Fundo Partidário

Foto: Reprodução

A intenção dos deputados federais favoráveis à criação do polêmico fundo público de R$ 1,7 bilhão para financiamento de campanhas eleitorais, era aprová-lo sem que se identificasse como cada deputado votou.

Mas, por um descuido do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), os deputados tiveram que registrar publicamente seus votos favoráveis à criação fundo de R$ 1,7 bilhão para as eleições de 2018.

A ideia dos deputados federais era aprovar os R$ 1,7 bilhão, mas se protegerem do desgaste com os eleitores.

Veja como votaram os 18 deputados federais do Maranhão:

 SIM

Alberto Filho (PMDB)

André Fufuca (PP)

Deoclides Macedo (PDT)

Hildo Rocha (PMDB)

José Reinaldo (PSB)

Juscelino Filho (DEM)

Rubens Pereira Júnior (PCdoB)

Victor Mendes (PSD)

Weverton Rocha (PDT)

Zé Carlos (PT)

 

NÃO

Junior Marreca PEN

Luana Costa PSB

Pedro Fernandes PTB

 

FALTOSOS

Aluísio Mendes

Cléber Verde

Eliziane Gama

João Marcelo Sousa

Waldir Maranhão


VALDIR ENROLÃO

O deputado federal e Vice-Presidente  da Câmara, Waldir Maranhão (PP), deverá sofrer mais e mais punições dadas às suas indefectíveis enrolações. Diz a Coluna Expresso, da Revista Época, que  o parlamentar desta vez  será punido pelo seu partido e não receberá o fundo partidário.

Em não recebendo os valores negados pelo seu partido, Waldir Maranhão não poderá se “movimentar” nas eleições municipais e terá dificuldade em ajudar os seus aliados e candidatos a prefeitos no Estado , salvo se …

É sabido que tal punição imposta por seu partido deu-se ao fato do Deputado Waldir ter desobedecido a recomendação do seu partido (PP) e ter votado contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT)  Contanto que o PP deixará de repassar cerca de R$ 700 mil do fundo partidário ao Deputado Waldir e como também na mesma barca, estão outros quatro Deputados do PP.(Partido Progressista )

Sem os recursos, o deputado praticamente comprometerá futuros acordos nas eleições de 2018, tudo isso além da guerra pelo controle da legenda barrada pelo Deputado André Fufuca com a tomada da presidência do PP.

A informação foi divulgada pela Coluna Expresso, da Revista Época. O PP deixará de repassar cerca de R$ 700 mil do fundo partidário. Há outros quatro deputados do partido na mesma situação.

Assim sendo, Waldir Maranhão perde um valor considerável para contribuir com candidatos a prefeito pelo interior, principalmente na cidade de Pinheiro que é vista como a menina dos seus olhos do Deputado.

Hoje, Waldir trava uma guerra pelo controle da legenda com o deputado licenciado André Fufuca que tomou dele a presidência do PP, o que  levou Maranhão a dizer impropérios a Fufuca, acusando-lhe de golpista por ter vendido o PP em Pinheiro

 

 

 

 

 


O presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, não esconde que está “bastante preocupado” com o que pode acontecer na primeira campanha eleitoral financiada exclusivamente por doações de pessoas físicas, fundo partidário e com limite de gastos. Sobre qual a chance de dar errado, responde que, depois dessa eleição, o país vai se convencer da necessidade da reforma política que imponha redução no número de partidos. “Temos partidos comprando helicóptero e aviões a jato com fundo partidário. Com certeza, não é para isso o dinheiro.”

Salto no escuro

O legislador estabeleceu tetos muito rigorosos. Em 62% dos municípios, o candidato a prefeito não poderá gastar mais de R$ 100 mil. Os vereadores, R$ 10 mil. A campanha será bem ecológica, porque desse jeito nem haverá uso de carros. Tomamos essa decisão sem alterar o sistema eleitoral, o que é bastante complexo.

Caixa dois

As novas regras criaram insegurança e as dificuldades podem levar a abusos, como tentativa de manipular caixa 2, ter alguma despesa, como gráfica e gasolina, pagas por alguém sem declarar. Também há a possibilidade de captura de CPF para distribuir recursos.

Controle

Estamos bastante preocupados com esse quadro e nos prevenindo contra abusos. Vamos examinar a capacidade financeira do doador, com cruzamento de dados, e a existência de empresas. Vimos, na última campanha presidencial, que muitas eram fajutas.

Chance de dar errado

Certamente, nós vamos depois estar convencidos de que precisamos reformar o sistema político.

Partidos

Não é possível mais ter 28, 29 partidos no Congresso, 36 partidos habilitados, com toda essa questão de manipulação do fundo partidário. Temos partidos comprando helicóptero e aviões a jato com fundo partidário e, com certeza, não é para isso o dinheiro.

Distorções do sistema

Precisamos tentar vitalizar os partidos que são mais autênticos. Temos legendas que funcionam na casa do presidente, a secretária-geral é filha do presidente, é uma distorção completa do sistema. Seria mais justo permitir que se inscrevessem numa Junta Comercial.

Lava Jato

Esse quadro de corrupção, essa confusão que agora envolve a própria Justiça Eleitoral, com lavagem de dinheiro, doação oficial, propina, tudo isso é altamente constrangedor. Tudo isso precisa realmente ser discutido e reformado. Não é mais possível que no século 21 a gente conviva com essas barbaridades.

Campanha Dilma

Não estamos falando apenas de delitos eleitorais, mas de delitos típicos criminais. Comunicamos aos órgãos competentes: Ministério Público, TCU, Receita, para que tomassem as medidas adequadas. Constatamos mau uso do dinheiro arrecadado.

Cassação de registro do PT

Não sei se esse é o caso, mas nós temos que ser muito reflexivos em relação a essas práticas criminosas. Um porcentual de um contrato de uma estatal tinha que ir para os cofres do partido. Sinceramente, não vejo como descer mais na escala das degradações.

Eleitor pós-Lava Jato

Eu acredito que certamente as urnas vão revelar um País um pouco melhor do ponto de vista ético-jurídico. O eleitor será mais cuidadoso, pelo menos esse dos centros urbanos.

Impugnações

Por causa desse limite de gastos para prefeitos e vereadores vamos ter também um excesso de impugnação, um candidato imputando a outro abuso de poder econômico, por exemplo. Tenho impressão que dados segmentos políticos estão mais conscientes.

Impeachment

Temos que aguardar o Senado. Mas acho fundamental que seja decidido dentro da celeridade que o tema exige, para sabermos como vamos e para onde vamos.

COMPARTILHAR
TWEETAR

Andreza Matais

%d blogueiros gostam disto: