunciaram o assalto e um deles, que empunhava uma arma de fabricação caseira parecida com uma escopeta, atirou contra a cabeça do motorista quando ele acelerou o ônibus e tentou fugir.

Depois de ser baleado, o motorista colidiu o veículo com um muro e também bateu em um poste de iluminação pública. A colisão provocou apagão de energia elétrica e deixou os moradores no escuro até quase amanhecer, de acorco com informação de policiais militares.

 

Everaldo do Val foi morto durante o assalto

 

Muro onde Everaldo bateu com o ônibus depois de ser baleado 

O funcionário Jozimar Bento da Silva Junior, 31, que ainda estava dentro do ônibus quando aconteceu o assalto, teve seu telefone celular roubado e também sofreu ferimentos nas pernas e braços na colisão do ônibus e foi atendido no local por uma equipe do Samu.

Duas guarnições da 19ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) que faziam o patrulhamento do bairro abordaram e revistaram vários suspeitos, mas não conseguiram localizar e prender os envolvidos no latrocínio.

O corpo do motorista assassinado foi levado para o Instituto Médico Leral (IML). 

 

Fotos: Divulgação Portal do Zacarias