Mariano de Castro estava em regime de prisão domiciliar determinado pela Justiça Federal. Ele foi preso por conta da Operação Pegadores, da PF.

Médico apontado pela PF como operador em esquema na Saúde no Maranhão é encontrado morto

O médico Mariano de Castro e Silva apontado como operador de um esquema na Saúde do Maranhão foi encontrado morto na noite de quinta-feira (12), no apartamento em que cumpria prisão domiciliar no bairro de Ininga, em Teresina-PI. O corpo foi levado para perícia em Teresina.

Segundo a Polícia Federal, o médico era um dos principais operadores do esquema que desviou R$ 18 milhões e 345 mil de recursos públicos federais enviados entre 2015 e 2017 ao Governo do Maranhão para cuidar da saúde da população.

O médico Mariano de Castro Silva ocupou os cargos de chefe do Serviço de Atendimento de Urgência (SAMU), na Prefeitura de Coroatá e de assessor da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde lamentou a morte do ex-servidor e disse lamentar ainda que o médico tenha sido “vítima do período absolutamente autoritário que vive o Brasil, com restrição de direitos, presunção de culpa e ofensa a preceitos fundamentais da Constituição” (leia nota na íntegra abaixo).

Mariano de Castro e Silva foi encontrado morto em seu apartamento, no Piauí (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Mariano de Castro e Silva foi encontrado morto em seu apartamento, no Piauí (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Entenda a operação

A Operação Pegadores é continuação da Operação Sermão aos Peixes e segundo a PF, durante as investigações conduzidas em 2015 foram coletados indícios de que servidores públicos que exerciam funções de comando na Secretaria de Estado da Saúde naquele ano montaram um esquema de desvio de verbas e fraudes na contratação e pagamento de pessoal.

As investigações indicaram a existência de 424 pessoas que teriam sido incluídas indevidamente nas folhas de pagamentos dos hospitais estaduais sem a prestação de serviços às unidades hospitalares. Os beneficiários do esquema eram pessoas indicadas por agentes políticos: familiares, correligionários de partidos políticos, namoradas e companheiras de gestores públicos e de diretores das organizações sociais.

O montante dos recursos públicos federais desviados por meio das fraudes chega a R$ 18.345 milhões. Contudo, segundo a Polícia Federal, o dano aos cofres públicos pode ser ainda maior, pois os desvios continuaram a ser praticados mesmo após a deflagração de outras fases da Operação Sermão aos Peixes.

A relação entre a administração pública e empresas terceirizadas foi usada para viabilizar os desvios, como apontou a PF no relatório da operação.

Prefeitura exonerou Mariano de Castro do Samu

Prefeitura exonerou Mariano de Castro do Samu

NOTA NA ÍNTEGRA DA SES

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) lamenta a trágica perda do médico Mariano de Castro e Silva, e se solidariza aos familiares e amigos deste profissional.

A Secretaria lamenta, ainda, que o médico Mariano de Castro e Silva seja mais uma vítima do período absolutamente autoritário que vive o Brasil, com restrição de direitos, presunção de culpa e ofensa a preceitos fundamentais da Constituição.

Neste momento delicado, a SES reforça seu papel de defesa irrestrita do sistema de justiça, no combate a todo e qualquer tipo de arbitrariedade.

A SES também repudia a postura adotada por alguns blogs maranhenses, que nesta hora de profunda dor, onde se exige o mínimo de humanidade e compaixão, produzem conteúdo sem o mínimo de ética e respeito.

Por G1 Maranhão, São Luís, MA

 


10325233_730147703702018_5374651334880693811_n

Fonte/ Blog do Neto Ferreira

O Ministério Público Federal juntamente com a Polícia Federal do Maranhão investigam várias prefeituras e pessoas físicas ligadas às Administrações Municipais. O pedido foi feito pela procuradora Regional da República, Valquíria Oliveira Nunes, com base no relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF).

Entre as gestões que são investigadas estão as de Chapadinha, Codó, Cajapió, Itapecuru-Mirim, Mirinzal, Pinheiro, entre outras, segundo documento obtido com exclusividade pelo Blog do Neto Ferreira.

No documento, há também empresas ligadas às Prefeituras, que são a A 4 Entretenimentos, A.J.F Júnior Batista Vieira -ME, VCR Produções e Publicidades, Escutec Pesquisas de Mercado e Opinião Pública, e demais instituições.

Em sua solicitação, a procuradora afirmou que alguns municípios foram beneficiados por repasses de verbas federais. “Desse modo, oficie à Superintendência da Polícia Federal no Estado do Maranhão, requisitando a instauração de inquérito policial para apurar eventual prática de crimes contra o Erário”, requereu Valquíria Oliveira Nunes.

Esse ofício está inserido nos autos do processo que deu origem a Operação Attalea, deflagrada em outubro de 2015, pela Polícia Federal. Ação foi motivada por denúncias de desvios de verbas federais na Prefeitura de Anajatuba, através de empresas fantasmas, que também prestavam serviços para às Administrações Públicas acima mencionadas.

Veja abaixo a lista completa das Prefeituras, empresas e pessoas físicas listadas pelo Coaf, que supostamente cometeram irregularidades de movimentações financeiras atípicas:1

2

3


Posted on by Leandro Miranda Blog. Marrapá

Os novos desdobramentos da Operação Lava Jato voltam a colocar as famílias Sarney e Lobão no centro do maior escândalo de corrupção do Brasil.

Os peemedebistas José Sarney, Roseana Sarney, Edison Lobão e Lobão Filho começaram o ano com a Polícia Federal, Justiça Federal e Supremo Tribunal Federal (STF) grudados em seus calcanhares.

De segunda até hoje, os principais jornais e portais de notícias do país divulgaram novos detalhes da participação dos políticos da oligarquia no esquema de corrupção que saqueou bilhões dos cofres da Petrobras.

No início da semana, o site “O Antagonista” apontou o ex-presidente José Sarney um dos possíveis beneficiados com o montante de R$ 4 milhões em propina.

Em um trecho da delação à Polícia Federal, o delator conhecido como Ceará revelou que o doleiro Alberto Youssef propôs que ele trouxesse o valor ao Maranhão.

O entregador disse que recusou o serviço, mas perguntou ao doleiro quem seria o beneficiário. “Você acha que, no Maranhão, esse dinheiro é pra quem?”, respondeu, segundo Ceará.

Em seguida, foi a vez o suplente de senador, Edinho Lobão, ex-candidato da oligarquia ao governo do estado, ser acossado pela PF.

De acordo com investigadores da Lava Jato, Lobinho é suspeito de estar envolvido com esquema montado pelo pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula, investigado pelos crimes de lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e corrupção ativa e passiva.

Policiais federais apreenderam nos escritórios de Bumlai documentos que mencionam pagamentos ao peemedebista, além de oito notas promissórias de R$ 1 milhão cada, em nome do político maranhense.

Por meio de uma nota enviada ao blog, Edinho ainda tentou se explicar, mas acabou se complicando mais ainda. Disse que o negócio é nulo e, “por sorte do destino”, as referidas notas e contratos foram guardados, como prova de que a transação suspeita não chegou a ser realizada.

Na quinta-feira (07), o vazamento de um novo trecho da delação de Ceará colocou novamente a ex-governadora Roseana Sarney como possível beneficiada com a propina paga por Alberto Youssef, referente ao precatório de R$ 134 milhões em favor da UTC/Constran.

Segundo o novo delator, o doleiro lhe mostrou um rascunho indicando “fluxo de propina” dividido em vários níveis, um deles identificado pela palavra ‘Leão’ – suposta referência ao Palácio dos Leões.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, mandou encaminhar cópia do depoimento à Polícia Civil do Maranhão para que o caso seja reaberto e devidamente apurado pelo Ministério Público do Estado.

A semana termina com a notícia que o STF autorizou a quebra do sigilo bancário e fiscal do senador Edison Lobão (PMDB).

O ex-ministro de Minas e Energia dos governos Lula e Dilma é investigado por suspeita de recebimento de propina durante as obras da usina Angra 3.

Se continuar neste ritmo, o japonês da Polícia Federal não demora a fazer uma “visitinha” a São Luís com o objetivo de recepcionar novos hóspedes na superintendência da instituição no estado.


LULA

O filho de Lula prestou depoimento e é alvo de um novo inquérito que investiga sua relação com a empresa de lobby

INQUÉRITO

11/12/2015 – 18h31, Atualizdo 12/12/2015 10:00h www.jgmoreira.com.br

Correio Braziliense
A Polícia Federal expediu mandado para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja intimado a prestar depoimento na Operação Zelotes. O mandado 6262 é do dia 3 de dezembro e define o comparecimento de Lula na próxima quinta-feira (17/12) na sede da Polícia Federal em Brasília.
Lula assinou as medidas provisórias 471/2009 e 512/2010, que estão sob suspeita de terem sido compradas por esquema de corrupção que envolve lobistas e montadoras de veículos que se beneficiaram de prorrogação de incentivos fiscais definidas por essas normas.
O filho mais novo de Lula, Luís Claudio Lula da Silva, recebeu R$ 2,5 milhões da Marcondes & Mautoni, consultoria contratada pelas montadoras para fazer o lobby pelas MPs. Os sócios da consultoria, Mauro e Cristina Marcondes, estão presos pela PF e já foram denunciados. O esquema de compras da MP foi revelado pelo jornal O Estado de S.Paulo em série de reportagens.
O filho de Lula prestou depoimento e é alvo de um novo inquérito que investiga sua relação com a empresa de lobby. Perícia da PF identificou que o trabalho que Luís Claudio diz ter prestado para a Mautoni se resume a cópia de material produzido na internet, em especial o site Wikipedia.
O ex-ministro Gilberto Carvalho também é alvo das investigações sobre a suposta compra de MPs na época em que ele era chefe de gabinete de Lula. E-mails indicam relação de proximidade do ex-ministro com Mauro Marcondes.
Luís Claudio e Gilberto Carvalho negam que tenham envolvimento no esquema de compra de MPs.

Camila BomfimDa TV/ Atualizado www.jgmoreira.com.br

O lobista Alexandre Paes dos Santos foi preso na manhã desta segunda-feira (26), em uma nova fase da Operação Zelotes da Polícia Federal. Em uma ação conjunta, agentes da PF, do Ministério Público e da Receita Federal ainda devem cumprir 5 mandados de prisão preventiva, 18 mandados de busca e apreensão e 9 de condução coercitiva. A operação é feita nos estados de São Paulo,Piauí, Maranhão e no Distrito Federal.

Os agentes realizaram busca e apreensão na empresa de marketing esportivo LFT, do filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Luis Claudio Lula da Silva. Segundo as investigações, a empresa tem ligação com a consultoria Marcondes e Mautone, investigada na Zelotes.

A Operação Zelotes investiga fraudes no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), ligado ao Ministério da Fazenda. Segundo a PF, esta nova etapa da operação investiga um consórcio de empresas que, além de manipular julgamentos dentro do Carf, negociava incentivos fiscais a favor de empresas do setor de automóveis.

Fases da Zelotes
A Operação Zelotes começou em 26 de março de 2015. O esquema investigado, de acordo com a PF, consistia em pagamento de propina para integrantes do Carf com o objetivo de anular ou reduzir débitos tributários de empresas com a Receita Federal.

Segundo as investigações da PF, o esquema teria fraudado até R$ 19 bilhões da Receita. Na primeira fase da operação, agentes da PF apreenderam R$ 1 milhão em espécie, além de carros de luxo, em duas casas de Brasília.

Em setembro, agentes da PF fizeram buscas em escritórios de contabilidade de São Paulo, do Rio Grande do Sul e do DF.

No dia 8 de outubro a PF fez a 3ª fase da Zelotes e cumpriram sete mandados de busca e apreensão em Brasília e no Rio de Janeiro.

Investigação
As investigações apontam que conselheiros suspeitos de integrar o esquema criminoso passavam informações privilegiadas de dentro do Carf para escritórios de assessoria, consultoria ou advocacia.

Esses escritórios, de acordo com os investigadores, procuravam empresas multadas pela Receita Federal e prometiam controlar o resultado dos julgamentos de recursos.

A Polícia Federal aponta que, para isso, além de promover tráfico de influência, o grupo corrompia conselheiros envolvidos com o julgamento dessas multas e manipulava o andamento dos processos com a venda de pedidos de vista ou alteração da pauta de julgamentos.

Muitas dessas consultorias, ainda conforme as investigações, tinham como sócios conselheiros e ex-conselheiros do Carf. A PF suspeita que, em troca dessas facilidades, empresas multadas pagavam propina. Segundo os investigadores, boa parte dos supostos honorários pagos pelas empresas a título de consultoria era, na verdade, repasse de propina.


09/10/2015 07h52 – Atualizado em 09/10/2015 07h53

PREFEITO DE PEDRO DO rOSARIO

Prisão aconteceu durante fiscalização no terminal da Ponta da Espera.
Agentes da PRF encontraram revólver calibre 38 no interior do veículo.

Arma calibre 38 estava com seis projéteis intactos (Foto: Divulgação / PRF-MA)Arma calibre 38 estava com seis projéteis intactos (Foto: Divulgação / PRF-MA)

O prefeito de Pedro de Rosário (MA), município localizado a cerca de 340 km da capital, José Irlan Sousa Serra, foi preso em uma operação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizada terminal de ferryboat da Ponta da Espera, em São Luís (MA). Ao abordar o automóvel em que o prefeito estava, que chegava da região da Baixada Maranhense, foi encontrado um revólver calibre 38, com seis projéteis intactos.

Questionado pelos agentes da PRF, o condutor do veículo, Raimundo Nonato Teixeira Neto, informou que a arma era do prefeito Irlan Serra, que negou a propriedade da arma. Foi dada voz de prisão a todos os ocupantes do automóvel.

Ao ser algemado, o prefeito ofereceu resistência à prisão. Ele portava, ainda, uma pasta contendo documentos da Prefeitura de Pedro do Rosário.

José Irlan Sousa Serra, José Kelvécio Rodrigues Alves, Evandro Luís Matos Pereira, Lidiane Neres Soares, Rubenita de Moura Lobato Bezerra e Raimundo Nonato Teixeira Neto foram levados à sede da Polícia Federal, no bairro da Cohama, em São Luís.


Lidiane Leite assumiu a prefeitura aos 22 anos (Foto: Arquivo pessoal)

Lidiane Leite assumiu a prefeitura de Bom Jardim (MA) aos 22 anos (Foto: Arquivo pessoal)

Cúmplices serão tratados como integrantes de organização criminosa.
PF segue sem pistas da prefeita investigada por desvios na educação.

Do G1 MA

Sem pistas do paradeiro da prefeita de Bom Jardim (MA), Lidiane Leite (PP), de 25 anos – suspeita de desviar dinheiro da educação no município e foragida há quatro dias –, a Polícia Federal (PF) lançou um alerta neste fim de semana: quem estiver ajudando a prefeita a se esconder vai ser tratado como integrante de organização criminosa.

“Pelo tempo que ela está desaparecida, é muito provável que ela esteja recebendo o auxílio de outras pessoas. Isso pode fazer com que essas pessoas sejam incluídas na organização criminosa que se investiga”, diz o superintendente da PF no Maranhão, Alexandre Saraiva.

A expectativa da PF é conseguir prender Lidiane ainda nesta semana. “A população tem ajudado com outras informações, nós estamos montando esse quebra-cabeça”, afirma Saraiva.


Prefeita de Bom Jardim (MA) ostentava boa vida nas redes sociais (Foto: Fotos: Divulgação)

Prefeita que ostentava boa vida nas redes sociais sumiu (Foto: Fotos: Divulgação)

Operação Éden investiga denúncias de desvios de verbas no município.
Na quinta-feira (20), foram presos dois ex-secretários.

Do G1 MA

Três dias após ser iniciada a Operação Éden, da Polícia Federal (PF) no Maranhão, que investiga denúncias de desvios de verbas da educação no município de Bom Jardim – a 275 km de distância da capital maranhense, São Luís –, a prefeita da cidade Lidiane Leite (PP), de 25 anos, segue foragida. A investigação foi iniciada após denúncia do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do Ministério Público do Maranhão (MP-MA) e Ministério Público Federal (MPF). Na quinta-feira (20), foram presos o ex-secretário de Agricultura, Antônio Gomes da Silva, conhecido como “Antônio Cesarino”, e de Assuntos Políticos, Humberto Dantas dos Santos, conhecido como Beto Rocha, ex-namorado da prefeita.

Com o sumiço da prefeita, moradores da cidade estão sem saber quem está no comando do município, com 39.049 habitantes. Na cidade, o clima é de incerteza. Vereadores estão impedidos de realizar votação para afastar a prefeita do comando da cidade por causa de uma medida cautelar obtida por Lidiane na Justiça. Ela já havia sido afastada três vezes do cargo: na primeira vez, em abril de 2014, pelo prazo de 30 dias após denúncias de improbidade administrativa, retornando ao cargo em 72 horas, depois de obter liminar na Justiça; na segunda, pelo período de 180 dias, em dezembro de 2014, com liminar suspensa pelo Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) em 48 horas; e  terceira em maio de 2015, retornando em 72 horas.

Na prefeitura, o expediente é de 8h às 12h, mas poucas pessoas foram encontradas no prédio nessa sexta-feira (21). Somente o secretário de Administração e Finanças, Dal Adler Castro, poderia responder pelo órgão, mas não quis falar com a imprensa.

Investigações
Lidiane Leite está foragida desde quinta-feira, quando foi iniciada a Operação Éden, da PF, que investiga denúncias de desvios de verbas da educação no município de Bom Jardim. Nessa sexta-feira, a PF reforçou a vigilância em aeroportos e rodoviárias do Maranhão a fim de capturar a prefeita.

Na quinta-feira, foram presos o ex-secretário de Agricultura, Antônio Gomes da Silva, conhecido como “Antônio Cesarino”, e de Assuntos Políticos, Humberto Dantas dos Santos, conhecido como Beto Rocha, que seria ex-namorado da prefeita. A repercussão nacional do caso acelerou a operação.

PF faz busca na sede da Secretaria de Agricultura de Bom Jardim (Foto: Divulgação / PF)PF fez busca na sede da Secretaria de Agricultura de Bom Jardim (Foto: Divulgação / PF)

Desvios
A polícia investiga transferências de cerca de R$ 1 mil realizadas da conta da prefeitura para a conta pessoal de Lidiane que chegam a R$ 40 mil em um ano. Também foram feitas transferências para o advogado da prefeitura, Danilo Mohana, que somam mais de R$ 200 mil em pouco mais de um ano.

Além da prefeita, secretários, ex-secretários e empresários também estão sendo investigados por causa de irregularidades encontradas em contratos firmados com “empresas-fantasmas”. Houve duas licitações para reformar 13 escolas, pelas quais a Zabar Produções obteve R$ 1,3 milhão e a Ecolimp recebeu R$ 1,8 milhão. Nenhuma das empresas foi encontrada.

Em 2013, a prefeitura firmou contrato com 16 agricultores para o fornecimento de merenda escolar nas escolas municipais, pelos quais cada agricultor receberia em média R$ 18 mil por ano. Os agricultores afirmaram que não receberam os pagamentos.

Prefeita de Bom Jardim (MA) Lidiane Leite (Foto: Reprodução / TV Mirante)Prefeita de Bom Jardim (MA) Lidiane Leite
(Foto: Reprodução / TV Mirante)

Luxo na internet
Lidiane se tornou prefeita aos 22 anos, em 2012, depois que o namorado dela na épocaBeto Rocha, candidato a prefeito, teve a candidatura impugnada ao ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Ela assumiu o lugar dele e foi eleita.

Depois que assumiu o cargo, Lidiane passou a compartilhar fotos da nova rotina nas redes sociais. Nos perfis pessoais, ela escreveu: “eu compro é que eu quiser. Gasto sim com o que eu quero. Tô nem aí pra o que achem. Beijinho no ombro pros recalcados”. Em outro post, ela diz: “devia era comprar um carro mais luxuoso pq graças a Deus o dinheiro ta sobrando”.

Afastamentos
A Justiça do Maranhão havia determinado o afastamento da prefeita pelo prazo de 180 dias em dezembro de 2014, com base no descumprimento da regularização das aulas e do fornecimento de merenda e de transporte escolar em Bom Jardim.

Na ação, o Ministério Público do Estado afirma que Lidiane havia apresentado informações falsas a respeito das irregularidades, mas as informações acabaram desmentidas por meio de denúncias dos próprios moradores da cidade.

A gestora também já havia sido citada pela Justiça por má conduta no início de 2014, quando foi deferida liminar, a pedido do MP-MA, para declarar a ilegalidade de decreto municipal que tornou nulas as nomeações dos excedentes do concurso público homologado em novembro de 2011.


  OS PREGADORES DE PROMESSAS  ( watch (2)  link do vídeo click e abra em uma nova guia )

Cansada de corrupção, desmandos e promessas a população de Pinheiro começa a se deleitar, assistindo o vídeo do filme “ OS PREGADORES DE PROMESSAS”

O vídeo conta a historia real da desgraça de Pinheiro cidade pólo da Baixada Maranhense.

Terra mãe de alguns políticos mais mentirosos do planeta.

A película de longa metragem mostra aRODOVIARIA nova Rodoviária, (R$ 2.500.000,00) O centro de Hemodiálise, (R$ 3.000.000,00) Construção do APA- Beira do Rio Pericumã ( R$ 5.000.000,00) 08 KM de pavimentação de ruas (2.500,000,00) construção do Matadouro publico,( R$ 5.000.000,00 ) recursos na conta desde o inicio da filmagem 2013, além da fabrica recicladora de lixo e o aterro sanitário, Bairros felizes e etc.  incorporados na película, como trailer. Dá pra ver ?…

Toda novela tem final feliz! Esse filme infelizmente não.


SEGUNDO A RESISTÊNCIA DO POVO O FOCO É O DESCASO

“BAIRRO SANTA LUZIA “

“REPENSAR PARA REVIVER PINHEIRO “

Moradores do Bairro Santa Luzia, indignados, culpa a atual administração municipal atual pelo CAOS ADMINISTRATIVO que foi criado a mais de duas décadas por quem ainda administra o município de Pinheiro.

Em em todas as Secretarias que compõe a administração.

Minha primeira visão vem retratada na infra-estrutura do asfalto de todas recente visita a esse Bairro e em conversa com seus moradores, que me relataram suas indignações. Pude perceber que o caos impera ainda com maior intensidade, vez que a cidade vem atingindo índices medíocres com inexpressividade

Todas as ruas do Bairro estão afetadas da doença “CAOS” coma mostra as imagens da principal Rua do Barro, EM TODA SUA EXTENSÃO – RUA DO HOSPITAL DR. ANTENOR ABREU.  EXTENSÃO MAIS BURACO ANTENOR ABREU REGIONAL DE EDUCAÇÃO