Estado

 

Lembro como se fosse hoje o dia em que o conheci,muito agradável,educado. Logo percebi que nossa convivência seria tranquila.Entrei pra sua família com o seu aval e sua benção. Ao longo dos anos fui descobrindo as suas inúmeras qualidades,uma pessoa doce até alguém ferir um dos dele,amável,inteligente,ético,excelente marido,pai,sogro e avô…Tenho muita honra em ter convivido com ele.Agora estou com uma saudade imensa e de coração dilacerado com sua partida,meu sogro amado
Por: Ana Paula Lobato Nova Alves

Faleceu na tarde desta quinta-feira (14), no Hospital Albert Einstein, em São Paulo (SP), o  jornalista Othelino Alves Filho, pai do deputado Othelino Neto (PC do B), presidente em exercício da Assembleia Legislativa do Estado do Maranhão.

Raimundo Nonato Othelino Filho Parente Alves, conhecido como Othelino Filho, nasceu em 22 de dezembro de 1949 na cidade de Sobral, no Ceará. Filho do jornalista maranhense Othelino Nova Alves e da cearense Zeneida Parente Alves, Othelino Filho, desde pequeno, seguia os passos de luta ensaiados por seu pai. Quando adolescente, iniciou sua experiência com o papel, a caneta e o ideal.

Escreveu seu primeiro artigo, intitulado “Sala de aula”, para um jornal estudantil de sua cidade. O artigo era uma denúncia contra o analfabetismo e a manipulação da informação dentro das escolas e, sobretudo, na sociedade. Para ele, a “sala de aula” mencionada no texto era ainda a fronteira entre a liberdade e a civilização.

O pequeno escritor tornou-se grande. Em 1964, durante o período da ditadura militar, foi estudar em Fortaleza. Nessa época, participou do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e recebeu a incumbência de editar o Jornal do Liceu do Ceará, que em muitos momentos era feito às escondidas. Aos 16 anos, fugiu de sua casa e veio em busca de sonhos no Maranhão.

Mais tarde, no ano de 1968, permaneceu definitivamente na Ilha de São Luís, que o abraçara desde o primeiro contato com a cidade. De maneira simultânea a essas mudanças de vida, Othelino Filho já ensaiava a profissão que iria seguir. Tornou-se correspondente, ainda adolescente, do Jornal Pequeno e da Rádio Timbira.

Já em São Luís, o cearense com coração ludovicense formou-se em Direito, em 1974, iniciou o curso de Filosofia e alavancou o seu trabalho como jornalista. Além da motivação paterna, Othelino Filho – segundo de três gerações de profissionais que fazem história na comunicação maranhense – tinha o jornalismo como determinação de vida. Era ainda uma forma de dar continuidade ao trabalho de seu pai, interrompido em 30 de setembro de 1967, quando foi assassinado em praça pública.

Um ano após a morte de seu pai, em 1968, conquistou seu registro como jornalista. Trabalhou na Rádio Educadora, Rádio Ribamar, TV e Rádio Difusora. Foi chefe da Assessoria de Imprensa na primeira administração do prefeito Jackson Lago e secretário de Comunicação Social da Assembleia Legislativa do Estado. Exerceu temporariamente o cargo de secretário do Meio Ambiente e Recursos Naturais do governo José Reinaldo.

Chegou ainda a ser repórter do Jornal Pequeno, diretor de jornalismo da Rádio Timbira e presidente, por três vezes, do Sindicato dos Trabalhadores de Empresas de Radiodifusão e Televisão, de cuja fundação participou.

Othelino exercia a profissão que preenchia seus anseios e que o fazia se dedicar de corpo e alma: o jornalismo. Ele destaca que o desafio que mais marcou sua carreira foi a participação como porta-voz da Frente de Libertação do Maranhão, nas eleições para o Governo do Estado, no ano de 2006. Desde 1995, ele já se dedicava à redação de artigos semanais no Jornal Pequeno. A compilação desses artigos resultou na publicação de quatro livros: A Oligarquia da Serpente (2006), A Rapina do Abutre, A Águia Libertária e O Polvo.

Com décadas de militância na profissão, que incluem suas experiências como jornalista amador, Othelino Filho não abre mão de manifestar seu pensamento, de assinar suas matérias e não crê na imparcialidade jornalística, no sentido de existir uma unidade na apresentação dos fatos.

Casado com a pedagoga Yolete Maria Alves e pai de Cláudia, Othelino Neto e Flávia, o então garoto nascido em Sobral alçou vôos distantes. É cidadão maranhense, durante diversos anos manteve uma coluna no Jornal Pequeno, fez o lançamento de seus quatro livros e considera-se um homem realizado.

Fonte/ Silvia Tereza


 

                           Wilson Ferreira vai responder por crimes de estupro e homicídio

Preso no município de Codajás, no último final de semana, o acusado de estupro e assassinato, Wilson Ferreira Abreu, 37, vulgo”Bodão”, foi apresentado nesta terça-feira às 10h00, na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).
De acordo com o delegado titular, Juan Valério, o acusado estuprou e matou no último dia 5 de agosto, no bairro do Mauazinho, na Zona Leste de Manaus, a comerciante Ivanilde Pedrosa dos Santos, 52. A vítima foi encontrada sem roupas e com o rosto desfigurado.

Wilson Ferreira arrastou a comerciante de dentro de sua casa até um terreno baldio, onde praticou o estupro e depois golpeou a cabeça de Ivanilde com um aro de caminhão.

 

Quando soube que era suspeito do crime, “Bodão” fugiu para Codajás, distante 240 quilômetros de Manaus em linha reta.

 

No entanto, a equipe da DEHS já estava sabendo onde o acusado estava.

 

                                                                                Filha, amigos e vizinhos durante protesto na DEHS

Uma mulher de 46 anos, que também já foi ouvida na DEHS, acusa “Bodão” de estuprá-la no dia 16 de julho deste ano, em uma rua do mesmo bairro onde violentou sexualmente e matou a comerciante Ivanilde Pedrosa.
Durante a apresentação de “Bodão” à imprensa, também estava na delegacia a comerciária Carla Suelen Pedrosa, 29, filha mais velha de Ivanilde. Ela gritava o tempo do todo por justiça e chamava o acusado de “monstro”, segurando cartazes, juntamente com outros familaires e vizinhos de Ivanilde.

Em um vídeo, “Bodão” assume o crime que vitimou a comerciante Ivanilde. Ele também confessa outros estupros.

No vídeo, o estuprador chora e pede perdão pra Deus e para os familiares das vítimas.
Segundo o delegado Juan Valério, “Bodão” foi indiciado e vai responder na Justiça Comum Estadual, pelos crimes de estupro e homicídio.

O acusado foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).

VEJA VÍDEO!

 

 Portal/Zacarias

 

Filha mata a própria mãe com várias facadas em Caruaru

O aconteceu na tarde desta terça-feira (01), na Rua da Paz, no bairro João Mota, em Caruaru- PE Onde Maria do Carmo da Silva, 59 anos, foi assassinada a facadas, pela própria filhaJanaina Maria da Silva, 27 anos, que foi presa em flagrante por PMs.

O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios da Polícia Civil.

Este é o 1º homicídio do mês de agosto, o 177º do ano de 2017 em Caruaru. O corpo da vítima foi encaminhado para o IML local.

 Informações que a filha sofria de Depressão
FONTE: `Portal no Detalhe

Crime foi filmado pelos estupradores e o vídeo está sendo compartilhado pelo aplicativo WhatsApp

A Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (Dcav) investiga um caso de estupro coletivo de uma menina de 12 anos, ocorrido na Baixada Fluminense. O crime foi filmado pelos estupradores e o vídeo está sendo compartilhado pelo aplicativo WhatsApp.

A vítima ainda será ouvida pela polícia. Segundo informações preliminares, a menina gritou ao ser violentada por um grupo de pelo menos cinco pessoas. A queixa foi registrada na delegacia por uma tia dela.

A polícia tenta identificar os criminosos, que vão responder por estupro de vulnerável e deverão ser incluídos no artigo 240 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que pune quem filma e reproduz cena de sexo envolvendo crianças ou adolescentes.

Há um ano, a DCAV investigou outro caso de estupro coletivo, cometido contra uma menina de 16 anos em Jacarepaguá, na zona oeste da capital. Três homens foram condenados a 15 anos de prisão pelo crime. A vítima foi incluída no programa de proteção a testemunhas do governo do Estado. Com informações do Estadão.


O corpo de uma mulher que morreu no Rio de Janeiro e era transportado para Santarém, no Pará, onde será velado, foi “extraviado” pela companhia aérea Latam, nesta segunda-feira (10).

Segundo os familiares Iara Otero Ferreira, de 60 anos, a princípio, a empresa que fazia o transporte disse que não sabia o que tinha acontecido com o corpo. Depois, informou ele ele tinha ido parar na Paraíba e que será transportado para Santarém nas próximas horas.

O marido de Iara, o militar Juarez Ferreira, disse ao G1 que o corpo da esposa saiu do Rio por volta das 16h e deveria chegar a Santarém às 2h50, depois de fazer uma escala em João Pessoa e outra em Brasília. Para ele, houve negligência por parte da companhia. “Os representantes daqui de Santarém não sabem nada, não sabiam informar onde o corpo estava. Agora a pouco fui informado que o corpo está na Paraíba”, afirmou.

Iara estava no Rio em tratamento médico, onde passou por cirurgia para retirada de pedras nos rins, mas não resistiu e morreu na última sexta-feira (7).

A família está em estado de choque, segundo Juarez. O militar contou que pretende acionar a Justiça para que os responsáveis sejam penalizados. “Sem palavras. Dá vontade de sair gritando e reclamando. Nossas filhas estão em estado de choque”, desabafou.

Em nota, a companhia aérea Latam Airlines Brasil informou que está apurando o caso.


Um detento mandou construir 112 quitinetes dentro da Penitenciária Odenir Guimarães, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na capital de Goiás, gastando aproximadamente R$ 200 mil na obra.

A construção, segundo o jornal O Dia, foi iniciada no fim de 2015 e estava quase terminada. Porém, o “motel” foi descoberto quando estava em fase final de acabamento.

O “dono do empreendimento”, o traficante preso Thiago César de Souza, de 32 anos, esperava arrecadar R$ 120 mil por mês com o “aluguel” das quitinetes íntimas. A obra em si na verdade custou R$ 120 mil, mas o traficante teve que gastar mais R$ 70 com o pagamento de propina ao diretor do presídio na época que a construção começou, Marcos Vinícius Alves. Ele está afastado desde o fim do ano passado.

A DESCOBERTA

Foi a Superintendência de Administração Penitenciária que descobriu o motel, ordenando em seguida a sua destruição.


Thiago Maranhão recebia salário de R$ 7,5 mil mais R$ 800 referentes ao auxílio alimentação do TCE (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Thiago Maranhão recebia salário de R$ 7,5 mil mais R$ 800 referentes ao auxílio alimentação do TCE (Foto: Reprodução/TV Mirante)

27/10/2016 21h13 – Atualizado em 27/10/2016 22h14 www.jgmoreira.com.br

Ações são por conta de recebimento irregular de dinheiro no TCE e Uema.
Ministério Público do Maranhão pede ressarcimento total dos danos.

O Ministério Público Do Maranhão (MPMA) ajuizou duas ações civis públicas contra o deputado federal Waldir Maranhão(PP) e o filho dele, o médico Thiago Maranhão, por causa do recebimento indevido de salários na Universidade Estadual do Maranhão (Uema), e no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA), respectivamente.

Na ação contra o filho do deputado, a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa também cita o conselheiro do TCE, Edmar Serra Cutrim.

Além do pagamento de multa civil, o Ministério Público requer a condenação dos três citados ao ressarcimento total do dano, à perda da função pública e à suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos.

A assessoria de Waldir Maranhão não se manifestou sobre o assunto. Thiago Maranhão não foi encontrado e a assessoria de Edmar Cutrim também não foi encontrada para falar sobre o assunto.

Salários indevidos
Em maio deste ano, o então presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), ganhou destaque negativo após receber indevidamente salários como professor da Uema referentes ao período entre fevereiro de 2014 e janeiro de 2016, enquanto exercia seu mandato de deputado federal, em Brasília.

Segundo a Uema, em março foi descoberto o pagamento indevido. Desde então, Waldir Maranhão foi comunicado sobre da obrigação de devolver ao erário estadual os valores recebidos no período assinalado. Ele teria requerido o cálculo atualizado do valor a ser devolvido, bem como a forma de fazê-lo. À época, a Uema disse que aguardava ‘a efetiva reparação ao tesouro estadual, providência que, quando adimplida’.

Filho também era ‘funcionário fantasma’
No mesmo período, o filho do deputado Waldir Maranhão, Thiago Augusto Azevedo Maranhão Cardoso, foi afastado do cargo de assessor do conselheiro Edmar Cutrim do TCE-MA após uma denúncia de que ele estaria atuando como médico em São Paulo e não exercia a função em São Luís.

No início de junho, Thiago Maranhão pediu ao TCE-MA para fazer o pagamento de R$ 565 mil – valor referente ao período em que recebia salário quando era ‘funcionário fantasma’ do órgão – de forma parcelada, sendo R$ 235 mil de entrada e outras 24 parcelas de R$ 13,7 mil.

Em recadastramento realizado após o escândalo, 22 do total de 571 servidores do TCE-MA não compareceram ao procedimento realizado pelo órgão no prazo estabelecido.

Do G1 MA


  “Sai-se muito maior de um processo quando se demonstra para a sociedade que se sabe perder”

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) voltou à tribuna, na sessão desta quinta-feira (27), para rebater e criticar estratégia eleitoreira do parlamentar Wellington do Curso que, segundo ele, para defender o novo aliado, o candidato do PMN, Eduardo Braide, trouxe para a tribuna uma denúncia infundada contra o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr, às vésperas da eleição do segundo turno. “Faltam três dias para as eleições. Sai-se muito maior de um processo quando se demonstra para a sociedade que se sabe perder. Quando o político é mau perdedor, ele sai menor do que entrou”, alfinetou.

Othelino Neto rebateu as acusações de Wellington do Curso contra Edivaldo Holanda Jr e lembrou a ele que a Justiça julgou improcedente, esta semana, uma outra denúncia infundada, envolvendo o ISEC, feita por ele, derrubando um factoide, uma estratégia de quem queria criar um clima no processo eleitoral sem necessidade. “E a decisão foi muito clara, arquivando o processo do factoide. Que essa decisão sirva de exemplo para que procurem se fundamentar melhor para não tentar criar um clima de instabilidade na campanha eleitoral”, comentou.

O deputado sugeriu a Wellington que faça a campanha do seu candidato, nas ruas, mas que não tente macular a imagem do prefeito Edivaldo Holanda Júnior que, nesses quatro anos, não sofreu uma só investigação por denúncia de corrupção. “E é por isso e por outras razões que hoje o prefeito aparece com uma liderança folgada e se avizinha de uma grande e importante vitória. Disse ontem aqui nesta tribuna e enfatizo, em nenhum momento temos o desejo ou a intenção de afirmar que a gestão do prefeito é perfeita, porque não é. Tem problemas, mas fez muito e está fazendo muito, inclusive para o incômodo dos adversários, que ficam criticando a prefeitura porque está pavimentando ruas”, disse.

Othelino apelou aos adversários para que respeitem o processo eleitoral,  a inteligência dos ludovicenses, porque não vai ser com factoides, reprisando vídeos e distribuindo na internet, que vai se conseguir ganhar a eleição. “O candidato adversário vai perder a eleição porque a população está escolhendo o caminho mais seguro, porque não está querendo improvisos, porque não está querendo aprovar na incerteza e porque o segundo turno foi muito bom para mostrar quem é um e quem é o outro”, frisou.

Segundo Othelino, Wellington fez um primeiro turno brilhante e teve uma votação expressiva, então deve respeitar os adversários e saber perder. “Haverá um vencedor e um vencido, mas em muitas eleições, mesmo quando se perde se ganha, desde que se saiba perder, aí sim pode até sair maior do processo eleitoral”, analisou.


othelino-0410O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) registrou, na sessão desta quarta-feira (26), o crescimento da campanha do candidato à reeleição em São Luís, prefeito Edivaldo Holanda Jr, com reflexos nas últimas pesquisas que confirmam a sua liderança, e repercutiu a declaração do voto do governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), ao pedetista. Ele rebateu também, de forma respeitosa, declarações pejorativas do parlamentar Wellington do Curso sobre o chefe do Executivo nesse processo eleitoral.

Othelino disse que o governador Flávio Dino anda sim e conhece muito bem São Luís, tanto é que se posicionou e encontrou razões para votar na reeleição do prefeito Edivaldo. Ele discordou das palavras de Wellington quando diz que, “se o governador andasse por São Luís, ele não apoiaria a reeleição do prefeito”. “É por andar muito na cidade, é por amar a capital que nós apoiamos o prefeito Edivaldo Holanda Junior”, comentou.

Na tribuna, o deputado lembrou que nem Wellington tem convicção do apoio ao candidato que ele escolheu, no caso Eduardo Braide (PMN). Ele disse que respeita a escolha, mas nas palavras dele, em pronunciamento lá no curso da família, quando manifestou as razões pelas quais decidiu apoiar o colega, ele próprio manifestou o incômodo quando afirmou, claramente, que não estava confortável com a própria decisão, ao declarar que o agora aliado “não é flor que se cheire”.

“Então, se ele que manifestou o apoio não está confiando, imagine os eleitores que ele está querendo induzir. Não fomos nós que dissemos, o próprio deputado Wellington afirmou, quando foi justificar o voto, que o candidato dele não é flor que se cheire. Eu não estou concordando com a afirmação, eu estou apenas reprisando e enfatizando as palavras do parlamentar”, comentou Othelino.

Para o deputado do PCdoB, se Wellington acha que o candidato Braide não é flor que se cheire, ele não deveria pedir voto para ele, porque isso é incoerente. “Eu peço voto para o prefeito Edivaldo Holanda Júnior porque eu confio nele, porque o mesmo está fazendo um bom trabalho e porque eu não tenho vergonha de andar com ele em qualquer lugar desta cidade. Se eu tivesse o mínimo de vergonha, eu não pediria votos para ele”, alfinetou.

Pavimentação incomoda

Segundo Othelino Neto, quem se incomoda quando chega a pavimentação a uma rua de um bairro de São Luís é quem não vive na poeira, vendo as pessoas adoecerem com problemas respiratórios, a ambulância não poder chegar, etc. “Esse pessoal, que não vive na poeira, realmente se incomoda, mas não é isso. Está assim porque sabe que vai perder a eleição”, frisou.

“Não estou dizendo que a cidade não tenha problemas, o próprio Edivaldo disse, em seu programa eleitoral, que a gestão não é perfeita, a capital tem dificuldades, mas o prefeito já fez muito e está fazendo muito mais. Eu vejo os adversários se incomodarem, por exemplo, quando chega a pavimentação asfáltica aos bairros de São Luís, como se o prefeito, por ser candidato à reeleição, não devesse mais trabalhar”, comentou Othelino.


DATA – 19/10/2016

Segundo Othelino Neto, encontrar uma mácula em Edivaldo Holanda Júnior, no que diz respeito à forma transparente com que trata os recursos públicos, ninguém conseguiu até agora

O deputado estadual Othelino Neto (PCdoB) registrou, na sessão desta quarta-feira (19), que o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Jr (PDT), candidato à reeleição, nunca teve contra a sua administração nenhuma comprovação de ilicitudes, nenhuma denúncia embasada de corrupção. Ele destacou a transparência das ações da atual gestão em tempos de criminalização da política.

De acordo com Othelino Neto, não há nada que manche a administração do prefeito Edivaldo Holanda Jr nesses quase quatro anos de gestão. “Estamos há 11dias das eleições, e o prefeito da capital nunca teve contra si uma única comprovação ou denúncia embasada de corrupção, de desvio de recursos do município. Isso é algo raro ainda. Mas no momento em que se avizinha a eleição e se radicalizam as tensões, as paixões vão aumentando e o clima fica mais acalorado”, disse o deputado.

Segundo Othelino Neto, encontrar uma mácula em Edivaldo Holanda Júnior, no que diz respeito à forma transparente com que trata os recursos públicos, ninguém conseguiu até agora. “O que prova que o prefeito é um gestor probo, sério e que aproveita os recursos que já são reduzidos e que diminuíram, ainda mais, com a crise pela qual passa o país, para investir naquilo que a cidade realmente merece, combatendo o desperdício, a corrupção”, comentou.

Para o deputado, Edivaldo Holanda Júnior vai completar o seu primeiro mandato e, pela vontade do povo de São Luís e com a bênção de Deus, será reeleito sem uma denúncia de corrupção contra sua administração. De acordo com o parlamentar, assim, ele cumpre o seu dever e, ao mesmo tempo, dá uma lição de que é possível governar prezando pelo cumprimento da legislação.

“Nesse sentido, achei importante deixar registrado este episódio. Não raro, numa etapa dessas, já seriam muitas as denúncias contra o prefeito, mas Edivaldo Holanda Júnior consegue passar, neste momento de criminalização excessiva da política, como um gestor que combate o desperdício de recursos públicos e, principalmente, a corrupção”, frisou Othelino.

Política e criminalização

Na tribuna, Othelino disse ainda que a tentativa de criminalizar, excessivamente, a política, de desqualificar os políticos e de colocar  todos numa vala comum para ter o desprezo da sociedade, isso não faz bem para a democracia, é ruim para a sociedade porque não se pode conceber uma democracia forte e segura sem que os políticos sejam respeitados.

“Existem maus políticos? Sim. Mas há muitos bons políticos, dentre os quais boa parte deles está aqui neste plenário. Eu acho que o que está acontecendo no país, isto é, as apurações, as investigações, as punições merecem o nosso aplauso, mas essa tentativa de criminalizar a política e de execrar os políticos, ela não faz bem para o Brasil”, finalizou o deputado.