A MULHER BRASILEIRA

 

Mulher brasileira, simbolo de tenacidade, coragem, persistência e amor

Elegante sem saltos, sem sombras e com olhares…Não importa a cor

Uma sensibilidade pronta para disparar com pura e oculta beleza

Digna por excelência, sem depender de nada, pujante leveza

Mulher, coragem do medo, medo da coragem, um sentimento que traz

Figura que inveja o corpo, a pintura, as vestes e o alisar dos cabelos

São as Marias que sentem de tudo, mas só por excesso de zelos

Eis aqui os teus sentimentos de caridade e amor costumas!

Mulher, dona do poder de criação, uma benção de Deus, pelo acalento

Só a ti, mulher, o sublime, o divino poder do privilégio do amamento

Deleite-se na mangedora, mulher, e cultive esse sentimento só seu

És a perfeição do Universo, filha da naureza, pinte os lábios teus

Autor: José Raimundo Moreira


Percebe-se que, com o passar dos tempos, o mundo evolui, as ciências surpreendem com suas teorias oriundas da Divindade… Deus atento e vigilante às suas obras. Até aqui nenhuma surpresa. Acontece que o homem, por sua imperfeição, continua indiferente e referenciando a si mesmo. Esse comportamento, ao que parece, assume a gravidade de convivência das sociedades; contraria os princípios bíblicos e coloca em cheque a obra prima do Criador Universal. Não há dúvidas de que a doutrina espiritual universal foi criada para o bem e contra o mal; direcionada aos homens.

O Natal, data marcada pelo símbolo de confraternização, de amor ao próximo, de aproximação e reaproximação entre os homens. O Natal, focos de luzes coloridas, as quais despertam sensibilidades emotivas, reconsiderações de fatos, reconhecimentos das verdades. Trata-se de um instrumento valioso capaz de mobilizar, conscientemente, os insensíveis e os incrédulos em favor de uma causa. Será mesmo apenas só um sentimento abstrato ou a união provisória e sem continuidade? Há quem aponte esse sentimento abstrato como uma fonte rotulada pela mídia. Os indiferentes preferem a emoção satisfatória, deleitando-se nas regras da noite principal com brindes, felicitações, mensagens de todas as grandezas – o “Natal velho”, ultrapassado, sem amor, consciência, fraternidade e sem humanidade. Um Natal oportuno, apenas por descargo de consciência. Há ainda aqueles que preferem o anonimato… Nenhum sentimento.

O interessante é que, nessa época “feliz”, todos se rodeiam de culpas sociais, de descumprimento de responsabilidades, de esquecimentos dos que precisam ou precisaram em algum momento, do seu respaldo necessário, para viver com mais dignidade. Os que têm mais para doar, limitam-se a fazer o mínimo; os que têm menos, justificam a entrega do mínimo. Mas a verdade se sobressai às desigualdades do Natal velho. Contudo, não se pode perder a esperança de um “Feliz Novo Natal”, onde todos serão iguais diante dos brilhos natalinos, todos terão uma só noite com os mesmos brilhos, com as mesmas sensibilidades e dosagens de amor, com as mesmas alegrias, com os mesmos sorrisos, com os mesmos afetos e sentimentos humanos.

Autor: José Raimundo Moreira

Ao povo de São Bento, minha terra amada, um FELIZ NOVO NATAL.