Com os bandidos a polícia encontrou pistola, munições e R$ 3 mil no Bairro de Fátima

As prisões ocorreram por volta de 14h desta terça-feira (06) em uma residência na Rua Tiradentes (Rua do Peixe), no Bairro de Fátima.

Os presos foram identificados como Guilherme Bruno Gomes Moraes, conhecido como “Gui”, de 20 anos; Rayze Kellem Gomes, a “Preta”, de 25 anos; e Rafael Silva Cutrim, de 18 anos, residente na Vila Embratel.

No local, foram apreendidos:

. R$ 3.242,00 em espécie

. uma pistola Taurus calibre 380 “inox” com numeração ilegível

. dois carregadores de pistola calibre 380

. nove munições intactas calibre 380

. duas munições  calibre 38 Intactas

. quatro estojos deflagrados de munição calibre 38

. quatro aparelhos celulares

. um cordão e um anel dourados

Segundo informações da PM, os policiais receberam informações que integrantes de uma facção criminosa estariam reunidos com um  suposto líder do grupo, foragido do sistema penitenciário. Eles estariam de posse de armas de fogo e que possivelmente fariam ataques a rivais de outra facção.

Após o cerco na residência, seguido de abordagem e revista no interior do imóvel, foi localizado todo o material apreendido e dada voz de prisão aos suspeitos.

Eles foram conduzidos para a Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) para fossem tomadas as medidas cabíveis.


As imagens são realmente chocantes. Segundo consta do WhatsApp, onde o vídeo começou a circular ontem, a moça decapitada se chamava Bébora Bessa e tinha 19 anos.

 

Ela estaria ajudando a assassinar integrantes da facção criminosa Comando vermelho, de acordo com o que se ouve no vídeo.

 

A execução teria ocorrido em Rio Branco, capital do Estado do Acre.

Fonte : Portal do Zacarias


Luan da Silva foi preso durante cerco policial realizado no condomínio Poeirão, no Bequimão, ontem (Foto: Divulgação)

SÃO LUÍS – Um forte aparato policial, com a participação do Corpo de Bombeiros Militar e do Centro Tático Aéreo (CTA), realizou ontem uma operação em um condomínio inacabado, localizado no bairro do Bequimão, conhecido como Poeirão, que faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A ação resultou somente na prisão de um dos chefes de uma facção criminosa, oriunda do Rio de Janeiro, e ex-presidiário, identificado como Luan Alexandre da Silva, de 23 anos. Em poder dele, foi apreendida uma pistola 380 e uma quantidade de maconha.

Há informações de que a realização da operação policial teria sido vazada e por isso criminosos que agem na localidade fugiram antes do cerco policial. Segundo informações da polícia, a área habitacional é de responsabilidade da Prefeitura, mas, no momento moram 237 famílias, que possivelmente, podem ter ligação com membros de facção e criminosos, que estão realizando de forma diária roubo, homicídios, venda de droga e tiroteio na cidade.

Facção criminosa

“A localidade foi invadida primeiramente por integrantes de uma facção criminosa do Rio de Janeiro e posteriormente vieram morar pessoas de bem, mas, permitidas pelos faccionados”, declarou o delegado Carlos Alberto Damasceno, coordenador da operação. Ele informou que o cerco policial tinha três objetivos. Um deles era cumprir 237 mandados de busca e apreensão nos apartamentos, em busca de apreender armas de fogo e drogas.

A operação também visava prender foragidos da justiça e criminosos, acusados de cometer tiroteio, homicídio, roubo, latrocínio e comercialização de drogas e identificar moradores suspeitos de terem ligação diretamente com integrantes de facções criminosas. “Vamos tentar separar as pessoas de bem e prender aqueles que devem à justiça. Há possibilidade de haver outras incursões nesse condomínio no decorrer deste ano”, disse o delegado.

O condomínio começou a ser construído em 2005, com recursos do programa federal Promorar e, em 2009, teve investimentos do Habitat Brasil, que é um programa da União, mas, coordenado na capital pela Prefeitura. O delegado informou que, no momento, a Prefeitura pretende terminar a construção desse condomínio por meio do programa Minha Casa, Minha Vida. Inclusive, uma empresa de construção civil já esteve no local, realizando uma vistoria técnica.

A Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação (Semurh) informou, por meio de nota, que as obras do condomínio fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de responsabilidade da Prefeitura, por meio da Semurh. Esclareceu que, atualmente, o projeto está em fase de revisão na Caixa Econômica Federal, que é o ente financeiro do PAC.

Investigação

Carlos Damasceno informou que a operação policial foi fruto de trabalho investigativo feito pela equipe da Superintendência da Polícia Civil da Capital (SPCC) e denúncias anônimas de que o condomínio era comandado por integrantes de uma facção criminosa, com ocorrências de tiroteio, venda de drogas e roubo.

Ontem, mais de 700 profissionais da segurança pública estiveram no local, composto por 25 prédios e, segundo o delegado, com o propósito de cumprirem 237 mandados de busca nos apartamentos. Os policiais revistaram todos os apartamentos e conseguiram apreender balança de precisão, munições de calibres diversos, roupa – possivelmente utilizada em assaltos na Ilha – e efetuaram a prisão de Luan da Silva.

Conforme o delegado, Luan da Silva, durante a abordagem tentou jogar uma pistola 380 pela janela, mas acabou sendo surpreendido pelos policiais, que ainda encontraram uma quantidade de maconha. Ele estava em liberdade provisória e tinha sido preso pelo crime de roubo, por uma guarnição da Polícia Militar, no dia 15 de fevereiro deste ano, na Vila Palmeira, com Ronald Santos Costa. Com eles, a polícia apreendeu uma motocicleta Bros, de placa OXZ 7922; uma escopeta ponto 12, três munições, um rifle 22 e três carregadores de calibre 22.

O delegado Armando Pacheco, superintendente da SPCC, informou que por os policiais civis terem atuado nessa operação ontem, os Plantões da Polícia Civil da Ilha funcionaram por um período de 24 horas para atender a demanda das ocorrências policiais.

Protesto
Os moradores do condomínio Poeirão realizaram um protesto no Bequimão, durante a tarde de ontem, porque a luz dos apartamentos foi cortada. Os manifestantes colocaram pedaços de pau, concreto e galhos de árvore na Avenida 1 e a Alcântara, no Bequimão.

Alguns chegaram a deitar no meio da via, para que os veículos não pudessem trafegar. O movimento somente terminou com a chegada da Polícia Militar e o trânsito voltou ao normal no bairro do Bequimão.

Com informações: O Estado


Policiais da Superintendência Estadual de Investigações Criminais – SEIC prenderam cinco elementos acusados de matar o padrasto e sequestrar um adolescente deficiente físico. O fato aconteceu no bairro do São Raimundo, aqui na capital. A ação dos suspeitos foi no dia 17 deste..

Conforme testemunhas, os cinco fazem parte de uma facção criminosa e queriam matar um irmão do deficiente, que não estava na casa no momento. O padrasto Wellington Carlos de Jesus reagiu e foi morto à tiros. Então, eles sequestraram o enteado Leonardo Silva Mendes.

Eles tentaram negociar com a família a devolução do deficiente em troca do irmão que é o alvo do grupo, o que não aconteceu. Policiais da Seic começaram a investigar o caso e prenderam  Mauro Campos Alves Neto, vulgo Maurinho, de 24 anos; Moisias Tobias Silva Reis, vulgo Zico, de 40 anos; Tailson dos Santos Silva, o Romano, de 21 anos; Roseilton de Jesus Saraiva Corrêa, o Carioca, de 32 anos; e Taize Tobias Silva, de 25 anos