Com o objetivo de fortalecer políticas públicas para a primeira infância, a Prefeitura de São Bento através da Secretaria Municipal de Assistência Social, lançou  o Programa Criança Feliz. Coordenada pela referida Secretaria.  A solenidade contou com a participação do Prefeito Municipal Luizinho Barros, a Secretária de Assistência Social, Isaura Barros, o Presidente da Câmara Municipal,  Vereador IRANEY TRINTA , pais,mães e autoridades locais.

A  Iniciativa promoverá o desenvolvimento infantil. O programa, foca principalmente desde a gestação e nos primeiros três anos de vida  de uma criança indo até aos seis anos. Considerado como período decisivo para o desenvolvimento, os três primeiros anos de vida interferem diretamente no futuro do ser humano. A proposta integrará varias ações que serão coordenadas em várias áreas, como saúde, assistência social, educação, justiça e cultura. Além disso, serão incluídas as visitas domiciliares semanais, com o objetivo é oferecer às famílias mais informação e interação com suas crianças, identificando as oportunidades e os riscos para o desenvolvimento infantil.

Ao se reportar para os presentes no evento,  o Prefeito Luizinho Barros disse da importância do Programa  e do bom desenvolvimento na infância que irá refletir na vida dos adolescentes e adultos autônomos. Referindo-se ao futuro dessas crianças.  Afirmou.

 

 


ARTE E DEVOÇÃO II

 

NOTA DO AUTOR DO BLOG:

O LANÇAMENTO DE UM LIVRO É UM MOMENTO MARCANTE PARA A VIDA DO AUTOR, TUDO DECORRE DO RESULTADO DO ESFORÇO E DEDICAÇÃO NA REDAÇÃO DA OBRA.(jgmoreira APLAC)

APRAZE-ME CONVIDA-LOS  PARA O LANÇAMENTO DESTE EVENTO À ALTURA  DO SEU AUTOR  QUE NA “ARTE E DEVOÇÃO” VEM DAR ÊNFASE AO SINCRETISMO RELIGIOSO NO BRASIL.

Para cada Conto terá uma performance teatral e/ou musical, com a participação dos artistas da Cia. de Artes Beto Bittencourt.

HOJE NA CASA DO DO ESCRITOR

PREFEITURA DE SÃO LUÍS FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA 9ª FEIRA DO LIVRO DE SÃO LUÍS LISTA DE LANÇAMENTO DE LIVROS DA 9ª FEIRA DO LIVRO DE SÃO LUÍS ESPAÇO CASA DO ESCRITOR

 E A PRIMEIRA REVISTA ILUSTRADA DO MARANHÃO 18 hs JOANA BITTENCOURT ARTE & DEVOÇÃO

 

Sobre a Arte de Joana Botencourt / Em Arte e Devoção, evidencia-se uma arte desenvolvida por pessoa idosa, associada à devoção a um santo da Igreja Católica ou outra entidade religiosa, podendo, assim, dar ênfase ao sincretismo religioso existente no Brasil.

Discorre-se sobre uma época ou um lugar, evidenciando os costumes, as crenças, os saberes e o modo de vida de um povo, sempre recorrente à fé nos momentos decisivos de suas vidas.

Associa-se, também, às variadas manifestações culturais, notadamente do estado do Maranhão, onde cada festejo geralmente é relacionado a um santo ou mais de um, a exemplo do Bumba meu Boi (São João, São Pedro e São Marçal) e ao Tambor de Crioula (São Benedito), ambos Patrimônio Imaterial do Brasil. Portanto, a regionalização se dá em razão da diversidade cultural existente no Maranhão, um verdadeiro manancial de cultura, com o qual a autora mantém a maior afinidade e profundo interesse.

A pesquisa que norteia cada trabalho foi conseguida através de consultas em bibliotecas e arquivos, em jornais e nos relatos coletados nas pesquisas de campo; além de outra fonte, que foi a própria memória da escritora, que em sua infância e

parte da juventude vivenciou, participou, observou muitos dos relatos aqui narrados.

 

Joana Bittencout

Sobre a Arte de Joana, em contar a Devoção dos Maranhenses

A arte do conto é a sublimação da arte de narrar. No caso de Arte & Devoção, é tecer sentimentos e acontecimentos; ser capaz de traduzir costumes ancestrais, tendo ou não os vivido, debulhar os segredos poéticos dos cancioneiros, credos e rituais de comemorações, com olhar, ouvidos e mãos tão sensíveis, ao ponto de não maculá-los em sua essência.

Assim como o personagem Venâncio, Joana Bittencourt, fez missão de “botar” a história pra ressurgir nos terreiros, porque: “não é fácil manter tradição. Logo aparece uma novidade pra mexer com nosso ritual”.  Joana, escreve porque atraiu-a a vocação para o bê-a-bá de contar histórias, assim como Xandoca pra o bê-a-bá de versar. Traz nos lírios brancos das mãos de Zizita, a oferenda de um festival de tradições e rituais folclóricas que renascem para o presente, quando nascem sua histórias.

Porque contar histórias é ritual sagrado, é muito mais ousado que contar as contas do rosário das estrelas do firmamento; essas seduzem quem as conta, multidões a uma só vista. Mas o contista, esse conquista um por um os corações e as mentes de quem os lê, como se cochichassem um velho segredo, ao ouvido, repetidas vezes, mas a cada vez de uma maneira tão encantadora, que o “era uma vez” resgata verdades e as perpetuam, alimentando a memória e a cultura num ciclo interminável de histórias vividas, ouvidas e recontadas.

Ana Néres Pessoa Lima Góis

Educadora, poeta e artesã

Arte e Devoção

Essência que move e fortalece os ritos simbólicos que representam fé e tradição em terras maranhenses. Tais rituais expressam um conjunto de manifestações que fazem cultura popular do Maranhão uma das mais ricas do país.

Esse conjunto plural de manifestações populares constitui-se traços definidores das nossas identidades. Aí reside a grandiosidade da obra de Joana Bittencourt.

Decifrar esse universo simbólico e significativo, em linguagem literária, lúdica e sedutora, sem abrir mão do rigor etnográfico, do cuidado com as informações,com os valores da cultura popular, eis uma das mais valorosas características desta escritora.

Esta é uma obra elaborada com a delicadeza de quem sabe fazer uso das palavras, expressando com clareza o devido e profundo conhecimento da temática e da linguagem literária. Algo raro!

Joana consegue, a partir de uma pesquisa sistemática, bibliográfica e documental, presentear o leitor com textos informativos e, ao mesmo tempo,contar histórias de sua gente, contribuindo à compreensão das identidades de seu povo.

Além de um talento, uma habilidade incomum, uma missão.

São histórias contadas que se transformam em flores, rosas, louvando fidelidade às promessas que viraram tradições, de culto e louvor, ao sagrado, ao divino e aos santos.

Marla Silveira

Bibliotecária, Especialista em Gestão da Cultura, Mestra e Cultura e Sociedade, Conselheira Estadual suplente de Cultura (Memória e Documentação) e Coreira do Tambor de Crioula do Mestre Leonard

Sobre a Autora

Joana Bittencourt nasceu em Pinheiro, Maranhão. É escritora, compositora, teatróloga, membro da Academia Pinheirense de Letras, Artes e Ciências, cadeira nº 9, e do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, cadeira nº 56. Dirige a Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt desde 1999.

Bibliografia:

Livros: A história do Boizinho de Brinquedo – Literatura infantil, 29º concurso literário, cidade de São Luís; Itagiba – O Braçode Pedra da França Equinocial– romance histórico, pesquisa sobre a fundação da cidade de São Luís – MA.

Peças teatrais:Histórias de Ana Jansen, na visão do Mamulengo; Oh! Minha Cidade; A História de Upaon-Açu; A História do Boizinho de Brinquedo; Festa na Floresta; No Reino daJardineira; Aconteceu no Jardim; França Equinocial para sempre;Um Bibelô sobre o Atlântico; Brasil, verde Brasil; Uma Lagoaquase azul;Natalina do Maranhão; Natureza, que beleza!

Escreve nos jornais Cidade de Pinheiro e Jornal Pequeno, São

Luís – MA (coluna Trincheira da Maranhensidade).