A Associação Social, Cultural, Artística,Folclórica e Ambiental Dona Moça 

A Associação Social, Cultural, Artística, Folclórica e Ambiental Dona Moça, fundada em 29 de novembro de 2016, tendo seu registro ocorrido em 07 de abril de 2017, tem em sua natureza a finalidade educacional e de difusão cultural, voltada ao desenvolvimento de trabalho social, cultural, folclórico e ambiental.

Tem em seus objetivos promover a sustentabilidade às comunidades envolvidas no projeto, através da oferta de oficinas para capacitação de 10(dez) idosos e deficientes por município, visando incentivar o empreendedorismo e promover a integração social dos participantes; promover a valorização da cultura resgatando os conhecimentos adquiridos dos habitantes ao longo de suas vidas; desenvolver estudos, seminários, palestras, encontros e atividades culturais e pedagógicas e outras atividades sociais com métodos no campo de conhecimento da gerontologia sociais no sentido de estimular os jovens os deficientes e idosos, usando
criatividade para desenvolver a memória e a conscientização humana saudável e social; promover uma prática educativa como elemento emancipador da população buscando dignidade e cidadania para todos.


Ações

 

Ao longo desses dois anos de atuação da Associação Dona Moça, foram realizadas atividades tais quais:

OFICINAS:

Fibra de Artesanato e fibra de bananeira (confecção de acessórios a partir da fibra de bananeira);

Oficina de Artes Manuais;

Pintura em Tecido;

Oficina de Bijouteria;

Oficina de Tambor de Crioula;

Oficina de Caixeira do Divino;

Criação e manutenção do Grupo Bumba-meu-Boi Brilho do Engenho Sotaque Zabumba com 120 integrantes (brincantes);

Criação e manutenção do Grupo Tambor de Crioula Rosas de São Benedito;

Criação e manutenção do Grupo Caixeira de Santa C’roa.

Fabricação de caixas de MDF e papelão;

Confecção de guirlandas e enfeites natalinos.

Segue alguns registros das oficinas ministradas:

APRESENTAÇÕES:

Apresentação do Grupo Bumba-meu-Boi Brilho do Engenho na sede própria e municípios circunvizinhos à sede.

Apresentação do Grupo Bumba-meu-Boi Brilho do Engenho no 24° Festival de Bumba-meu-Boi de Zabumba em São Luís.

     Apresentação do Tambor de Crioula Rosas de São Benedito na sede própria.

Apresentação do Grupo de Caixeiras do Divino Espírito Santo na sede da Fundação “Dona Moça”.

Calendário

Período Ação / Descrição
Janeiro 1º Encontro do grupo Caixeiras de Santa C’roa.
Fevereiro “Morte” do Boi Brilho do Engenho, rf. ao ano 2018.
Março Início de oficina de alfabetização. Curso FIC em parceria com o IFMA. Carga horária 160h.
Abril Continuação dos cursos de alfabetização e FIC.
Maio Salva de caixa (caixeiras do Divino), batizado do Boi Brilho do Engenho.
Junho Apresentações do grupo de Bumba-meu-Boi Brilho do Engenho.
Julho Apresentações do grupo de Bumba-meu-Boi Brilho do Engenho no Festival de Bumba-meu-Boi Sotaque de Zabumba em São Luís.
Agosto Início de oficinas de cerâmica, toque de caixas do Divino, fabricação de redes de tear, artesanato em fibra de bananeira, e artes manuais. Preparação para o Festejo do Divino.
Setembro Continuação das oficinas.
Outubro Continuação de oficinas e “morte” do Boi Brilho do Engenho.
Novembro Continuação das oficinas e culminância do 1º Festejo do Divino
Dezembro Confraternização natalina e entrega de certificados.

Parceiros

Inicialmente contamos com o apoio da Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt (SACBB) entidade que viabilizou os recursos para a construção da edificação que sedia a entidade Fundação Dona Moça, cujo patrimônio fora doado pela sua presidente Joana Bittencourt; A P.R. Tavares – ProAudio.

A Fundação Dona Moça é constituída por gente que faz. Parabéns!

Por Eduardo Segundo.

 


Coletivos Culturais do Maranhão….

A Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt – SACBB

A Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt – SACBB é uma associação civil de direito privado sem fins lucrativos, fundada em 05/09/1999, com sede na Rua 07, Quadra H, nº 01, Jardim Bela Vista, bairro Cohama, em São Luís/Maranhão.

Tem como finalidade estimular e desenvolver o pleno exercício da cidadania por meio da educação e da cultura; promover atividades culturais e científicas, tais como: seminários, mesas redondas, debates, ciclo de palestras, cursos, capacitações, encontros, conferências, fóruns, exposições, simpósios, espetáculos artísticos, projeções cinematográficas, lançamentos e publicações de livros.

Tem ainda como finalidade promover a assistência nas áreas de educação, cultura, saúde, lazer, esporte, direitos humanos, meio ambiente, maternidade, infância, juventude, terceira idade e a quaisquer pessoas portadoras de necessidades especiais. Ministra oficinas e cursos de Artes, produz peças teatrais, shows, teatro de animação, teatro empresa e voluntariado.

Ações:

PEÇAS TEATRAIS:

HISTÓRIAS DE ANA JANSEN NA VISÃO DO MAMULENGO – 2002, selecionada pela FUNARTE/MINC.

 BOIZINHO DE BRINQUEDO – Espetáculo premiado pelo Microprojetos da Amazônia Legal, do Ministério da Cultura, adaptação do livro homônimo, premiado no XXIX Concurso Literário Cidade de São Luís. Trilha musical premiada no Concurso Fonográfico João do Vale – 2008.
OH! MINHA CIDADE – 2006 – Prêmio Myriam Muniz de Teatro FUNARTE/PETROBRÁS.

Dentre as mais diversas apresentações no meio artístico maranhense.


 AMBIENTAL – Brasil, verde Brasil; Uma Lagoa quase azul; E o rio de Juquinha poluiu; Minha Terra tem; Natureza, que beleza!; Dona Baratinha e outros bichos do lixo; Festa na Floresta; Uma história sustentável.

FOLCLORE – Três histórias encantadas – 2006 – infantil, com bonecos.   HISTÓRIA – França Equinocial – 2011; A História de Upaon-Açu – 2013.JUNINAS – Boizinho de Brinquedo (2005); Cadê Catita (2003); O Desejo de Catirina (2004); Novo Desejo de Catirina (2005).

    – PÁSCOA – O Ovo Mágico – 2005.

 AMBIENTAL – Brasil, verde Brasil; Uma Lagoa quase azul; E o rio de Juquinha poluiu; Minha Terra tem; Natureza, que beleza!; Dona Baratinha e outros bichos do lixo; Festa na Floresta; Uma história sustentável.

    –  FOLCLORE – Três histórias encantadas – 2006 – infantil, com bonecos.

    – HISTÓRIA – França Equinocial – 2011; A História de Upaon-Açu – 2013.

    –  JUNINAS – Boizinho de Brinquedo (2005); Cadê Catita (2003); O Desejo de Catirina (2004); Novo Desejo de Catirina (2005).

    – PÁSCOA – O Ovo Mágico – 2005.

    OUTRAS ATIVIDADES:

    –  INTERCÂMBIO CULTURAL

    –  EXPOSIÇÃO DE BONECOS E OUTROS

      ELENCO DE BONECOS – aproximadamente 200 Bonecos

      AÇÃO SOCIAL

     TEATRO EMPRESA

     PRODUÇÃO DE SHOWS, LANÇAMENTO DE LIVROS, EVENTOS, etc.

Por: Eduardo Segundo.

    OUTRAS ATIVIDADES:

–  INTERCÂMBIO CULTURAL

–  EXPOSIÇÃO DE BONECOS E OUTROS

  ELENCO DE BONECOS – aproximadamente 200 Bonecos

  AÇÃO SOCIAL

 TEATRO EMPRESA

 PRODUÇÃO DE SHOWS, LANÇAMENTO DE LIVROS, EVENTOS, etc.

Por: Eduardo Segundo.


DOIS PESOS E UMA MEDIDA

Dias e noites me peguei pensando em ti,
Longos foram os dias que minh’alma…
Fria, sem luz e sem tenda 

Ver mais

A imagem pode conter: texto
CurtirMostrar mais reações

Comentar

TRESLOUCADA PAIXÃO
Em mim uma sombra
Em teus olhos a luz
Refletida na tua flama
O sol que me leva a ti

Ver mais

Nenhum texto alternativo automático disponível.
·

E N F E I T I Ç A D O (Conversa rápida )

POR QUE ENTÃO CHORAR?… Se dentro de mim
Eu conjugo o verbo vencer
E ao invés de chorar, posso sorrir

Ver mais

A imagem pode conter: noite

MINHA MUSA PROIBIDA

Se um dia me quiseres…
Esqueça a multiplicidade, não se aflija
Esqueça a culpa. O amor perdoa.

Ver mais

Nenhum texto alternativo automático disponível.

MUSA TRESLOUCADA

Eloquente rumor de vozes
Aos tímpanos… Os sons que me enlouquecem
E que fecunda o germe desejo prós

Ver mais

Nenhum texto alternativo automático disponível.

ESTRELA DA MINHA VIDA

Eu não sei por que
Não consigo encontrar explicação
Tudo entre nós aconteceu tão rápido

Ver mais

A imagem pode conter: noite

TIC E TAC

Não exponho meus sentimentos… / Por vontade própria.
Eles fluem à maneira que: / O coração os conduz
Não os interfira… Deixe que eles abordem…

Ver mais

Nenhum texto alternativo automático disponível.

(Poesia do livro Divagantes… No prelo)

UM ÚNICO PEDIDO *

Eu não quero mais falar de você…

Ver mais

A imagem pode conter: nuvem, oceano, céu, atividades ao ar livre, água e natureza

POR MAIS UM SONHO…

Descobrir por entre a janela do amor
Os segredos da tua sensualidade
Rascunhei no sexo o prazer 

Ver mais

A imagem pode conter: pássaro e natureza

Hoje voltei a lembrar de você!

RARA FLOR

Eu escrevi tudo nas paginas da minha vida!…
Decifrei os enigmas do amor…
Busquei por entre jardins e corações…
A flor maior do amor que: Despetalavam-se a cada cheiro, cada beijo que lhe dava.
Com tudo, por tudo… Tudo era gratificante ao me sentir além do Freud.
Decifrei… Desenrolei fios da delicadeza, toques de meiguice!…
Até chegar a rara flor!… E essa sim. Linda e maravilhosa!

Foi tudo como num sonho até a acordar para vida.
Acordado, pensando, imaginando, buscando em algum lugar…
O que nunca conseguir decifrar… SAUDADE.
E quando penso te esquecer… Dá vontade de gritar para o mundo ouvir… EU TE AMO

A imagem pode conter: flor, planta, natureza e atividades ao ar livre
jgmoreira/ Academia Pinheirense de Letras, Artes e CiêncIas-APLAC

O Festival das Quadrilhas escolares marcou a segunda noite do São João da tradição em São Bento.
Confira o resumo da noite de sábado e um trecho de cada apresentação. O resultado do concurso será divulgado no dia 30 de junho.

FESTIVAL DE QUADRILHAS ESCOLARES … FAÇA A SUA TORCIDA E VENHA CONFERIR A GRANDE FINAL DIA 30 NO ARRAIAL DO SÃO JOÃO DA TRADIÇÃO.

SÁBADO DE SÃO JOÃO 2018 EM SÃO BENTO

O Festival das Quadrilhas escolares marcou a segunda noite do São João da tradição em São Bento. Confira o resumo da noite de sábado e um trecho de cada apresentação. O resultado do concurso será divulgado no dia 30 de junho.

Posted by Prefeitura Municipal de São Bento on Sunday, June 24, 2018


JGMOREIRA MOREIRA·TERÇA, 8 DE MARÇO DE 2016
1685 leituras

MAIS UM DIA SE VAI a noite caiu e eu em profundo silencio, observo o espaço vazio. Viajo pelo imponente espaço escuro da tristeza, busco no infinito ao menos uma estrela, um respingo sequer de uma única luz que me faça encontrar você. ESSA ESCURIDÃO DE TRISTEZA, sem luz de luar é puramente o foco da melancolia que me faz viajar pelos caminhos do mundo esquecido que traçastes para a minha vida .
SÃO DIAS CONTADO… O ontem, hoje e o amanhã serão iguais contados na casa onde a felicidade nunca existiu.
Os ventos começam a soprar frios. Desgrudo-me da janela visionária do nada, adentro a casa, busco o meu quarto e vejo tua imagem no criado mudo que te agrega, volto a falar com tua imagem que me escuta, mas… Não divide as palavras comigo.
A MINHA SOLIDÃO é o único elo existente entre nós. Ela marca a minha vida talvez pela sua falta de coragem em não assumir o nosso amor.
Lá fora um temporal, uma chuva começa a cair, busco a cama que com o tempo perdeu também esfriou… Perdeu o seu calor…
O CALOR do teu corpo era o meu aconchego nas noites frias de inverno, teu peito o meu travesseiro onde recostava a minha face para poder sonhar acordado, meus olhos semi-abertos… Salientes a espiar teus seios em que a minha boca em ímpetos desejos filava sem intenção de devolver.
SONHAR ACORDADO… Meus olhos pesaram, o sono chega. O temporal lá fora cai, torrencial chuva, ventos fortes, frios dobram o meu corpo Inerte, pensamentos soltos, ociosos , olhos de áqüeos chorados, nas e noites pelas tormentas …
TORMENTAS, TORRENTES DA PAIXÃO que, embeveciam a minh’alma coração e corpo… Pelo simples prazer de fazer-me sofrer.
SOFRER PELA IRREAL atitude do teu coração, pelo fim do que o tempo prescreveu entre nós e cair no próprio desuso da verdade vendo morrer a esperança que a cruel desilusão criou dentro de mim e deixou como lembrança a melopeia solitária na cama do nosso quarto.
NA CAMA DO NOSSO QUARTO, sobraram os lençóis ainda com teu cheiro e o perfume do travesseiro que inebriava os meus sentidos na mais profunda mentira que um coração pode aceitar !

1.685 pessoas alcançadas


(Crédito foto: Reprodução)

SOM MARANHENSE! ‘A NOITE’ É O NOVO SUCESSO DE FERNANDO ATALLAIA

O cantor, compositor, músico, poeta, jornalista, produtor crítico cultural Fernando Atallaia lançou no estado seu mais novo sucesso A Noite. Balada que já vem fazendo a cabeça dos apreciadores da boa música do Maranhão. Fernando é autor de mais de 400 canções nos mais variados ritmos e estilos.
A Noite já pode ser ouvida e vista no canal da B Music do Brasil no Youtube. O disco do artista sai nas lojas especializadas de todo o País em dezembro.
Atallaia é o Editor –Chefe do conceituado blog de notícias Agência de Notícias Baluarte,
Abaixo você fica com A Noite de Fernando Atallaia:

 

Aproxima-se o final de cada ano, uma subdivisão do infinito tempo em que as pessoas se espremem numa competição de sobrevivência. Às vezes, esquecem do espaço percorrido com tantas realizações positivas e exigie-se sempre mais benevolência do novo pedaço de tempo colocado à disposição de quem vive ou viverá. Do “novo tempo”, espera-se que seja melhor e mais promissor – nunca se está satisfeito. Dessa engenhoca, é criado uma redoma ou uma bolha onde as pessoas esmiúçam problemas insignificantes diante do que é mais sublime – a vida.

Desejos e sonhos carregam a mesa do jogo numa aposta com resultados imprevisíveis. Os vencedores vingam-se dos seus erros do passado – “ah!, consegui”; aos perdedores, só lhes restam ignorar suas perdas. É que o ser humano, dotado de capacidade cognitiva, sabe articular novos sonhos, novos desejos. Por isso, não deseja sair dessa grande bolha da vida, mesmo marcado por angústias e decepções, pois a melhor aposta ainda é o desafio de se viver melhor.

Outra coisa interessante a se refletir: é saber se existe alguém capaz de desistir de cada novo pedaço de tempo? Claro que a resposta é não desistir do tempo; é não desistir de sonhar e ter desejos. Portanto, sonhe todos os seus desejos. A vida é um grande desejo! A vida é o maior sonho que se pode almejar. Quanto ao tempo, deixe-o passar. Viva a vida sem feri-la, utilizando-se de cada minúsculo pedacinho do tempo à sua disposição. A vida passará com o tempo. O tempo, este, seguirá infinitamente.

Autor: José Raimundo Moreira

Ao povo de São Bento, minha terra amada, sugiro essa reflexão.


SEXO SEM LIMITES…

Pela tua fúria…Pelo teu carinho,
eu me deixo envolver.
Se em ti , mais e mais me aninho,
O  difícil é me conter !

O teu olhar… A tua boca e a tua sensibilidade,
rega o meu prazer e refresca o meu espirito /corpo.

E… Se dominas o meu furor, a ti…
Me entrego como o Eros/vencido
Eu sei não haver limites, nesse desejo incontido…

Tudo em nós se mistura: Sexo X corpos, a mais…
Tudo em nós cheira pecado, e… O sexo em sua soberania se expande ilimitado.

JGMOREIRA

Do livro: Divagantes…


 SAUDADES !
MARIA DA PAZ PADILHA – A GUARDIÃ DA EDUCAÇÃO DE SÃO BENTO
Saudade da minha infância iluminada com a tua luz suave, amada
Saudade do teu “quadro negro” cingido com o teu giz branco espetacular
Saudade das tuas letras desenhadas… Bem escritas, bem  ortoépica
Saudade das tuas telas da bondade, da tua educação e do teu banco escolar.
Que o tempo  consagre…Essa saudade reside e residirá nos corações de quem te conheceu caminhando entre as “carteiras”; uma saudade que não se apagará das paredes dos corredores das casas do saber de São Bento.Testemunhado por todos aqueles que se sentem ou se sentiram privilegiados em aprender a aprender com a eterna professora Maria da Paz Padilha, Maria de Deus, a nossa Maria, a Ilustríssima Maria. As tuas salas de aulas permanecerão intocáveis, irretocáveis, pelo menos no tocante à dedicação, ao amor, à arte de ensinar, da competência, da capacidade, e da sua liderança. Mas quem melhor define a nossa Maria da Paz Padilha, está escrito abaixo – uma adaptação do poema Carlos Drummond de Andrade.
Autor: José Raimundo Moreira
 ———————————————————————————————————————————————————————————–

MARIA DA PAZ PADILHA TINHA CHEIRO DE PASSARINHO QUANDO CANTAVA.

DE SOL QUANDO ACORDAVA.

DE FLOR QUANDO RIA

AO LADO DELA, A GEENTE SE SENTIA NO BALANÇO DE UMA REDE QUE DANÇAVA GOSTOSO NUMA TARDE GRANDE, SEM RELÓGIO E SEM AGENDA.

AO LADO DELA, A GENTE SE SENTIA COMENDO PIPOCA NA PRAÇA.

LAMBUZANDO O QUEIXO DE SORVETE.

MELANDO OS DEDOS COM ALGODÃO DOCE DA COR MAIS DOCE QUE SE TINHA PRA ESCOLHER.

MAS O TEMPO É OUTRO.

E A VIDA FICA COM A CARA QUE ELA TEM DE VERDADE , MAS QUE A GENTE DESAPRENDE DE VER.

MARIA DA PAZ PADILHA TINHA CHEIRO DE COLO DE DEUS.

DE BANHO DE MAR QUANDO A ÁGUA ERA QUENTE E O CÉU AZUL

AO LADO DELA, A GENTE SABIA DA EXISTÊNCIA DOS ANJOS E QUE ALGUNS SÃO INVISÍVEIS

AO LADO DELA, A GENTE SE SENTIA CHEGANDO EM CASA E TROCANDO O SALTO POR UM CHINELO, OU SEJA, CONFORTÁVEL.

SONHÁVAMOS A MAIOR TOLICE DO MUNDO COM GOZO DE QUEM NÃO LIGAVA PRA ISSO.

AO LADO DELA, PODERIA SER MÊS DE ABRIL, MAS PARECIA MANHÃ DE NATAL DO TEMPO EM QUE A GENTE ACORDAVA E ENCONTRAVA O PRESENTE DE PAPAI NOEL.

MARIA DA PAZ PADILHA TINHA CHEIRO DAS ESTRELAS QUE DEUS ACENDEU NO CÉU E DAQUELAS QUE CONSEGUIMOS ACENDER NA TERRA.

AO LADO DE MARIA DA PAZ PADILHA, A GENTE JAMAIS IMAGINOU QUE O AMOR NÃO ERA POSSÍVEL, A GENTE SEMPRE TEVE CERTEZA

AO LADO DE MARIA DA PAZ PADILHA, A GENTE SE SENTIA  VISITANDO UM LUGAR FEITO DE ALEGRIA

RECEBENDO UM BUQUÊ DE CARINHOS.

ABRAÇANDO UM FILHOTE DE URSO PANDA…QUE BELA CRIATURA!

TOCANDO COM OS OLHOS OS OLHOS DA PAZ, OS OLHOS DE MARIA DA PAZ

AO LADO DE MARIA DA PAZ, SABOREÁVAMOS A DELÍCIA DO TOQUE SUAVE QUE SUA PRESENÇA SOPRAVA NO NOSSO CORAÇÃO

MARIA DA PAZ PADILHA TINHA CHEIRO DE CAFUNÉ SEM NENHUMA PRESSA…

BRINQUEDO QUE A GENTE NÃO LARGAVA…

DO ACALANTO QUE O SILÊNCIO CANTA…

DE PASSEIO NO JARDIM…

AO LADO  DELA, A GENTE PERCEBIA QUE A SENSUALIDADE ERA UM PERFUME QUE VINHA DE DENTRO E QUE A ATRAÇÃO QUE REALMENTE NOS MOVIA NÃO PASSAVA SÓ PELO CORPO…

CORRE EM OUTRAS VEIAS…

PULSAVA EM OUTRO LUGAR…

AO LADO DE MARIA DA PAZ PADILHA, A GENTE SEMPRE LEMBRAVA QUE NO INSTANTE EM QUE RÍAMOS DEUS ESTAVA CONOSCO, JUNTINHO AO NOSSO LADO, POIS A GENTE RIA GRANDE QUE NEM MENINO ARTEIRO…

MARIA DA PAZ PADILHA NÃO PERCEBIA QUE TINHA A ALMA PERFUMADA, MAS TINHA. E TERÁ ETERNAMENTE! E QUE ESSE PERFUME É UM DOM DE DEUS.

(Drummond)


A MORTE SILENCIA DORES

O meu mundo é feito de sonhos
Sonhos que entram e saem despercebidos
Que abrigam na alma somente as dores
Dos amores mal resolvidos

A cada sonho um choro e uma razão…
No dilúculo do meu dia a dia
O drama sacro do meu coração
No oratório do arrependimento
Por não tê-las amado como devia

Nas minhas noites mal dormidas
Sonhos pertinentes atribulados e constantes
Saudades das paixões vividas
Pelas mulheres que fui conhecendo…
As que eu conheci…
As prometidas…
E as que eu nunca esqueci.

Ah! …Mulheres que me consumiram
E que hoje os meus sonhos inda consomem
Desculpem… Eu preciso dormir o sono eterno
Perdoem-me, se ao invés de fazê-las sorriem
E as fiz chorar…
Por isso eu preciso da morte como silencio
Dormindo então: Calar-me-ei para sempre
Porque o meu silencio…
Ajudará a vencer as dores que lhes causei

        Jgmoreira (APLAC) Academia Pinheirense de Letras, Artes e Ciências.