Para estimular a agricultura familiar e o plantio de produtos orgânicos e convencionais  na zona rural de São Bento, que ainda conserva um terço de seu território como área rural,  onde existem centenas de produtores que se dedicam principalmente ao cultivo de frutas, legumes, verduras e outras  especieis alimentares que são consumidos pela população local e regional.

Visto com bons olhos pela administração municipal (Gestão Luizinho Barros) , as ações que envolvem o projeto de fortalecimento da agricultura no municipio conta com  assistência técnica e equipamentos doados pela Secretaria Municipal de Agricultura e Governo do Estado , (Veja o vide-o da reportagem) para que os agricultores possam desenvolver a contento e gratuitamente o seu trabalho que com certeza vai fortalecer a agricultura local, impedir o avanço da especulação de produtos importados e o avanço da especulação imobiliária nas terras natas de plantio, dando-nos assim a oportunidade futura para que possamos ter mais alimentos saudáveis na mesa da população São-bentoense.


Sabemos que a melhoria da qualidade dos produtos agropecuários é um desafio permanente para agregar valor às mercadorias e promover o desenvolvimento das pequenas propriedades rurais. Para tanto  os agricultores do municipio de São Bento-Ma, vêm recebendo apoio do Programa  Rural da secretaria  Municipal  de Agricultura, para tornar mais sustentáveis seus sistemas produtivos, através da adoção de boas práticas.

Na semana que passou (sábado 21/04) o Secretário de Agricultura do Município JOÃO RIBEIRO, juntamente com o Técnico em Agropecuária Municipal DANIEL BARROS e o Técnico da AGERP, Georlan Souza; estiveram realizando “Roda de Conversas” com Agricultores dos Povoados São Felipe e Santo Antonio, ( Zona Rural de São Bento ) quais questionamentos e debates  se focaram nos pontos fortes e fracos da Agricultura familiar da região e as estrategias para a obtenção do menor custo produção das cultivares Milho, Mandioca, Feijão e Melancia, para maior produção ( custo x beneficio), e levantamento de dados, como área, declividade e tipo de solo pra implantação e kit irrigação, com objetivo de inverno e verão à produção contínua; fatores que resultam em boas safras na lavoura e estimulam o produtor a seguir em frente , melhorando a cada dia sua produção.

 

PREFEITURA DE SÃO BENTO | Trabalhando pra Você! 

ADMINISTRAÇÃO : LUIZINHO BARROS


No início de 2017 o prefeito Luciano em reunião com o superintendente do Incra, George Aragão e representantes das comunidades rurais, solicitou a reforma agrária para alguns agricultores da região do Gama.

Durante o encontro o prefeito apresentou toda a problemática da situação dos agricultores da região e a solução mais adequada que seria a reforma.

Após ouvir o prefeito, estudos e mapeamentos foram realizados pelo INCRA e nesta manhã (16) deu-se início ao processo de reforma.

O processo inclui a desapropriação da fazenda Santo Antônio onde 200 famílias serão beneficiadas e passarão a ter o direito aos benefícios fundiários.

No futuro esses agricultores terão acesso a uma série de programas de créditos para a manutenção de suas famílias no povoado, inclusive casas.

Para o agricultor Edney do povoado Urucuzal as mudanças são grandes: “agradecemos imensamente ao prefeito Luciano e ao Superintendente George para nós dar essa oportunidade, é uma realidade muito diferente das gestões passadas”

E ainda completou dizendo o que pretende fazer com os resultados da reforma: “agora vamos poder ter casas dignas, plantar e colher em nossa terra”.

Esse é mais um fruto do trabalho que o prefeito Luciano vem realizando na zona rural de Pinheiro; muitos investimentos estão sendo feitos na área da agricultura e o prefeito vem mantendo a mesmo postura de ouvir a comunidade e buscar atender suas necessidades.


 

Com o objetivo de fortalecer as atividades relativas à agricultura familiar na região do Alto Turi, o Governo do Maranhão, por meio do Sistema da Agricultura Familiar, inaugurou dois escritórios da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) nos municípios de Luís Domingues e Zé Doca, respectivamente.

Conhecida como a região produtora de juçara/açaí, a área do Alto Turi possui grande número de agricultores que tiram desse fruto o sustento, sendo exportado até para outros estados, como Pará e Piauí. Localizada próximo à divisa com o estado do Pará, a região tem características amazônicas, tanto no clima, vegetação e, também, na cultura, com presença forte do carimbó, ritmo marcante paraense.

Com grande potencial para a cadeia produtiva da juçara ou açaí, a região carecia de assistência técnica e extensão rural mais efetiva aos produtores. Pelo fato da região ser distante, em Governos anteriores as políticas públicas rurais não eram aplicadas, o que ocasionou atrasos no desenvolvimento das cidades e principalmente na geração de emprego e renda para a população rural.

Por determinação do governador Flávio Dino, para alcançar essas famílias de produtores que possuem potencial para a agricultura familiar, ainda mais as extrativistas, a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp), em parceria com a Prefeitura de Luís Domingues, inaugurou um Escritório Avançado da Agerp no município e que atenderá os agricultores de Amapá do Maranhão, Cândido Mendes, Carutapera e Godofredo Viana, além de Luís Domingues.
O prefeito de Luís Domingues, Gilberto Braga, enfatizou que a gestão do governador Flávio Dino está incentivando a produção da agricultura familiar na região, algo que estava esquecido há anos em gestões anteriores. “Vejo que nossa região foi lembrada pelo Governo do Estado. Tínhamos dificuldades por não ter apoio da gestão estadual e nossa realidade está mudando agora com o incentivo do governador Flávio Dino para a nossa agricultura. Teremos uma agroindústria de açaí e um Escritório da Agerp, essas ações farão a gente avançar”, afirmou o prefeito.

Além do Escritório Avançado da Agerp, o município de Luís Domingues está incluso na Cadeia Produtiva do Extrativismo com foco na Juçara/Açaí que irá beneficiar 70 extrativistas. Essa Cadeia Produtiva do Extrativismo inclui ainda as cidades de Amapá do Maranhão, Cândido Mendes, Carutapera e Godofredo Viana. O Governo está investindo mais de R$ 540 mil para reforma de agroindústrias, aquisição de equipamentos, veículos e outras ações para o beneficiamento da juçara.


No município de Zé Doca, a Agerp está de casa nova.  As novas instalações da Agerp no município foram inauguradas e conta com um espaço mais confortável para os técnicos e servidores trabalharem e para atender melhor os agricultores familiares da região. O antigo prédio da Agência estava sem condições para funcionar adequadamente. A reestruturação da entidade de assistência técnica pública faz parte do planejamento estratégico do órgão em reformar e reestruturar a parte física do órgão para dar condições de trabalho aos servidores e melhor atendimento aos agricultores familiares que procuram a Agência.

O presidente da Agerp, Júlio Cesar Mendonça, explica que a Agerp passa por um macroplanejamento de reorganização, com o intuito de eliminar os principais entraves que impediam a continuidade das ações em anos anteriores. “A região do Alto Turi devido ser uma região que fica na parte extrema do mapa, as ações não chegavam e inauguramos os Escritórios em Luís Domingues e Zé Doca para fazer com que a assistência técnica alcance os produtores e, também, fomentar o desenvolvimento da  cadeia do extrativismo e outras cadeias que vamos oferecer”, ressaltou o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça.

Conforme o secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, a reestruturação da entidade representa a missão do governador Flávio Dino em fortalecer a agricultura familiar. “Para isso, é necessário que o órgão esteja com condições de executar as atividades de campo,” ressaltou o secretário.

O gestor Regional da Agerp Zé Doca, José Raimundo Mendonça, ressaltou que a criação do Escritório Avançado em Luís Domingues será como uma extensão do Regional de Zé Doca. “O Escritório de Luís Domingues representa avanço e vamos estar mais perto do agricultor. Tínhamos dificuldades para chegar até o município por ser muito distante do Regional de Zé Doca, e com uma equipe fixa em Luís Domingues vamos diminuir as dificuldades e proporcionar um melhor desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Açaí. E além disso, estamos inaugurando o novo escritório de Zé Doca, que vai melhorar ainda mais nossas ações na região”, pontuou o gestor.

Fonte: Agerp
Texto: Samara Andrade
17/07/2017


Resultado de imagem para Fotos do Bumba Meu Boi de Donzinho
A Câmara Municipal de Pinheiro reprovou na sessão de terça-feira (16/05) , Moção de Aplausos ao “Bumba -meu boi – da familia de Donzinho*” moção de autoria do vereador Valter Soares , bisneto do *Donzinho, codinome que deu origem ao apelido da brincadeira cultural junina criada pela família a qual pertence o autor da moção.

VEJA O CASO:

No dia 17 de maio/2017, um blog remanescente do grupo filuca, foi usado para disfarçadamente tentar isentar de  culpa o Vereador Valter Soares por não ter conseguido aprovar a sua moção e com isso tentar denegrir a imagem dos seus pares alegando que negaram a agremiação folclórica boi do Donzinho voto  à cultura Pinheirense.

Resultado de imagem para Fotos do Bumba Meu Boi de Donzinho

O campeão do ranking, de propostas consideradas irrelevantes recebidas pela Mesa Diretora da Câmara Municipal de Pinheiro,  Valter Soares (PV)  na data de 09 de maio/2017  encaminhou à Mesa Diretora da Câmara mais um  requerimento de Moção de Aplausos Nº 017/2017 que validaria homenagem a todos os participantes da agremiação “BUMBA – MEU BOI- DA FAMÍLIA DE *DONZINHO” *codinome do seu bisavô que deu respaldo jurídico ao CNPJ da agremiação folclórica , essa por sinal até merecedora dos aplausos , salvo se o propositor   da Moção tivesse a hombridade moral de comparecer a votação. Após a  moção aplausos  ter sido inserida  na ordem do  dia 16/05 (terça feira) para votação. O vereador teve a referida moção  reprovada pela maioria dos vereadores por entender que justo no dia da votação a irresponsabilidade do mesmo falou mais alto. ) (não compareceu na sessão da câmara e nem alegou motivos da sua ausência)

Logo que a moção entrou na pauta do dia  para votação  e foi notada a AUSÊNCIA  DO PROPOSITOR,   Vereador (s) da base aliada tentaram retira-la da pauta,  no que muitos vereadores não aceitaram e o Plenário decidiu colocar para discussão e votação, ocorrência que levou  a rejeição da Moção por 09 votos contra 01, sendo que o único voto favorável pertenceu ao Vereador Oziel.

O autor da moção de aplausos ao bumba-  meu boi- da família de Donzinho, argumentava no pedido que a homenagem era pela brilhante apresentação de um evento realizado no Casino Pinheirense, da qual ele participou em 07/05 do mês que se segue. (Blog: Nada contra as agremiações folclóricas que oferecem integração e alegria e, valoriza a cultura pinheirense .  O bumba-meu-boi da família de Donzinho, poderia ter tido o seu momento de gloria e brilhantismo registrado nos anais da historia do folclore maranhense  pela Câmara Municipal de Pinheiro, salvo se o propositor da moção tivesse comparecido à sessão da Câmara no dia votação, como já foi descrito acima,

A nossa reportagem apurou que existe uma discrepância,  um questionamento, por parte da população Pinheirense em relação as ações do Vereador Valter Soares , sabendo-se que o mesmo passou uma gestão inteira(filuca Mendes) PMDB,  coberto de poderes e nunca procurou fazer uma moção sequer nem que fosse de placa para campo de pelada de futebol.

O que se viu durante  últimos quatro anos do governo como ações do  vereador  Valter Soares e seu pai Gilmar Soares , foi a capacidade para enganar o povo e mentir. Eles são  exímios atores  no fingimento de que defendem o povo . Esses dois seres sempre subestimaram as pessoas e acham que todos engolem o que eles falam, as mentiras que sempre apregoam para colherem resultados positivos e benesses em favor da sua família, achando-se donos da verdade; mesmo assim, não tiveram nem que demagogicamente a intenção  de ajudar o BUMBA-MEU- BOI DA FAMÍLIA DE DONZINHO, a qual eles pertencem.

Provado então que ; nos últimos quatro anos passados da gestão que comandavam, o descaso de pai e filho culminou   com a não apresentação em publico do bum-boi  por falta de ajuda do prefeito Filuca , em conveniência com o pai do próprio vereador , “Gilmar Soares”.

E mais: Enquanto trabalhamos para reconstruir uma cidade, um municipio por inteiro , vem uns daí … Espalhando discórdia, tirando a paz das pessoas  utilizando o seu ego  demagogo , mentindo e distorcendo os fatos para acobertar seus erros.

O municipio precisa de Vereadores  que se preocupe com ele de fato, que não use a politicagem nem o seu trabalho que deveria ser o seu meio  de vida digno dado pelo povo para fazer demagogia barata destorcer fatos. (Se alguém além de mim leu a matéria do disfarce , não engoliu também a mentira)

Nota do Blog: Entretanto esperamos que  os vereadores que recuaram na aprovação da moção de aplausos ao Bumba-meu-boi da família Donzinho, proposição do vereador Valter Soares,  revejam o fato e taticamente reapresente  a moção  aprovando a sua legitimidade .


 

BANANEIRA

 

Esses últimos dias estive na função de só focar nas entrelinhas do plantio de certa espécie de fruta em pleno coração da cidade marco das aberrações administrativas (Pinheiro- Ma)

Vejam só … Deixa eu contextuar isso direitinho…

De quem foi a ideia de aproveitar o espaço da buraqueira desta cidade, filha de um município abençoado da baixada maranhense, usando o termo agro técnico “No descaso ou não faz nada o melhor é plantar bananeiras?…)

20140610095106

A área a ser plantada deverá atingir toda a extensão por entre ruas, avenidas, beco e vielas da cidade a cada buraco onde o asfalto não cobre ou o barro não tapa, exceto parte aonde o lixeiro vem se perpetuando desde os primórdios anos da administração do prefeito atual Filuca Mendes (PMDB)

Categoricamente pela técnica agrícola os espaços menores da buraqueira poderão ser aproveitados como sementeiras de espécies arbóreas, frutíferas como sejam: Manga, bacuri, cajá, cupuaçu e ademais espécies.

images (7)

Eis a solução  para amenizar  a geração futura  que poderá a vir sofrer mediante crises econômicas , rssrsrsrs .

Pois assim a administração Filuca Mendes(PMDB) iniciou o fim da beleza da Princesa ao deixar que o caos substitua a atração do belo


 AGERPE

No primeiro ano de governo Flávio Dino, agricultores familiares assentados do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF) no Maranhão, foram beneficiados com a liberação de recursos para execução de Subprojetos de Investimentos Comunitários (SIC), que visa dar condições de infraestrutura básica e produtiva das associações de trabalhadores rurais.

São R$ 11.781.232,55 milhões de SIC que a Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), por meio da Unidade Técnica Estadual (UTE), que coordena o crédito fundiário no estado, operacionalizou para beneficiar os empreendimentos rurais de centenas de famílias assentadas do Programa no Maranhão.

Os recursos liberados do SIC estão beneficiando 127 associações de produtores rurais, atendendo cerca de 2.630 mil famílias de 41 municípios nas regiões de Alto Turi, Baixada Maranhense, Baixo Parnaíba, Centro Maranhense, Cerrado Maranhense, Cocais, Itapecuru, Leste Maranhense, Médio Mearim, Pedreiras, Pindaré, Presidente Dutra, Sertão Maranhense, Timon e região Tocantina.

AGERP II

O valor liberado para cada associação vai garantir às famílias investir em projetos, que ao todo, são 545 em andamento, como construção de imóveis e casas de farinha, mini usinas de arroz, cercar os lotes com arame farpado, além de comprar animais para projetos de piscicultura, avicultura, ovinocultura, suinocultura, bovinocultura, plantios produtivos, campos agrícolas, aquisição de tratores, além de outras benfeitorias para desenvolver a vida do homem do campo maranhense. Os recursos do SIC são não-reembolsáveis, ou seja, somente o financiamento para a compra da terra será pago.

De acordo com o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, o Governo do Estado tem dado suporte ao desenvolvimento territorial do estado no sentido de beneficiar famílias de agricultores e assentados para aquisição de terras e estruturar os imóveis rurais.

“Conseguimos, em 2015, a liberação de aproximadamente R$ 12,5 milhões de recursos do SIC, número histórico para o PNCF no Maranhão que trouxe de volta para estas famílias a esperança e dignidade. O Governo do Estado, por meio da SAF, ao longo do primeiro ano de gestão, uniu esforços para garantir aos agricultores familiares e assentados, que se encontram em situação de pobreza, acesso às políticas públicas e melhorias da qualidade de vida do homem do campo,” ressaltou o secretário.

AGERP III

Em Codó, na associação de produtores rurais do povoado Bela Vista, 17 famílias foram beneficiadas com a liberação do SIC e estão, finalmente, voltando a sonhar com a melhoria da produção da agricultura familiar do povoado.

Para o presidente da Associação de Bela Vista, Samuel Trindade, a comunidade está otimista em ver que os projetos estão sendo implantados após anos de espera. Bela Vista foi beneficiada com projetos de avicultura, bovinocultura, centro de manejo de bovino e campo agrícola. Já implantado, para o projeto de avicultura a associação recebeu 1.500 aves para criação e, com a renda da comercialização a comunidade comprou novos pintos, e hoje, são 2 mil aves prontas para a venda.

 “Nossa expectativa é de melhorar a produção e gerar uma renda para a nossa comunidade. O Programa paralisou e agora voltou 100% e estamos confiantes que o governador Flávio Dino ainda fará muito mais para que projetos como esse alcance o pequeno produtor”, disse seu Samuel.

No povoado Cigana, no município de Tuntum, numa área de 597 hectares, 39 famílias do assentamento contempladas com o SIC trabalham com o projeto de ovinocultura. Os assentados de Cigana já possuem outros projetos, como suíno e bovinocultura, adquiridos com recursos do Pronaf A. Há sete anos que Cigana não recebia projetos do crédito fundiário devido à paralisação do Programa na gestão passada.

Seu Adálio Gomes, presidente da associação de Cigana, ressaltou a satisfação de o governador Flávio Dino, por meio da SAF, ter honrado o compromisso de destravar o SIC no Maranhão e de trabalhar para desenvolver, fortalecer e valorizar os agricultores familiares.

“A gente esperou muito pra que viessem outros projetos para Cigana. São 150 ovinos divididos entre as 39 famílias, e nós já dobramos a criação de ovelhas e já estamos no 5° lote de ovinos e queremos que aumente mais para melhorar a vida dos moradores,” frisou.

Outro município beneficiado com SIC é Itapecuru-Mirim. No povoado Guanaré, 42 famílias de assentados foram beneficiadas com projetos de avicultura, açude para abastecimento, bovinocultura e caprinocultura.

Em apenas três meses desenvolvendo o projeto de avicultura, a associação comercializou o primeiro lote das galinhas caipiras. Foram 500 aves vendidas e a renda será utilizada para a compra de novos pintos.

“Antes dos projetos virem para nosso povoado, trabalhávamos apenas com roça, plantio de mandioca e horta. E agora estamos otimistas para melhorar nossa renda com a comercialização fruto dos projetos e acreditamos que esse é um Governo que trabalha para o bem do povo”, contou o representante da associação de Guanaré, Raimundo da Conceição.

Segundo o superintendente de Reordenamento Agrário da SAF, Valdinar Barros, entre 2013 e 2014, na gestão estadual passada, foram investidos apenas R$ 653 mil de recursos do SIC, número inferior ao que a atual gestão do Governo do Estado conseguiu, em apenas 2015, com a liberação de cerca de R$ 12 milhões para dar qualidade de vida, renda e desenvolvimento dessas famílias que tiram da terra o sustento.

“Uma das políticas que visam o desenvolvimento rural é o PNCF, do Governo Federal, que oferece aos trabalhadores rurais condições para financiar um imóvel rural e permite ainda, estruturar os imóveis com os recursos do SIC. E o Governo do Estado está trabalhando para que o PNCF alcance todos os assentados do Maranhão,” destacou o superintendente.

 


ANAJATUBAANAJTUBA II

No último sábado (25/7), o Fórum em Defesa da Baixada Maranhense esteve em Anajatuba para fazer uma visita técnica aos arranjos produtivos desenvolvidos no município por intermédio da atuação do Dr. Eduardo Castelo Branco, zootecnista e membro da entidade baixadeira.  São experiências de sucesso comprovado na emancipação econômica das comunidades beneficiadas, com forte impacto na superação da extrema pobreza rural.

A caravana de militantes do Fórum da Baixada conheceu os projetos do Igarapé   do Troitá, da produção de mel no povoado Teso Bom Prazer e da piscicultura nativa consorciada com fruticultura no povoado Pacas. Esses projetos foram implementados durante os governos de Zé Reinaldo e Jackson Lago, com o incentivo e apoio decisivo do falecido deputado estadual João Evangelista, baixadeiro natural de São João Batista.

O Igarapé de Troitá vai da sede do município de Anajatuba até o estuário do rio Mearim. Mede 8km de comprimento, 10m de largura e 2m de profundidade, e foi dragado para garantir a retenção da água doce durante todo o ano, proporcionado a  permanência e reprodução dos peixes nativos durante o verão e outras pequenas criações (bois, porcos, patos etc). A obra teve um custo de 400 mil reais, valor considerado irrisório diante do grande alcance social do projeto. É uma prova de que com vontade política e poucos recursos se pode melhorar bastante a vida da população da Baixada.

O senhor José Antonio de Jesus, conhecido como Curica, proferiu uma  verdadeira aula sobre produção de mel de abelha no povoado Teso Bom Prazer, que garante o sustento das famílias da localidade, mediante a exportação dos vários produtos apícolas (mel, própolis, cera etc) para fora do Maranhão. Essa experiência demonstra o imenso potencial da Baixada para a exploração da apicultura como atividade econômica.

No povoado Pacas, os membros do Fórum foram conhecer um projeto consorciado de piscicultura nativa e fruticultura (banana, açaí e maracujá). Esse arranjo foi desenvolvido durante o governo de Jacson Lago a um custo de 200 mil reais e garante o sustento e renda de uma comunidade formada por 42 famílias. Em uma área de apenas 3 hectares, foram escavados 5 canais de 400m de comprimento, 12m de largura e 2m de profundidade, onde os peixes nativos se reproduzem e permanecem por conta da profundidade maior que a dos campos naturais. Nesse arranjo produtivo são produzidas 4500 bananas por mês e 15 toneladas de peixes por ano, sem qualquer ônus para os beneficiários do projeto.

Ao final da visita técnica, o presidente do Fórum da Baixada, advogado Flavio Braga, agradeceu a acolhida do Dr. Eduardo Castelo Branco e das comunidades, destacando que a principal necessidade da Baixada é a retenção de água doce nos campos, a fim de que projetos como os de Anajatuba possam ser replicados, com impacto imediato na qualidade de vida da população baixadeira.

“O Fórum em Defesa da Baixada se encheu de esperança com os projetos que conheceu e pudemos perceber que as soluções para a pobreza do povo da Baixada são simples, baratas e de fácil resolução, basta vontade política dos nossos gestores públicos”, ressaltou Flávio Braga.

 

 


Governador Flávio Dino lança Programa de Compras para produtos da Agricultura e anuncia seletivo para técnicos
Na abertura do Seminário de Inspeção Sanitária e Políticas de Comercialização na Agricultura Familiar, o governador anunciou o processo seletivo de 160 novos cargos técnicos para o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) e Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp), preparando para o concurso público. Ao valorizar os recursos humanos das instituições ligadas à Agricultura, o Governo dá os primeiros passos para a assistência técnica com o objetivo de potencializar a produção local.
O conhecimento e a comercialização são os eixos que têm norteado as políticas da Agricultura Familiar no Maranhão. Na abertura do Seminário, o secretário de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, destacou a importância do fortalecimento de ações do governo federal interligadas às ações do governo estadual. Ao criar o Programa Estadual de Compras, o Executivo Estadual fortalece os programas federais já existentes como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).
A reconstrução do sistema de apoio à produção no Maranhão passa pela valorização da produção dos agricultores locais com o incentivo às certificações sanitárias e organização dos produtores em cooperativas. Ao disponibilizar conhecimento e recursos financeiros aos pequenos agricultores, o Governo do Estado fortalece a política de valorização do abastecimento local para as escolas, cozinhas comunitárias e restaurantes populares vinculados ao Estado.
Programa de Compra da Agricultura Familiar
Com o objetivo de valorizar a produção local e dar melhores condições aos pequenos agricultores do Maranhão, o governo do Estado oficalizou o Programa de Compra da Agricultura Familiar (Procaf), que será encaminhado à Assembleia Legislativa para aprovação dos parlamentares.
A maranhense Jéssica Matos, 30 anos, o esposo e seus cinco filhos que vivem da Agricultura Familiar no bairro Talita, no município da Raposa, será uma das beneficiadas. “Esse programa é um incentivo pra fortalecer ainda mais a nossa atividade, estamos felizes porque agora não vamos mais precisar lutar para vender nossos produtos na feira, já teremos venda garantida”, disse ela.
O programa estadual prevê que sejam feitas compras governamentais direto com os agricultores, em vez de comprar todos os produtos de outros estados. Depois de aprovado pela Assembleia, o Governo do Estado comprará 30% dos produtos da Agricultura Familiar para o abastecimento de presídios, hospitais, escolas e outras instituições ligadas ao Executivo Estadual.
Ao colocar a produção no centro das políticas de desenvolvimento econômico do Estado, o governador Flávio Dino fortalece ações que visam uma melhor distribuição das riquezas e uma maior igualdade no Maranhão. “Investir em Agricultura Familiar é o caminho sustentável, duradouro, estratégico para assegurar qualidade de vida aos maranhenses. A produção é o caminho pelo qual nós podemos compensar a dificuldade econômica transitória do nosso país”, disse o governador.
Estiveram presentes os secretários estaduais Adelmo Soares (Agricultura), Marcelo Tavares (Casa Civil), o deputado estadual Paulo Neto, os secretários municipais Fátima Ribeiro (Segurança Alimentar), Geraldo Castro (Educação), o delegado do Ministério Agrário, Vicente Mesquita, a superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento, Dulcileide de Jesus, o presidente da Agerp, Fortunato Macedo, o presidente da Aged, Sebastião Anchieta, a representante do Banco do Nordeste, Maria Raquel Pinheiro e produtores, representantes sindicais e dos movimentos dos agricultores do Maranhão.